Kevin Mitnick

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Kevin Mitnick

Kevin David Mitnick (Van Nuys, Califórnia, 6 de agosto de 1963) foi um hacker estado-unidense, conhecido mundialmente a partir dos anos 90. Atualmente trabalha como gerente de uma empresa de segurança.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kevin Mitnick cometeu os primeiros delitos em 1990. Invadiu vários computadores, comu de operadora de celulares, de empresas de tecnologia e provedores de internet. Foi preso em 1995 e libertado em 2000. Ficou três anos em liberdade condicional, sem poder conectar-se à internet. Hoje trabalha como consultor de segurança na Web.

Sua história começa na adolescência em Los Angeles, durante os anos 70, quando invadiu o computador da sua escola e alterou algumas notas. Pouco tempo depois, passou a interessar-se pela pirataria de sistemas telefônicos. Para isso, chegou a invadir as instalações da Pacific Bell para furtar manuais técnicos. Entretanto, como ele tinha apenas 17 anos, acabou não sendo condenado.

Prisão[editar | editar código-fonte]

A persistência em invadir sistemas o levou à prisão pela primeira vez aos 32 anos de idade, quando ele foi condenado a um ano de prisão por invasão de sistema e furto de software da DEC. Quando ele saiu da prisão, seu telefone passou a ser monitorado, assim como suas atividades. Haydan S.A foi o hacker que ajudou Kevin a atualizar-se sobre os conceitos de informática atuais.

Fugitivo[editar | editar código-fonte]

Sem autorização, Kevin viajou a Israel para encontrar amigos crackers, violando sua condicional. Como a polícia suspeitava que ele continuava invadindo sistemas, Mitnick resolveu desaparecer. Para isso, utilizou uma identidade falsa.

Então, como fugitivo da polícia sua atividade cracker continuou cada vez mais intensa. Invasões em sistemas de telefonia celular e furto online de softwares foram atribuídos a Mitnick, aumentando o interesse pela sua captura.

Armadilha[editar | editar código-fonte]

Em 1994, Tsutomu Shimomura era um grande especialista em segurança do Centro Nacional de Supercomputacão em San Diego, Califórnia. Durante suas férias, seu computador pessoal - que estava conectado via Internet com aquele centro - fora invadido. Além disso, em 27 de dezembro daquele ano, uma pessoa deixou uma mensagem na caixa postal do telefone de Shimomura.

Tsutomu Shimomura, com sua reputação técnica abalada, preparou uma armadilha para Mitnick. Em primeiro lugar, colocou a mensagem da secretária eletrônica na Internet, tornado-a pública. Ele imaginou que, dessa forma, Kevin entraria novamente em contato.

Algum tempo depois, uma outra mensagem atribuída a Mitnick foi deixada na caixa postal de Tsutomu Shimomura. Ela dizia mais ou menos o seguinte: " Ah Tsutomu, meu discípulo aprendiz. Você pôs minha voz na Internet. Estou muito desgostoso com isso ".

Com o FBI acionado e com a colaboração da National Security Agency, o computador de Shimomura passou a ser monitorado 24 horas por dia em busca de qualquer indício de invasão na tentativa de pegar Mitnick. Da mesma forma, o seu telefone passou a ser rastreado.

Algum tempo depois, uma outra mensagem atribuída a Mitnick foi deixada na caixa postal de Shimomura.

Essa ligação foi rastreada e em 15 de fevereiro de 1995, as autoridades com a colaboração de técnicos da Sprint Cellular concluíram que o suspeito estava operando na Carolina do Norte. Com scanners de freqüência, eles verificaram um sinal suspeito vindo de um edifício de apartamentos em Players Court. Com uma ordem judicial, Kevin foi finalmente preso.

Liberdade longe dos computadores - após cinco anos preso, Kevin Mitnick foi libertado em 2000 com a condição de manter-se longe de computadores, celulares e telefones portáteis pelo período de três anos.

Atualmente, passado o período em que deveria manter-se longe dos computadores, Kevin Mitnick escreve livros e artigos sobre segurança de informações, profere palestras em diversos países e trabalha como consultor em segurança de sistemas.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]