Khandakar Mushtaq Ahmed

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Khondakar Mostaq Ahmad
presidente de  Bangladesh
Período de governo 15 de agosto de 1975 - 6 de novembro de 1975
Antecessor(a) Sheikh Mujibur Rahman
Sucessor(a) Abu Sadat Mohammad Sayem
Vida
Nascimento 1918
Daspara, Raj Britânico
Morte 5 de março de 1996 (78 anos)
Dacca, Bangladesh
Dados pessoais
Partido Liga Awani
Profissão político

Khondakar Mostaq Ahmad (em bengali, খন্দকার মোশতাক আহমেদ), que também pode ser escrito Khandakar Mushtaq Ahmed (1918 - 5 de março de 1996) foi um político de Bangladesh que governou o país como presidente da república entre 15 de agosto e 6 de novembro 1975 após o assassinato de Sheikh Mujibur Rahman, líder fundador desse país. Ahmad desempenhou importantes papéis na Liga Awami e no governo no exílio formado durante a Guerra de Independência de Bangladesh.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Khondakar Mostaq Ahmad obteve a licenciatura em direito na Universidade de Dacca e uniu-se à política em 1942. Como ativista no Movimento Paquistão e na Liga Muçulmana, Ahmad foi um dos secretários fundadores da Liga Awami, fundada por Abdul Hamid Khan Bhasani e Huseyn Shaheed Suhrawardy. Ahmad foi um dos colegas mais próximos do jovem e carismático político Sheikh Mujibur Rahman, desde seus primeiros dias como líder estudantil.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Ahmad foi eleito membro da Assembleia Provincial do Paquistão Oriental em 1954, como candidato da Frente Unida do Paquistão Oriental. Quando o governo central de Paquistão dissolveu o gabinete da Frente Unida, Mostaq Ahmad foi encarcerado em 1954 junto de outros líderes bengaleses. Foi solto em 1955 e foi eleito chefe da bancada parlamentar da Frente Unida; no entanto, com a promulgação da lei marcial em 1958, foi preso pelo regime de Ayub Khan. Durante o Movimento dos Seis Pontos, Ahmad seria novamente encarcerado em 1966. Depois de sua libertação, Ahmad acompanhou a Sheikh Mujibur Rahman (então líder máximo da Liga Awami) à conferência de todos os partidos chamada por Ayub Khan em Rawalpindi em 1969. Foi eleito membro da Assembleia nacional do Paquistão em 1970.

Com o início da Guerra de Independência de Bangladesh e a detenção de Mujib, Ahmad e outros líderes da Liga Awami reuniram-se em Mujibnagar para formar um governo no exílio de Bangladesh. Nazrul Islam asumiu como presidente interino (Mujib foi declarado presidente), Tajuddin Ahmad foi nomeado primeiro-ministro e Ahmad, ministro de relações exteriores. Neste cargo, Ahmad devia conseguir apoio internacional em favor da independência de Bangladesh.

Golpe e presidência[editar | editar código-fonte]

Depois da independência de Bangladesh, Ahmad converteu-se em membro do gabinete de Sheikh Mujib, ocupando os ministérios de Energia e Irrigação. Em 1975, foi nomeado ministro de comércio; no entanto, Ahmad se teria afastado de Mujib e manteria contatos com grupos políticos antagônicos islâmicos. Um líder conservador, Ahmad opunha-se às políticas socialistas, seculares e pró-Índia de Mujib. Apesar disso, Ahmad se manteve no gabinete de Mujib e foi nomeado membro do comitê executivo de BAKSAL, enquanto Mujib proibia outros partidos políticos e se declarava presidente.

Segundo a história tradicional, relatada pelo jornalista Anthony Mascarenhas,[1] Syed Faruque Rahman, Abdur Rashid e Sharful Haque Dalim, todos coronéis do exército bengalês, planejaram uma conspiração, na qual Khondaker Mostaq Ahmad aceitou receber o cargo de presidente. O jornalista Lawrence Lifschultz propõe uma versão alternativa da conspiração, que implica a Mustaque e à CIA como partícipes.[2] [3]

Sheikh Mujib e todos os membros de sua família (com exceção de dois) foram assassinados por um grupo de oficiais do exército em 15 de agosto de 197 supostamente com o consentimento de Khondaker Mostaq Ahmad. Khondaker tomou imediatamente o controle do governo e proclamou-se presidente, um cargo que ocupou por apenas 83 dias. Vários oficiais do exército, incluindo a Syed Faruque Rahman, receberam promoções. O general Ziaur Rahman foi nomeado chefe do exército. Ahmad também ordenou o encarceramento dos líderes pró-Mujib: Syed Nazrul Islam, Tajuddin Ahmad, A. H. M. Qamaruzzaman e Muhammad Mansur Ali.

Ahmad substituiu o slogan nacional de Joy Bangla pelo de Bangladesh Zindabad e mudou o nome Bangladesh Betar pelo de 'Rádio Bangladesh'. Mais controversalmente, proclamou o Decreto de Imunidade, através do qual concedeu imunidade aos assassinos de Mujib. Também proibiu a volta a Bangladesh das filhas de Mujib Sheikh Hasina Wazed e Sheikh Rehana, que estavam no exterior. O BAKSAL e os grupos políticos pró-Mujib foram dissolvidos. Em 3 de novembro de 1975, foram assassinados os quatro líderes nacionais pró-Mujib que se encontravam encarcerados: Syed Nazrul Islam, Tajuddin Ahmad, Muhammad Mansur Ali e A. H. M. Qamaruzzaman. Apesar de todas estas medidas, Ahmad foi derrubado a 6 de novembro de 1975 em um golpe de Estado comandado pelos oficiais do exército pró-Mujib Khaled Mosharraf e Shafat Jamil.

Referências

  1. Mascarenhas, Anthony (1986). Bangladesh: A Legacy of Blood. Hodder and Stoughton, ISBN 0-340-39420-X
  2. Memórias escritas em 2005 por Lawrence Lifschultz
  3. Lifschultz, Lawrence (1979). Bangladesh: The Unfinished Revolution. Londres: Zed Press.
Precedido por
Sheikh Mujibur Rahman
Presidente de Bangladesh
agosto - novembro de 1975
Sucedido por
Abu Sadat Mohammad Sayem