Kid Eternidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kid Eternidade
Placeholder male superhero c.png

Dados da publicação
Publicado por Quality Comics
DC Comics
Primeira aparição Quality Comics
Hit Comics #25 (dezembro de 1942)
Criado por Otto Binder (escritor)
Sheldon Moldoff (artista)
Grant Morrison (Vertigo)
Características do personagem
Alter ego Christopher "Kit" Freeman (DC Comics)
Afiliações Família Marvel
Novos Titãs
Parceria Sr. Keeper ou Senhor Guardião
Parentesco Capitão Marvel Jr. (irmão na versão DC Comics)
Situação presente morto mas trazido de volta à vida pelas forças do Caos
Causa faleceu na Segunda Guerra Mundial (depois reformulado)
Habilidades Traz de volta a vida pessoas falecidas, geralmente vultos históricos (depois passou a trazer também seres mitológicos)
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Kid Eternidade (no original em inglês, Kid Eternity) é um personagem fictício de histórias em quadrinhos que já teve várias versões. É um super-herói com superpoderes, sendo o principal deles e mais característico a capacidade de materializar pessoas mortas ao dizer "Eternidade".

Foi criado por Otto Binder (escritor) e Sheldon Moldoff (artista) e publicado primeiramente pela Quality Comics. A estréia foi na revista Hit Comics #25 desta editora, em dezembro de 1942. Atualmente é propriedade da DC Comics, que comprou a Quality em 1956.

Kid quer dizer garoto em inglês. A tradução completa do nome original seria "Garoto Eternidade", ou, talvez, "Garoto da Eternidade".

Versão Pré-Crise nas Infinitas Terras[editar | editar código-fonte]

Era de Ouro: Origem na Quality Comics[editar | editar código-fonte]

Origem e características[editar | editar código-fonte]

O personagem era inominado a princípio; ele estava no barco pesqueiro de seu avô, que foi torpedeado por um navio de guerra nazista, matando ambos. No além, o Sr. Keeper, que cuidava da lista de mortos que chegavam lá, percebeu que havia cometido um engano (o primeiro em milhares de anos): o garoto só deveria chegar 75 anos depois. Para compensar seu erro, a criança foi trazida de volta a vida, e deveria passar o tempo que lhe restava na Terra com a missão de fazer o bem. Para isso, poderes lhes foram dados: Dizendo a palavra "Eternidade", Kid podia...

  • Invocar qualquer pessoa morta ou personagem fictício.
  • Ficar invisível e intangível. Quando isso acontecia, sua imagem ficava azul para o leitor.
  • Teleportar-se para qualquer lugar da Terra.

Seu uniforme consistia numa camisa branca de gola olímpica, calça roxa, sapatos marrons e uma estranha faixa vermelha na cintura, com um tipo de enfeite na ponta.

O Sr. Keeper (traduzido usualmente como Senhor Guardião), um ser rechonchudo e engraçado cuja figura era a mescla de santo e Buda, o acompanhava, mentoreando-o.

Vida editorial[editar | editar código-fonte]

Ele apareceu como uma das séries da revista Hit Comics, depois ganhou título próprio, a Kid Eternity.

Outra série que integrou a Hit Comics quando de seu surgimento foi o "Abelha Vermelha" (Red Bee).

Ida para a DC Comics: Morando na Terra S e integrando a Família Marvel[editar | editar código-fonte]

Nos anos 70, a DC Comics comprou os direitos sobre personagens da Quality Comics. Como aconteceu com diversas outras editoras adquiridas (Charton, Fawcett), foi criada uma dimensão para situar seu universo ficcional, um universo paralelo à Terra Ativa (lar de Superman, Liga da Justiça e cia.); ela foi batizada de Terra X. Kid Eternidade, entretanto, não foi alocado nessa dimensão.

Embora sendo um personagem da Quality, Kid foi definido como morando na Terra S, que era a dimensão dos personagens da Fawcett Comics que foram adquiridos pela DC (Capitão Marvel e cia.), devido a seus poderes surgirem ao dizer uma determinada palavra lembrarem os da Família Marvel. Nesta época foi dado-lhe um nome real, Christopher "Kit" Freeman, e definido como irmão de Freddy Freeman, o Capitão Marvel Jr..

As encarnações modernas[editar | editar código-fonte]

Após a saga Crise nas Infinitas Terras, a DC Comics iniciou a reformulação e relançamento dos seus personagens, para que uma nova continuidade, mais coesa, fosse criada. Desde os mais conhecidos, como Mulher Maravilha, Batman e Superman, até semi-desconhecidos, como o Sandman, foram alvos dessa ação.

Os personagens de escalão mais baixo foram talvez os que mais se beneficiaram, pois no caso deles havia mais liberdade criativa. O caso do citado Sandman deve constituir-se no maior êxito e no mais emblemático. Outros bons materiais que surgiram dessa safra foram: Homem Animal, Shade - O Homem Mutável e Kid Eternidade.

A minissérie de Grant Morrison[editar | editar código-fonte]

Nos início dos anos 90, uma versão diferente e muito sombria do personagem foi apresentada. Isto foi feito em uma minissérie de três partes escrita por Grant Morrison, com arte de Duncan Fegredo em 1991. Embora seja menos conhecida, por exemplo, que as obras do mesmo período de Neil Gaiman (Sandman e Livros da Magia, sendo que a primeira ganhou diversas republicações, inclusive no Brasil), possui qualidade de mesmo nível destas, senão superior.

Ela foi lançada antes da inauguração do selo Vertigo, e virou um material cult.

Resumo da obra[editar | editar código-fonte]

* Edição 1:

Verso I

O comediante Jerry Sullivan é levado para um hospital, todo ferido. Horas antes disso, estava numa festa com amigos artistas esnobes (entre eles Val Hoffman, por quem se apaixona). Jerry pronuncia a palavra Eternidade durante um jogo e o Kid se materializa. Os demônios Schichiriron estão atrás do recém-chegado e matam vários convivas. Alguns fogem, entre eles Jerry, e o Kid desaparece. Enquanto isso, há um assassino serial assombrando a cidade e um padre enlouquecido em Las Vegas.

Verso II

Mais amigos de Jerry são mortos pelos Schichiriron. Val Hoffman sai da cidade mas é seguida pelos Schichiriron. Kid aparece na casa de Jerry e conta sua origem. Diz que ficou preso durante 30 anos no Inferno e terá de voltar para lá para resgatar o Sr. Keeper, e convida Jerry para acompanhá-lo. De volta ao hospital, Jerry não resiste e morre. O Kid encontra sua alma, que observa seu corpo, e repete o convite.

* Edição 2:

Verso III

Jerry, agora um fantasma, é sugado para uma dimensão chamada Piscina De Vida. Lá, confronta uma entidade chamada Tribunal. Ela lhe mostra que não é um mero humano e faz com que lembra-se de um fato terrível de seu passado. Val Hoffman é perseguida por Schichirirons possuíndo a forma de lendas urbanas. O Kid resgata Jerry e relembra de como conseguiram os mapas do Inferno: Num flashback, Kid e Jerry visitam o Velho, escritor de horror anônimo à la Lovecraft que detêm os mapas.

Verso IV

Uma viagem ao Inferno. O Sr. Keeper é encontrado, mas com um aspecto monstruoso, parece um demônio.

* Edição 3:

Verso V

O Sr. Keeper é libertado. Kid e Jerry o acompanham até uma torre. Os Lordes do Caos são apresentados e sua origem é revelada. Kid descobre a verdade por trás de sua criação: Nunca foi para o Céu, foi ao Inferno e enganado para trabalhar para o Caos.

Verso VI

Jerry volta para seu corpo ferido. Kid e Keeper empenham-se em construir a última Caosfera. Os Schichiriron os descobrem. Kid convoca os 300 de Esparta para defendê-lo. Jerry enfrenta o padre louco. O mistério do estripador é esclarecido, ele é Jack, o Estripador, invocado por Kid antes de ser capturado e aprisionado. Jerry troca sua alma e a do padre louco de corpos. O estripador salva a vida de Jerry, matando o padre quando este ia atacá-lo. Kid bane o estripador e revela a Jerry que ele deve assumir o papel de pregador. Jerry encontra Val Hoffman e lhe dá carona. A nova era da humanidade tem início.

Sobre a obra[editar | editar código-fonte]

Esta versão devolveu Kid às suas raízes inomimadas e desfez todos os elos com a Família Marvel; manteve-se intacta a maior parte da continuidade original, mas a fase na Terra S foi totalmente desprezada.

Os anos de ausência do personagem desde a versão da era de ouro até a mini-série foram explicados através do fato dele e de seu mentor terem sido aprisionados no Inferno por 30 anos.

Acréscimos, entretanto, foram feitos. Seu traje e seu aspecto físico foram quase totalmente destituído de cor (para lembrar um fantasma), só ficou a faixa vermelha como lembrança do visual antigo, mas sem a franja esvoaçante com o enfeite na ponta. O Kid foi mostrado, num flashback, usando óculos de aro redondo em sua vida terrena, coisa que não existia antes, e mais tarde, com o visual branco passaria a usar óculos escuros, também de aro redondo. Como a fase da Era de Ouro dos Quadrinhos é considerada e vê-se o Kid atuando com um visual próximo ao do original, aparentemente o ele adotou a aparência lívida pouco antes de ser preso no Inferno ou durante sua estada lá.

Esse Kid que volta é matreiro, malandro, sacana, além de impiedoso e zombeteiro. Como Morrison considera a fase ingênua da Quality, talvez a temporada no Inferno tenha sido responsável tanto pela mudança de personalidade quanto pelo visual albino.

Kid descobre que foi enganado. Ele nunca foi para o Céu, e não houve erro algum que motivou sua morte: Tudo foi, na verdade, um plano dos Lordes do Caos. Eles fizeram com que o Kid fosse morto junto com seu avô e que sua alma viajasse junto com a dele para o Inferno. Aparentemente, o abuso sexual que sofria nas mãos do velho criou uma ligação entre os dois que permitiu isso. Os dois chegaram a uma miragem montada pelos Lordes, que retratava uma visão infantil do Paraíso.

Morrison respeitou a forma como a intangibilidade era indicada, e toda vez que o Kid se desmaterializa ou viaja pelos reinos sobrenaturais, ele parecia uma entidade feita de nevoa com uma leve luminosidade azul.

Grant Morrison visualizou o Kid como um oposto do Senhor Destino, um agente do Caos (outros agentes destas forças são: Homem Cinza, Rapina e Columba e Kestrel). Ele revelou que estava muito interessado na Teoria do Caos e temas correlatos quando escreveu-a.

O Kid de Morrison segue uma linha de heróis transformados em agentes de forças superiores, um grupo que conta com o Monstro Do Pântano, Nuclear, Deadman (ou Desafiador), Shade - O Homem Mutável, Sandman. E talvez a sua reformulação tenha sido uma das primeiras (senão a primeira) na linha "tudo o que você sabia era mentira". Outros personagens que foram mudados dessa maneira foram a Poderosa, o Tocha Humana Original e o Surfista Prateado.

A DC optou por desconsiderar também a versão de Morrison para os Lordes da Ordem e do Caos, que os retratava como seres não-humanos. Diversos personagens humanóides da cronologia DC foram declarados Lordes, como Mordru (Caos) e os magos Arion e Shazam (Ordem).

Morrison fez mais duas referências ao universo DC além do uso dos Lordes: na edição dois o Vingador Fantasma é citado, na três um meta-humano voador de vermelho rasga o céu, aparentemente é o Superman. Isso parece indicar que sua intenção era criar uma história dentro da cronologia DC. Entretanto, ele também desenvolve elementos que conflitam com a cronologia, como sua versão do Inferno, que nada tem da hierarquia cultivada nas histórias do Monstro do Pântano, Hellblazer e Sandman, por exemplo.

O roteirista segue o padrão estabelecido por Alan Moore e Neil Gaiman em seus trabalhos para a DC (respectivamente, Monstro do Pântano e Sandman): Muitas referências, desde mitologia até cultura pop. Os fãs de seriados e filmes como Lost e Matrix encontrarão nesta obra e similares os seus precursores.

A minissérie foi publicada no Brasil pela Metal Pesado (que depois mudou o nome para Tudo em Quadrinhos e outra vez para Atitude), editora que executou um ótimo trabalho, profissional e respeitoso, com a maioria dos os títulos da Vertigo que lançou (exceção feita a Enigma, que a editora não concluiu). Mais tarde, foi reunida e lançada na forma de um encadernado.

Os poderes do personagem foram expandidos. Os Lordes do Caos afirmam que dotara seu agente "da capacidade viajar pelo espaço e por reinos misteriosos". Talvez Kid tenha acesso a todas as regiões sobrenaturais, como ao reino dos recém-mortos do Deadman. Kid se revela capaz de virar um pensamento e entrar na mente dos outros, capaz de criar roupas nos reinos sobrenaturais (talvez manipulando a matéria dessas regiões), capaz de usar a força da mente de outros nesses lugares.

Obras semelhantes e possíveis referências[editar | editar código-fonte]

  • A viagem de Kid Eternidade e Jerry Sullivan ao Inferno lembra um pouco a excursão do jovem mago Tim Hunter (que inspirou Harry Potter) pelos recantos mágicos do Universo DC sob a tutela da Brigada dos Encapotados.
  • Na revista regular Namor (fase de John Byrne), da Marvel Comics, o Príncipe Submarino enfrenta uma vilã chamada "Caçadora de Cabeças", muito parecida fisicamente com a versão de Morrison. Ela é albina e precisa usar óculos escuros, mas seu cabelo é vermelho e suas roupas são vermelhas e pretas [1]
  • Outro personagem cujo visual lembra o Kid de Morrison é o Coelho Branco (também da DC), o espadachim místico que enfrentou o Pacto das Sombras publicado na revista brasileira Universo DC: De pele e cabelos lívidos e usando óculos escuros de lentes redondas [2]
  • Algumas obras que com certeza interessarão aos fãs da série são: a francesa "O Carrasco das Sombras" (publicada na extinta Heavy Metal); a brasileira Nova Lágrima (publicada na extinta revista HQ Revista do Quadrinho Brasileiro).

Algumas curiosidades técnicas[editar | editar código-fonte]

  • Ele diz, a certa altura: "Eu não tenho um nome. Pode me chamar de Kid.". Esta frase pode indicar que o Kid esqueceu quem era e/ou segue um dos princípios da mágica expostos na minissérie Livros da Magia: Nomes têm poder, não diga seu nome e não pergunte o nome de outrem.
  • O conceito de Inferno feito de uma matéria psiquica moldável foi usado novamente por Morrison quando escreveu uma história em duas partes para o personagem Spawn, de Todd MacFarlane. Nessa série, tal matéria é chamada de psicoplasma.
  • As capas da minissérie, unidas, formam uma única imagem, um close da parte superior do rosto de Kid, que parece estar furioso e gritar. Lembra a capa de um disco de rock. E Morrison batizou cada parte dela (seis ao todo, duas por edição), de versos. Há muitas referências a músicas, como Carmina Burana e Deadman's Curve. Uma imagem semelhante ao quadro formado é encontrada na edição três, verso seis, quando o Kid grita Eternity. Talvez uma tenha inspirado a outra.

A série mensal de Ann Nocenti e Sean Philips, pela Vertigo[editar | editar código-fonte]

Quando a DC iniciou o selo Vertigo, sua linha de quadrinhos para adulto, Kid Eternidade foi revisitado, com uma nova série escrita. Grant Morrison e Duncan Fegredo foram indagados pela editora sobre a possibilidade de trabalharem numa série regular do personagem. Infelizmente para os fãs da minissérie, ambos estavam indisponíveis. A DC, entretanto, levou o projeto a cabo sem eles.

Ann Nocenti e Sean Philips fizeram uma nova reformulação do personagem, afastando-se da versão de Morrison, embora mantendo tramas para adultos. Ela focalizou o lado mundano do personagem. Durou 16 números (maio de 1993 - setembro de 1994).

Essa nova versão mantinha parte do visual de Morrison/Fegredo, com Kid usando roupa branca com uma faixa vermelha na cintura, E óculos escuros de lentes redondas. Mas vestiu uma jaqueta.

As capas da série, como era padrão dos títulos Vertigo da época, investiam na inovação Pop e no Experimentalismo.

Kid volta ao Universo DC tradicional[editar | editar código-fonte]

Uma mescla de todas as versões foi inserida na cronologia oficial do Universo DC. Esse Kid apareceu primeiramente nas histórias da Sociedade da Justiça da América, depois em Novos Titãs.

Ele se declara como agente do Caos, usa o nome dado pela DC nos anos 70 e seu aspecto lembra a versão de Ann Nocenti. Seu uniforme segue um dos padrões muito em voga nos anos 90, um estilo apelidado de Vampira dos X-Men, ou seja, uniforme de super-herói, geralmente colante, com peças de vestuário comum por cima. Um estilo utilizado por Superboy, Gambit e outros.

Na primeira história do retorno da Sociedade da Justiça, o feiticeiro Mordru (ainda não indentificado na história) encurrala o Kid nos esgotos e, após eliminar dezenas de agentes invocados por ele, mata o agente do Caos. Nessa curta aparição fica demonstrado que esse Kid pode invocar personagens fictícios (ele materializa Perseu e Pégasus) e heróis mortos também. Nesse último caso, entre os convocados mortos por Mordru estão um Lanterna Verde (possivelmente Hal Jordan) e Jericó, e o Kid planejava invocar Metamorfo. Na mesma edição outro personagem místico é morto: Jared Stevens, o Destino, um agente do Equilíbrio entre Ordem e Caos.

Mais tarde, este Kid se apresentou como Christopher Freeman numa pequena aparição em outra história da Sociedade Da Justiça, mas não ficou definido se seus laços familiares com o Capitão Marvel Jr. foram recuperados também. No arco Príncipes das Trevas, Hector Hall (o Sr. Destino então ativo) encontra diversos espíritos no Amuleto de Anúbis. A maioria ex-usuários dos artefatos do Destino, mas também está lá o Kid Eternidade, jogando uma mescla de xadrez com algo como o Hero Clix com o Jared Stevens (Destino). Talvez sua presença se deva ao fato de Mordru ter ficado com sua essência ao matá-lo e a jóia o tenha absorvido depois. Mas, seguindo essa linha, deveria estar também lá o espírito de Kestrel, eliminado por Mordru um pouco antes. Após aconselhar-se com os espíritos, todos somem, incluindo o Kid.

No arco de Novos Titãs em duas partes "Achados E Perdidos", o Irmão Sangue traz à vida integrantes falecidos do grupo Novos Titãs: Aquagirl, Quartzo, Sina, Rapina original e Columba original. Na 2ª parte, Mutano e Ravena encontram o Kid acorrentado na abertura do portal da Vida e Morte. Ele revela que o vilão o está usando para invocar os mortos e conta sua origem para seus libertadores. (Aparentemente foram feitas novas alterações pelo roteirista Geoff Johns: o Kid faleceu recentemente e não durante a 2ª Guerra Mundial. Depois, ele é libertado pelos Novos Titãs, ajuda-os a derrotar o Irmão. No fim, parte em busca do Sr. Guardião).

Geoff Johns mostra um novo uso para os poderes do Kid, explorado por Ann Nocenti também: O agente do Caos aprendeu muita coisa com aqueles que invoca (baseball com Babe Ruth, política com Karl Marx, por exemplo), e sempre pode aconselhar-se com eles.

Nas páginas da macrossérie 52, Osiris menciona que ele e outros membros dos Titãs ajudaram Kid Eternidade a lutar contra o Sr. Keeper, que planejava dominar os mortos. Essa história nunca foi contada. Mais tarde, quando o Adão Negro é destituído de seus poderes, ele tenta usar várias outras conhecidas palavras mágicas do universo da Família Marvel para se transformar, e "Eternidade" é uma delas.

Kid voltou recentemente a aparecer na revista Novos Titãs, publicada pela Panini Comics. Ele e o Irmão Sangue escapam do Inferno durante uma revolta, Kid os teleporta para diante da Torre Titã. Kid revela que tem olhos brancos e brilhantes e demonstra estar mais fraco, com os poderes alterados. Só consegue invocar uma alma por vez, apenas por 66 segundos, e ela encarna em seu corpo agora.

O personagem integrará a nova formação da equipe.

Lista De Publicações[editar | editar código-fonte]

* Hit Comics

Publicada pela Quality Comics.

Não publicada no Brasil.

- Hit Comics nº 25: Primeira aparição e origem.

Dividia a revista com outros personagens: Abelha Vermelha, Hércules.

* Kid Eternity

Publicada pela Quality Comics.

Não publicada no Brasil.

* Captain Marvel

Publicada pela DC Comics.

- Captain Marvel 27: Inclusão na Terra S.[3]

Essa história foi publicada no Brasil na evista da Editora Ebal "Super-Herói (Edições Shazam)" número 12 de junho de 1977 [4]

* Kid Eternity (mini-série em 3 edições)

Kid Eternidade. Publicada pela DC Comics em 1991.

Publicada no Brasil pela Metal Pesado (depois renomeada Tudo Em Quadrinhos) em 1998.

* Kid Eternity - Selo Vertigo (Série regular mensal)

Publicada pela DC Comics. 16 edições.

Não publicada no Brasil.

* Vertigo Jam #1

História curta de 08 páginas. Roteiro: Ann Nocenti; Arte: Sean McKeever.

Divide a revista com outros personagens do selo Vertigo, todos com histórias curtas: Sandman, Patrulha Do Destino, Shade.

Não publicada no Brasil.

* JSA

SJA - Sociedade Da Justiça Da América. Publicada pela DC Comics.

Publicada no Brasil pela Panini Comics na revista Wizard.

- Wizard nº 31: Justiça Seja Feita, primeira história do arco "Em busca de um destino", de quatro partes. Morte do Kid por Mordru.

- Liga Da Jutiça nº 27: Eclipse, parte do arco Príncipes das Trevas. Rápida aparição na página 72.

- Liga Da Jutiça nº 28: Esclarecimento, parte do arco Príncipes Das Trevas. Volta do Kid, seu espírito está preso no amuleto de Anúbis com usuários anteriores a Hector Hall.

* Teen Titans

Novos Titãs. Publicada pela DC Comics.

Publicada no Brasil dentro da revista Novos Titãs.

- Número 32: Esta história é a 2ª parte e final do arco Achados e Perdidos. Mutano e Ravena vão aos mundos do além e descobrem que Kid é prisioneiro do Irmão Sangue. Ele lhes conta sua origem, que é atualizada. Libertado, o Kid fecha o Portal da Vida e Morte e regressa com os Titãs que o ajudaram. Encara o Irmão Sangue, expulsando os zumbis titãs e invocando os sete predecessores de Sebastian Blood.

- Número 69: Esta história é a 2ª parte do arco Novos Novos Titãs. Irmão Sangue (Sebastian Blood) é libertado repentinamente de sua prisão no Inferno durante uma rebelião e ataca Kid, que está lá também. Kid demonstra estar com os poderes alterados, mais fraco. Invoca a Aquagirl original, que toma seu corpo. Mas a alma dela se vai em aproximadamente um minuto. Atacado por Sangue, teleporta os dois para as proximidades da Torre Titã. Os donos do QG interveem, salvando-o. Sebastian usa um portal para fugir. Publicada em março de 2010.

- Número 70: Kid leva o Demônio Vermelho até o Inferno, para verificarem o contrato dele. O lugar está vazio. Enquanto Demônio confere o documento, Kid aproveita para invocar e conversar com a Irmã Sentinela. Última edição da revista. (Preview pode ser apreciado no site da Newsarama, ver seção Links).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Uma amostra da versão original, da Quality: [1]
  • Capas das revistas da série mensal da Vertigo pelo site Coverbrowser: [2]
  • Matéria sobre a série mensal da Vertigo na revista TRIP pelo Google Livros: [3]
  • Capas das revistas do personagem e dados sobre as histórias pelo site Comicvine: [4]
  • Ficha do personagem da cronologia atual da DC pelo site Torre Titã: [5]
  • Dados sobre aparições do personagem no site Guia Dos Quadrinhos: [6]
  • Reportagem "Kid Eternity: El orden en el caos" do site Zonanegativa sobre a mini-série de Gran Morrison: [7]
  • Preview da edição 68 de Teen Titans pelo site Newsarama (esta história foi publicada em Novos Titãs nº 70, de abril de 2010): [8]
  • Poster de Duncan Fegredo para o personagem: [9]
  • Índice de Kid Eternity na Terra S
  • Perfil de Kid
  • Kid Eternity na Toonopedia de Don Markstein
  • Titans Tower: Kid Eternity

Referências