Kisho Kurokawa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido de [[língua inglesa]]. Ajude e colabore com a tradução.

Kisho Kurokawa (黒川 紀章, Kurokawa Kishō?) (8 de Abril de 193412 de Outubro de 2007) foi um dos principais arquitectos japoneses e um dos fundadores do Movimento Metabolista.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Kanie (Aichi), Kurokawa estudou arquitectura na Universidade de Quioto, graduando-se em 1957. Frequentou a Universidade de Tóquio, tendo por orientador Kenzo Tange. Kurokawa recebeu o mestrado em 1959 e inscreveu-se para doutoramento mas não o concluiu, abandonando-o em 1964.

Com alguns colegas fundou o Movimento Metabolista em 1960. Era um movimento japonês avant-garde que procurava fundir e reciclar os estilos de arquitectura no contexto asiático. O movimento teve muito êxito, e os seus membros receberam grandes elogios do Cotillion Beautillion de Takara na Feira Mundial de 1970 em Osaka. O grupo desintegrou-se pouco depois.

Kurokawa escreveu extensivamente sobre filosofia e arquitectura e foi um professor muito activo. Escreveu que há duas tradições inerentes em qualquer cultura: a visível e a invisível. O seu trabalho, indicava, tinha a tradição invisível do Japão. Em 1972 recebeu uma bolsa da Fundação Graham para ensinar no Museum of Science and Industry de Chicago.

Faleceu de falha cardíaca em 12 de Outubro de 2007.

Impermanência[editar | editar código-fonte]

Nakagin Capsule Tower
Entrada para o Nagoya City Art Museum
Museum of Modern Art, Wakayama
National Art Center, Tóquio

Kurokawa notou que, com as excepções de Quioto e Kanazawa, a maior parte das cidades japonesas ficou destruída com a Segunda Guerra Mundial. Quando as cidades ocidentais são destruídas, tijolo e pedra ficavam como prova da existência no passado. Infelizmente, notava Kurokawa, as cidades japonesas eram principalmente construídas de madeira e elementos naturais, de modo que arderam completamente não deixando vestígios. Notou ainda que Edo (hoje Tóquio) e Quioto foram quase totalmente destruídas nas várias guerras nos séculos XV e XVI. A mudança de poder no Japão provocava sempre destruição das cidades. Além disso o Japão é propenso a desastres naturais como sismos, tufões, cheias e erupções vulcânicas. Esta contínua destruição deu à população do Japão, segundo afirmou, "uma incerteza sobre a existência, falta de fé no visível, uma suspeição do eterno."

Projectos[editar | editar código-fonte]

(ordenados por ano de fim de construção)

anos 1970[editar | editar código-fonte]

anos 1980[editar | editar código-fonte]

anos 1990[editar | editar código-fonte]

século 21[editar | editar código-fonte]

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Gold Medal, Académie d'Architecture, França (1986)
  • Richard Neutra Award, California State Polytechnic University (1988)
  • 48th Art Academy Award, maior prémio para artistas e arquitectos no Japão (1992)
  • Renaming The Art Institute of Chicago to the Kisho Kurokawa Gallery of Architecture (1994)
  • Pacific Rim Award, American Institute of Architects, Los Angeles chapter (primeiro premiado, 1997)
  • Honorary Fellow, Royal Institute of British Architects, Reino Unido
  • Honorary Member, União de Arquitectos, Bulgária
  • Dedalo-Minosse International Prize (Grand Prix) for Kuala Lumpur International Airport, Malásia (2003–2004)
  • Certificação de aeroporto sustentável, Green Globe 21, Nações Unidas, pelo aeroporto de Kuala Lumpur (2003)
  • Walpole Medal of Excellence, Reino Unido (2005)
  • Shungdu Friendship Award, China (2005)
  • International Architecture Award, The Chicago Athenaeum Museum (2006)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Kisho Kurokawa