Conostaulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Konostaulos)
Ir para: navegação, pesquisa

Conostaulo ou conostablo (em grego: κονόσταυλος; κονοσταῦλος; κονόσταβλο; transl.: lit. "policial"), depois corrompido para contostaulo (em grego: κοντόσταυλος; transl.: kontostaulos), era um título bizantino tardio, adotado dos normandos. A derivativa dignidade de grande conostaulo (em grego: μέγας κονόσταυλος; transl.: megas konostaulos , "grande policial") tornou-se um dos postos mais elevados na corte do período paleólogo (1261-1453) e era dado aos generais de alta patente. Foi adotado no século XI, sob a influência dos normandos da Sicília, do francês connétable (condestável), que por sua vez deriva de conde do estábulo (comes stabuli).[1] [2] Nos séculos XI e XII, o conostaulo parece ter sido um título puramente honorário, embora também possa ter substituído o conde do estábulo grego (komēs tou staulou), o descendente direto do conde do estábulo do período romano tardio, em suas funções.[3]

Nos últimos anos do reinado do imperador de Niceia João III Vatatzes (r. 1221–1254), o cargo de grande conostaulo foi criado, sendo o chefe dos mercenários "francos" (ou seja, europeus ocidentais). Seu primeiro titular foi o futuro imperador Miguel Paleólogo.[4] [5] A partir daí, no entanto, o título parece ter se separado de qualquer ofício particular tornado-se uma dignidade puramente honorária.[6] Classificado de maneira elevada na hierarquia paleóloga, chegando a nono lugar na precedência geral, após o grande primicério, e por isso era conferido aos membros de várias famílias nobres bizantinas, assim como governantes estrangeiros menores aliados do Império Bizantino, tais como Licário e Leonardo II Tocco.[1] [7] O simples título de conostaulo continuou em uso, pelo menos no despotado da Moreia, mas suas funções não são claras.[2] [8]

Seu traje distintivo é descrito no Dos Ofícios de Jorge Codino: um chapéu de abas largas de brocado de ouro (esciádio), uma túnica cabádio de seda simples, mas sem a equipe usual do ofício (dicanício). Para cerimônias e festas, ele levava o chapéu skaranikon, de seda laranja e decorado com bordados de fios de ouro, e com um retrato esmaltado do imperador em pé na frente e outro do imperador entronado na parte traseira.[2] [8]

Lista de grandes conostaulos conhecidos[editar | editar código-fonte]

Nome Ocupação Apontado por Observações Ref.
Miguel Paleólogo 1253/1254 – 1259 João III Ducas Vatatzes Ele foi elevado ao posto depois de seu casamento com a sobrinha do imperador no inverno de 1253/1254. Ficou aliviado que quando fugiu para junto dos turcos no verão de 1256, foi restaurado em ser retorno em 1257. Nomeado regente e co-imperador de João IV Láscaris em 1259, foi o fundador da dinastia Paleólogo. [9] [10]
Miguel Cantacuzeno desconhecido – 1264 Miguel VIII Paleólogo Um general de Miguel VIII, e ancestral da dinastia Cantacuzeno. Primeiro governador de Monemvasia após recuperá-la dos latinos, ele foi morto em um confronto em Macriplagi em 1263/1264. [11] [12]
Andrônico Tarcaniota 1267–1272 Miguel VIII Paleólogo Sobrinho de Miguel VIII, foi elevado a dignidade em seu casamento com a filha de João I Ducas da Tessália, mas logo desertou para seu sogro, resultando em novas hostilidades com o império. [9] [13] [14]
Miguel Cabalário desconhecido – 1277 Miguel VIII Paleólogo Um general de nascimento ilustre, foi mortalmente ferido na batalha de Farsalos contra João I Ducas da Tessália. [9] [15]
Licário após 1277 Miguel VIII Paleólogo Renegado lombardo em serviço bizantino, conquistou a Eubeia e várias ilhas egeias para o império. Elevado a categoria de mega-duque, foi promovido ao posto de grande conostaulo após a morte de Cabalário. [9]
Miguel Ducas Glabas Tarcaniota c. 1297 Andrónico II Paleólogo Um dos mais distintos generais da era paleóloga, depois elevado a protoestrator [9]
Miguel Tornices Comneno Asen Paleólogo desconhecido Andrónico II Paleólogo O mais velho filho do czar João Asen III da Bulgária e primo de Andrônico II, que estimou seu caráter e conselho. [16]
João Sinadeno desconhecido Andrónico II Paleólogo ou
Andrónico III Paleólogo
Um indivíduo relativamente obscuro filho do grande estratopedarca João Sinadeno e sua esposa Teodora Paleóloga Sinadena, filha do meio irmão do imperador Miguel VIII Paleólogo, Constantino Ângelo Comneno Ducas Paleólogo. Ele só é mencionado no estágio final da Guerra civil bizantina de 1321-1328, quando ele atuou como emissário de Andrónico III à seu avô. [16]
Aleixo Cabásilas c. 1339 Andrónico III Paleólogo Manteve a fortaleza de Rogos contra Andrónico III, mas foi persuadido a render-se por João VI Cantacuzeno. [16]
Miguel Monomachos c. 1343 João V Paleólogo Um partidário de Aleixo Apocaucos e um soldado experiente e capaz, foi elevado a dignidade por Apocaucos durante Guerra civil bizantina de 1341-1347. [16]
Isaris desconhecido João V Paleólogo Ele é apenas conhecido como o fundador de um novo monastério em Tessalônica, algum tempo antes de 1376. [16]
Leonardo II Tocco 1415–1418/19 Manuel II Paleólogo Segundo a Crônica do Tocco, foi elevado ao posto quando Manuel atribuiu a seu irmão, Carlos I Tocco, o título de déspota do Épiro. [17] [18] [19]

Referências

  1. a b Kazhdan 1991, p. 1147
  2. a b c Guilland 1967, p. 471
  3. Kazhdan 1991, p. 1140; 1147
  4. Guilland 1967, p. 471-472
  5. Bartusis 1997, p. 28
  6. Bartusis 1997, p. 245
  7. Bartusis 1997, p. 243; 245
  8. a b Bartusis 1997, p. 382
  9. a b c d e Guilland 1967, p. 472
  10. Macrides 2007, p. 312–314
  11. Geanakoplos 1959, p. 157; 173
  12. Kazhdan 1991, p. 1103
  13. Failler 1984, p. 398
  14. Geanakoplos 1959, p. 231
  15. Geanakoplos 1959, p. 297
  16. a b c d e Guilland 1967, p. 473
  17. Magdalino 1978, p. 390
  18. Guilland 1967, p. 474
  19. Trapp 1983, p. PLP 29008

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bartusis, Mark C.. The Late Byzantine Army: Arms and Society 1204–1453. Pensilvânia: Pensylvania University Press, 1997. ISBN 0-8122-1620-2.
  • Failler, Albert; Vitalien Laurent. Georges Pachymérès: Relations Historiques, Vol. II. Livres IV–VI.. Paris: Société d'édition, 1984. ISBN 2-251-32231-0.
  • Geanakoplos, Deno John. Emperor Michael Palaeologus and the West, 1258–1282: A Study in Byzantine-Latin Relations. Cambridge: Harvard University Press, 1959.
  • Guilland, Rodolphe. Recherches sur les Institutions Byzantines. Cambridge: Harvard University Press, 1967. Capítulo Le Grand connétable.
  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8.
  • Macrides, Ruth. George Akropolites: The History. Oxford: Oxford University Press, 2007. ISBN 978-0-19-921067-1.
  • Magdalino, Paul. Tradition and Transformation in Medieval Byzantium. Universidade de Michigan: Variorum, 1978. ISBN 0860782956.
  • Trapp, Erich; Hans-Veit Beyer; Katja Sturm-Schnabl. Prosopographisches Lexikon der Palaiologenzeit. Viena: Verlag der Österreichischen Akademie der Wissenschafte, 1983. Capítulo 14676. Λεοντάρης, Δημήτριος Λάσκαρις. vol. 6.