Kukulcán

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Kukulcán era a versão maia do deus asteca Quetzalcóatl, a serpente emplumada.

Para os maias "kukul" significa sagrado ou divino e "can" significa serpente.

Para alguns pesquisadores este Deus (o mesmo Quetzalcoatl dos astecas) provém da cultura tolteca, para outros provém da cultura olmeca.

Em todo caso sua origem é muito anterior aos maias e esta presente em toda a América Central.

Entre os restos arqueológicos de Chichen Itza se lhe pode observar como uma serpente que desce nos vértices do edifício em forma de colunas de ar durante os dois equinócios. Foi uma deidade rapidamente assimilada pela aristocracia, apesar de que tenha se incorporado ao panteão maia em uma época tardia. Aparece como uma das divindades criadoras sob o nome de Gucumatz, e como deidade dos ventos com o nome de Ehecatl na esteira 19 de Ceibal. Em Chichen Itza foi conhecido como o "Estrela d'Alva". Alcançou especial transcendência na península de Yucatán, em onde seu nome foi utilizado por muitos governantes para legitimar seus poderes e alcançar maior prestígio.

Kukulcán é o nome maia de Quetzalcóatl, personagem importante no Período Posclásico dos maias, no livro sagrado popol vuhse lhe conhece como "GUKUMATZ" . Aqui o vemos em um desenho de um baixo -relevo de Yaxchilán.

Quanto a suas diferenças com relação a Quetzalcóatl, parece que muitas delas se deviam às diferenças climáticas entre ambas regiões. Para os Astecas, Quetzalcoatl não só era o Senhor do Sol, mas o próprio Deus-Sol do país. Kukulcán além disso tem os atributos de um Deus-Trovão. No clima tropical de Yucatán e a Guatemala, o Sol ao meio-dia parece desenhar as nuvens de seu ao redor com formas serpenteantes; destas emanam o trovão, a luz e a chuva, por isso Kukulcán pareceria haver atraído aos maias mais como um deus do céu que como um deus da própria atmosfera, apesar de que muitas vezes as esteiras do Yucatán representem a Kukulcán com o ar saindo de sua boca, como muitas representações mexicanas de Quetzalcoatl.

Kukulcán , do qual falam os arqueólogos, é a deidade que mais freqüentemente aparece nos manuscritos do Códice de Dresden e outros. Tem o nariz comprido e truncado, como o de um tapir, e nele se encontram todos e cada um dos signos de um deus dos elementos. Caminha sobre a água, maneja tochas ardentes e se senta na árvore cruciforme dos quatro ventos que com tanta freqüência aparece nos mitos americanos. Evidentemente é um deus do cultivo e herói, já que se lhe vê plantando milho, levando ferramentas e continuando uma viagem, feito com que estabelece sua conexão solar.

Segundo as crônicas maias, Kukulcán, da mesma forma que Quetzalcóatl, é o conquistador que chegou em Yucatán pelo mar desde o Oeste, para finais do século XV, e se transformou em caudilho e fundador de sua civilização. Da fusão dos dois mitos, Kukulcán aparece como o senhor do vento porque rege e governa a nave que lhe conduziu a Yucatán e ao povo que fundou.

Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.