Kurupi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Representação artística do Kurupi.

Kurupi é um deus mitológico guarani, filho de Tau e Kerana. "Curupira-amarelo", "taiutú-perê", "micuim-cambá", são sinônimos para este homúnculo que habita as florestas densas e que, em noites de lua cheia atormenta a vida dos índios e animais.

Pequeno, de coloração amarelo-pálida, olhos negros (sem pupilas), dentes pontiagudos; movimenta-se através de saltos e é muito rápido. Alimenta-se de filhotes de animais recém-nascidos e fezes de cotia, e na mata é reconhecido por seus gritos e gargalhadas malévolos, principalmente de madrugada. Um importante e curioso atributo físico deste pequeno ser encantado consiste em seu falo - que, em forma de espiral, giza no entorno do seu abdômem (vide foto).

Muito sagaz e ativo, é temido e respeitado pela comunidade ribeirinha, pois costuma perseguir e violentar índios (homens) e caçadores perdidos na floresta, assim como índias virgens (muito raramente), sendo que, se isto ocorrer em noites de lua nova, segundo a crença, será concebido um ser híbrido, pequenino e atrevido.

Segundo a cultura popular, habita as florestas tropicais, principalmente a região da bacia amazônica, especialmente no afluente rio Madeira. Não obstante, testemunhas relatam sua aparição desde os primórdios da década de 1940 nos Estados de Mato Grosso, Acre, Rondônia, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Paraná e principalmente em Minas Gerais.

Ver também[editar | editar código-fonte]