Léleges

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Localização da Jônia (Ionia) e da Cária

Os léleges (em grego: Λέλεγες) eram um dos povos aborígenes do sudoeste da Anatólia (comparar aos "pelasgos"), que já viveriam na região quando os helenos indo-europeus chegaram à região. A distinção entre os léleges e os cários (outro povo que vivia no sudoeste da Anatólia ocidental) é incerta. De acordo com Homero, os léleges seriam uma tribo anatólica distinta;[1] Para Heródoto 'léleges' eram uma denominação arcaica dos cários.[2] e, para o historiador Filipe de Teângela, eles foram dominados pelos cários.[3] O mesmo sugeriu que os léleges estariam associados à Messênia, na Grécia continental.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que o nome léleges não seja um autônimo, o nome utilizado para se referirem a si próprios numa língua já esquecida; em vez disso, acredita-se que o termo tenha ligação com a denominação lulahi, utilizada durante a Idade do Bronze no luvita falado pelos hititas na Anatólia: numa inscrição cuneiforme hitita sacerdotes e empregados de um templo são orientados a evitar conversar com lulahi e mercadores estrangeiros.[4] De acordo com o que foi sugerido pelo linguista russo-americano Vitaly Shevoroshkin, o termo se aplicaria aos habitantes das regiões que posteriormente seriam a Cária e a Lícia do período clássico; "léleges" (Λέλεγες) seria a tentativa de transliterar lulahi para o grego.

Tradições posteriores relatadas na Bibliotheke de Pseudo-Apolodoro e por Pausânias,[5] derivam o nome do povo do rei epônimo Lélex; uma etimologia comparável, que teria eternizado um fundador lendário, foi apresentada pelos mitógrafos gregos para virtualmente cada uma das tribos helênicas; "Lélex e os léleges, qualquer que tenha sido sua importância histórica, serviram como uma folha em branco sobre a qual se desenhou a Lacônia e tudo o que ela significa", segundo o professor Ken Dowden, da Universidade de Birmingham.[6]

Nas fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Estrabão menciona duas teorias sobre os léleges: que eles seriam o mesmo que os cários, ou que eles seriam um povo distinto, mas vivendo junto e lutando junto dos cários. Segundo os defensores da hipótese de dois povos distintos, a evidência era a existência, no território de Mileto, de povoados chamados de "povoados dos léleges", e de "fortes léleges". Após a Guerra de Troia, os léleges foram expulsos pelos vencedores da região em torno do Monte Ida. Toda a Jônia era habitada por cários e léleges, mas estes foram expulsos pelos jônios.[7] Ainda Estrabão, mas citando Aristóteles, diz que os léleges viviam entre os cários, mas eram nômades, e menciona Lélex, um autóctone, e Teleboas, o filho de sua filha, que tinha vinte e dois filhos, alguns dos quais habitaram em Leucas.[8] Segundo Hesíodo, citado por Estrabão, o chefe dos léleges era Locrus; Estrabão especula, com base na etimologia, que os léleges eram uma coleção de povos diferentes, e que por isso desapareceram.[9]

Referências

  1. Homero, Il. 10.429 no Perseus Project
  2. Heródoto, 1.171.
  3. Filipe de Teângela, Sobre os Cários e os Léleges, Fragmenta Graecorum Historicorum 741.
  4. E. H. Sturtevant, "A Hittite text on the duties of priests and temple servants", Journal of the American Oriental Society, 54.4 (Dezembro de 1934:363-406), transcrição e tradução para o inglês, p. 404: "41. "Let him avoid an early death, let him avoid the anger of the gods [and] the talk of the populace… of the lulahi-men [and] of the merchants…"
  5. Pausânias, 1.39.6; o estrangeiro Lélex teria chegado do Egito, de acordo com os informantes de Pausânias.
  6. Dowden, The uses of Greek mythology 1992:81f.
  7. Estrabão, Geografia, Livro VII, Capítulo 7, 2
  8. Aristóteles, citado por Estrabão, Geografia, Livro VII, Capítulo 7, 2
  9. Hesíodo, citado por Estrabão, Geografia, Livro VII, Capítulo 7, 2