Léo Taxil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Marie Joseph Gabriel Antoine Jogand Pagès (Marselha, em 21 de Março de 1854 - Sceaux, em 31 de Março de 1907) também nomeado Léo Taxil, mas usou vários pseudônimos de Paul de Régis, Adolphe Ricoux, Samuel Paul Rosen e Dr. Bataille. Os nomes Léo Taxil e Doutor Charles Hacks, foram na verdade pseudónimos coletivos. Taxil foi um escritor e jornalista francês, conhecido por ter enganado parte das hierarquias eclesiásticas com uma falsa confissão sobre a Maçonaria.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Léo Taxil

Publicou um jornal, "La Marotte", que é proibido por violar a moral. Ele foi condenado a oito anos de prisão. Conseguiu escapar para a Suíça e regressou mais tarde, aproveitando de uma anistia. Deslocou-se para a imprensa anticlerical, e foi recebido como um maçon com a categoria de aprendiz em 1885 e voltou no ano seguinte, tornando-se um autor antimaçônico.

Taxil inicialmente publicou livros anti-católicos, que pintaram a hierarquia eclesiástica como hedonista e sádica. Em 1885, confessou ter convertido ao catolicismo, e foi solenemente recebido na Igreja Católica.

Ele foi um escritor francês, instigador que ao longo da última década do século, escreveu uma série de livros e panfletos que condenava a Maçonaria, nisso que ficou conhecido como o "Jogo de Taxil" na qual participaram o Papa e os bispos da França. Neste episódio, o acusou a Maçonaria de satanismo e adoração a um ídolo com a cabeça de um bode, definido como Baphomet.

Ele publicou a confissão de uma certa Diana Vaughan sobre suas experiências em uma seita da maçonaria, o livro que teve algum sucesso em vendas; causou grande polêmica entre o clero católico, tanto que em 1887 Taxil foi recebido em audiência pelo Papa Leão XIII, que acreditou nele, e não no bispo de Charleston, que havia denunciado como falsas as confissões de Taxil.

Diana Vaughan, entretanto nunca apareceu em público e Taxil acabou confessando em 1897 a sua fraude, o que resultou em um escândalo.

Obras[editar | editar código-fonte]

Capa de Les Mystères de la franc-maçonnerie

Livros anticlericais[editar | editar código-fonte]

  • À bas la calotte (1879)
  • Les Soutanes grotesques (1879)
  • La Chasse aux corbeaux (1879)
  • Le Fils du jésuite (1879)
  • Calotte et calotins (1880-1882), História ilustrada do clero e congregações.
  • Les Borgia (1881)
  • Les Pornographes sacrés : la confession et les confesseurs (1882)
  • La Bible amusante (1882)
  • Un Pape femelle (1882)
  • L'Empoisonneur Léon XIII et les cinq millions du chanoine (1883)
  • La Prostitution contemporaine (1883)
  • Pie IX devant l'Histoire (1883)
  • Les Amours de Pie IX (1884), livro publicado com o nome de A. Volpi, mas não reconhecido por Taxil.
  • Les Maîtresses du Pape (1884)
  • La Vie de Veuillot immaculé (1884)
  • Os Mystérios da Igreja (1884)

Livros antimaçônicos[editar | editar código-fonte]

  • Les soeurs maçonnes
  • Les Frères trois points
  • L’Antéchrist ou l’origine de la franc-maçonnerie
  • Le Chute du Grand Architecte
  • les Assassinats maçonniques
  • La Franc-maçonnerie dévoilée (1887)
  • Les Mystères de la franc-maçonnerie (1886)
  • Le Vatican et les francs-maçons (1886)
  • Confession d'un ex-libre penseur (1887)
  • Histoire anecdotique de la Troisième République (1887)
  • La France maçonnique (1888)
  • La Ménagerie républicaine (1889)
  • la Corruption fin de siècle (1891)
  • Le Diable au XIXè siècle (1895)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a), poeta ou poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.