Léopold Sédar Senghor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Léopold Sédar Senghor
Léopold Sédar Segnhor em 1961
Presidente do Senegal
Mandato 6 de setembro de 1960 - 31 de dezembro de 1980
Sucessor(a) Abdou Diouf
Vida
Nascimento 9 de outubro de 1906
Joal, Senegal
Morte 20 de dezembro de 2001 (95 anos)
Verson, Normandia, França
Dados pessoais
Primeira-dama Colette Hubert
Partido Parti Socialiste du Sénégal
Profissão escritor e político

Léopold Sédar Senghor GColSE (Joal-Fadiout, 9 de outubro de 1906Verson, 20 de dezembro de 2001) foi um político e escritor senegalês. Governou o país como presidente de 1960 a 1980.

Foi, entre as duas Guerras Mundiais, juntamente ao poeta antilhano Aimé Césaire, ideólogo do conceito de negritude.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Senghor nasceu em 1906 na cidade costeira de Joal. Seu pai, Basile Diogoye Senghor, era um comerciante católico da etnia serer, minoritária no Senegal. Sua mãe, Gnilane Ndiémé Bakhou, era muçulmana de etnia peul. O sobrenome de seu pai, Senghor deriva da palavra portuguesa "senhor".[1] [2]

Em 1928 foi estudar em Paris, onde entrou para a Sorbonne, lá permanecendo entre 1935 e 1939, tornando-se o primeiro africano a completar uma licenciatura nesta universidade parisiense.

Como escritor, desenvolveu a Négritude (movimento literário que exaltava a identidade negra, lamentando o impacto negativo que a cultura europeia teve junto das tradições africanas). Nas suas obras, as mais engrandecidas são Chants d'ombre(1945), Hosties noires (1948), Ethiopiques (1956), Nocturnes (1961) e Elegies majeures (1979),. Sua obra tem como tema principal a cultura africana, que tanto ajudou a difundir, e o seu estilo como escritor se aproxima com a literatura francesa.

Durante a Segunda Guerra Mundial esteve preso por dois anos num campo de concentração nazi e só depois é que os seus ensaios e poemas seriam publicados.

Entre 1948 e 1958 foi deputado senegalês na Assembleia Nacional Francesa, sendo o primeiro negro a ocupar o cargo de deputado nessa Assembleia.

Quando o Senegal foi proclamado independente, em 1960 - por conta de um apelo feito por Léopold ao então presidente da França Charles de Gaulle - Senghor foi eleito por uma unanimidade presidente da nova República, vindo a desempenhar o cargo ate final de 1980, graças a reeleições sucessivas.

Defensor do socialismo aplicado à realidade africana, tentou desenvolver a agricultura, combater a corrupção e manter uma política de cooperação com a França.

Recebeu o Grande-Colar da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada a 13 de Março de 1975.[3]

Referências

  1. Christian Roche (2006), Léopold Sédar Senghor, le président humaniste, Toulouse, Editions Privat. Preface by Abdou Diouf.
  2. Léopold Sédar Senghor: le poème d'une vie no sítio da [http://www.assemblee-nationale.fr/index.asp Assembleia Nacional Francesa.].
  3. http://www.ordens.presidencia.pt/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Presidente do Senegal
19601980
Sucedido por
Abdou Diouf
Precedido por
Aquilino Ribeiro
Sócio correspondente da ABL - cadeira 4
19662001
Sucedido por
António Braz Teixeira