Lídia Brondi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde dezembro de 2011) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde junho de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Lídia Brondi
Nascimento 29 de outubro de 1960 (54 anos)
Campinas, São Paulo
 Brasil
Ocupação Psicóloga
Cônjuge Cássio Gabus Mendes
Atividade 1974–1992
Outros prêmios
Prêmio Mambembe de atriz revelação, em 1981, pela peça Calúnia
IMDb: (inglês)

Lídia Brondi Resende Mendes (Campinas, 29 de outubro de 1960), é uma psicóloga e ex-atriz brasileira.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Com apenas um ano de idade, a família de Lídia Brondi mudou-se para Ribeirão Preto e, mais tarde, aos nove anos de idade, mudou-se novamente para o Rio de Janeiro, para onde o seu pai, o pastor Jonas Resende, foi trabalhar.

Em 1974 fez a sua estreia na televisão, na série Márcia e seus Problemas, da TV Educativa. Convidada pelo diretor Walter Avancini, ingressou na Rede Globo, líder de audiência na televisão brasileira, fazendo a sua estreia na telenovela O Grito, de Jorge Andrade. Em 1978, ascende ao estrelato entre os nomes da sua geração, com a novela Dancin' Days, de Gilberto Braga, na qual contracenou com o ator Lauro Corona.

No cinema, Lídia estreou em 1980, em Perdoa-me por Me Traíres, de Braz Chediak, baseado na obra do dramaturgo Nelson Rodrigues. Contudo, o seu filme mais famoso é O Beijo no Asfalto, também baseado na obra de Nelson Rodrigues e dirigido por Bruno Barreto. As cenas de nudez que preconiza neste filme tornaram-na ainda mais popular junto do público masculino, desde há muito seduzido pela sua beleza.

Lídia Brondi enveredaria pelo cinema ainda uma terceira vez, em 1987, participando no filme Rádio Pirata, de Lael Rodrigues.

Na TV, teve inúmeras participações em novelas de sucesso, interpretando personagens como Mira Maia, em Baila Comigo, Tânia Malta, em Roque Santeiro, e Solange Duprat, em Vale Tudo. Sua última participação em telenovelas foi em Meu Bem, Meu Mal (1990), de autoria do seu sogro Cassiano Gabus Mendes.

Lídia posou para a edição brasileira da revista Playboy pela primeira vez, em julho de 1980. Mais tarde, voltou a aparecer na revista, numa edição especial de agosto de 1987, desta vez posando realmente nua.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Casou-se com o diretor de televisão Ricardo Waddington, em 1982, com quem teve a sua única filha, Isadora, nascida em 1985. Separou-se em 1988 e voltou a casar-se em 1991, desta vez com o ator Cássio Gabus Mendes, com quem vive até hoje e com quem contracenou na telenovela Vale Tudo, de Gilberto Braga. Terminou a sua carreira após ter participado na novela Meu Bem, Meu Mal e na peça "Parsifal". Longe da fama, dedicou-se aos estudos e formou-se em Psicologia. Longe dos holofotes e apesar do interesse dos fãs em saber como anda a então famosa atriz, raramente ela é vista em público ou dá entrevistas. Em 2013, oficializou sua união com Cássio. A cerimônia aconteceu no dia 25 de maio e foi realizada pelo pastor Jonas Rezende, pai de Lídia. De acordo com declaração do cunhado de Lídia, o ator Tato Gabus, o casal viajou para a Espanha e outros lugares da Europa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1980 - Passageiros da Estrela
  • 1981 - Calúnia .... Mary Tilford
  • 1983 - O Colecionador .... Miranda
  • 1986 - A Verdadeira Vida de Jonas Wenka .... Sílvia
  • 1988 - Drácula
  • 1989 - George Dandan .... Angélica
  • 1990 - Descalços no Parque
  • 1992 - Parsifal

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]