Língua guarani

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Língua Guarani)
Ir para: navegação, pesquisa
Guarani (Avañe'ẽ)
Outros nomes: Guaraniñe'ẽ
Falado em:  Argentina
 Bolívia
 Brasil
Paraguai
Total de falantes: 7 000 000
Família: Ameríndia
 Tupi
  Tupi-guarani
   Guarani
Escrita: Alfabeto latino (variante guarani)
Estatuto oficial
Língua oficial de: Flag of Bolivia.svg Bolívia (co-oficial)[1]
Flag of Paraguay.svg Paraguai (co-oficial)[2]
Flag of Corrientes province in Argentina.gif Corrientes (província da Argentina, co-oficial)[3]
Flag of Tacuru.svg Tacuru (município do Brasil, co-oficial)[4]
Flag of Mercosur (Portuguese).svg Mercosul
Regulado por: Não está regulada
Códigos de língua
ISO 639-1: gn
ISO 639-2: grn
ISO 639-3: grn
América do Sul - Língua Guarani.PNG

O guarani é uma língua indígena do sul da América do Sul falada originalmente pelos povos da etnia guarani, mas que, atualmente, é falada também pelos paraguaios. Legou alguns vocábulos ao português brasileiro na toponímia ("Cambaquara" [bairro de Ilhabela, em São Paulo],[5] "Tanabi"[6] etc.), nos nomes de animais ("ximango"[7] etc.) e em termos do dia a dia ("caraminguá" etc.)[8] .

A língua viva[editar | editar código-fonte]

A variante mais regional do sul e oeste, denominada "língua guarani" (denominada avañe'ẽ por seus falantes), mantém-se viva e é falada por mais de sete milhões[carece de fontes?] de pessoas, notadamente no Paraguai, onde é língua oficial juntamente com o castelhano. O guarani, dessa forma, tornou-se uma das únicas línguas indígenas americanas a obter um reconhecimento nacional e literário e a ser falada por um número significativo de não indígenas.[9]

Além disso, a língua guarani é a língua co-oficial da Bolívia, da província de Corrientes, na Argentina, da cidade de Tacuru, no Mato Grosso do Sul e do Mercado Comum do Sul. No Paraguai, a língua guarani foi mantida principalmente porque os padres jesuítas a usaram como instrumento de conversão religiosa numa empreitada colonizadora desvinculada das potências católicas ibéricas que, efemeramente, constituiu um estado indígena cristão: as chamadas missões (ou reduções) jesuítas[carece de fontes?].

Entretanto, a língua guarani, que, antes de sistematizada pelos jesuítas, não era escrita, assimilou uma enorme variedade de vocábulos da língua castelhana (gerando o chamado "yopará" [mistura] no Paraguai) advinda com a invasão cultural em face da colonização.[9] Há uma tendência entre as pessoas com um maior grau de escolarização a falar o castelhano com sotaque peculiar, com algumas frases curtas e expressões em guarani. Este modo de expressar também é muito comum nos jornais, revistas e mesmo livros didáticos.

Já as pessoas menos escolarizadas, notadamente no meio rural, tendem a se expressar em guarani, embora emprestem uma grande variedade de vocábulos do espanhol. Os falantes desta mistura mais ou menos equilibrada das duas línguas a chamam de jopará. Escritos judiciais e textos legais normalmente são editados em duas versões castiças de espanhol e guarani. Legalmente, são aceitas ambas as versões. Em agosto de 1995, o guarani recebeu o status de "língua histórica" pelos países membros da comunidade econômica do Mercosul. Em janeiro de 2007, o guarani também recebeu o status de língua oficial do Mercosul.

Em 24 de maio de 2010, a cidade de Tacuru, no estado brasileiro do Mato Grosso do Sul, adotou o guarani como língua oficial, além do português. A lei sancionada na data determinou que ninguém poderá ser discriminado pela língua de que faça uso e destaca o respeito e a valorização às variedades do guarani, como o caiouá, o nhandeva e o embiá. A lei determina, ainda, que a prefeitura de Tacuru deverá apoiar e incentivar o ensino da língua guarani nas escolas e nos meios de comunicação.[10]

Fonologia[editar | editar código-fonte]

O guarani possui 33 fonemas, dos quais 12 são vogais e 21 são consoantes.

As suas vogais consistem em:

Vogais[editar | editar código-fonte]

"a", "e", "i", "o" e "u" iguais ao português. Exceto o "y".

As mesmas em sua forma nasal:

"ã", "ẽ", "ĩ", "õ", "ũ", "ỹ"

"y" em guarani significa água e pronuncia-se com a língua no céu da boca

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Das 21 consoantes (pundie), 8 são oclusivas, 5 fricativas, uma africada, uma aproximante, 2 vibrantes e uma sibilante.

Expressões curtas da língua guarani[editar | editar código-fonte]

Aju jeýma = "Já volto"

Che aime ko'ápe = "Estou aqui"

Che mendáre = "Eu sou casado"'

Moogui reju ? = "De onde você vem?"

Jaha jake = "Vamos dormir"

Che rojukáta = "Vou matar você"'

Jakaru = "Vamos comer"

Eju ápe = "Vem aqui!"

Aháta aju = "Voltarei"

Mba'e rejapo? = "Que está fazendo?"

Rohóta mbo'ehaópe = "Vamos à escola"

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Nueva Constitución Política del Estado (em espanhol) (outubro de 2008). Visitado em 24 de setembro de 2011. "Art. 5°"
  2. Constitución Nacional de la República del Paraguay (em espanhol) (20 de junho de 1992). Visitado em 24 de setembro de 2011. "Art. 140°"
  3. Ley Provincial Nº 5.598 (em espanhol) (28 de setembro de 2004). Visitado em 24 de setembro de 2011. "Art. 1º"
  4. Lei Municipal Nº 848/2010 (em português) (24 de maio de 2010). Visitado em 24 de setembro de 2011. "Art. 1º §"
  5. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 552.
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 600.
  7. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 799.
  8. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 347.
  9. a b American Indian Languages
  10. Cidade de Mato Grosso do Sul adota o guarani como segundo idioma oficial (verificado 17 de dezembro de 2012)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]