Língua Miami-Illinois

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Miami-Illinois
Falado em: Estados Unidos
Região: Illinois, Indiana, Kansas, Michigan, Ohio, Oklahoma
Total de falantes: extinta em 1962
Família: Álgica
 Algonquiana
  Central
   Miami-Illinois
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: alg
ISO 639-3: mia

A Língua Miami-Illinois é uma das Línguas Nativas da América do Norte antigamente faladas nos Estados Unidos da América em Illinois, Missouri, Indiana, oeste de Ohio e nas áreas adjacentes al longo do Rio Mississipi pelas tribos Inoca ou da Confederação Illinois, incluindo as tribos Kaskaskia, Peoria, Tamaroa, Cahokia e Mitchigamea. É uma Língua Algica da família das Línguas algonquianas. As línguas mais aproximadas são Sauk, Meskwaki, Kickapoo, Ojibwe e Potawatomi.

História[editar | editar código-fonte]

A denominação 'Miami-Illinois' cobre um grupo de dialetos muito similares, sendo os principais o próprio Miami, o Peoria, o Wea' e, conforme antigos registros dos Jesuítas, o Illinois. Cerca de metade dos falantes foram transferidos compulsoriamente de seus territórios, para se estabelecer no nordeste de Oklahoma, caso das tribos Miami e Peoria. Os restantes Miamis ficaram no norte de Indiana.

Esse idioma foi registrado por documentos por mais de 200 anos. O documento mais significativo é um Dicionário elaborado pelo Missionário Jesuíta Jaques Gravier, que viveu entre os Kaskaskia no início do século XVIII. Esse dicionário era "Kaskaskia - Francês", tinha 600 páginas, 20 mil verbetes e teve seu manuscrito editado e publicado por Carl Masthay em 2002.

Projeto Myaamia[editar | editar código-fonte]

David Costa publicou uma dissertação PhD em 1994, The Miami-Illinois Language, e o correspondente livro em 2003. O livro faz um reconstrução da língua Miami-Illinois e da sua gramática. Essa obra foi importantíssima para a revitalização da tribo Miami de e Oklahoma em andamento desde metade da década de 90. Esse é o Projeto Myaamia, uma joint venture entre a tribo e a Universidade Miami.[1] Os membros desse projeto se envolveram na tradução de documentos de missionários e na publicação de obras sobre a cultura e língua Miami, incluindo um livro infantil sobre na língua e sobre a cultura Miami, um conjunto de CDs de Áudio com vocabulário, frases, conversação acerca das origens histórica dos Miami. Há também textos acompanhando, compilação de estórias tradicionais dos Miami e dos Peoria, que foram obtidas no início do século XX, quando os últimos reais falantes do idioma ainda viviam.

Alfabeto[editar | editar código-fonte]

Miami utiliza o Alfabeto latino bastante limitado em função do pequeno inventário fonético da língua:

  • Vogais: A, E, I, O - curtas e longas (essa representadad por vogal duplicada)
  • Consoantes: somente C, H, K, L, M, N, P, S, T, W, Y e ainda Sh

Referências

  1. Statement of Purpose. The Myaamia Project at Miami University. 2009 (retrieved 24 Feb 2009)
  • Costa, David J.. The Miami-Illinois Language. Lincoln: University of Nebraska Press, 2003.
  • Leonard, Wesley Y. (2008). When is an "Extinct Language" not Extinct? Miami, a Formerly Sleeping Language. In Kendall A. King, Natalie Schilling-Estes, Lyn Fogle, Jia Jackie Lou, and Barbara Soukup (eds.), Sustaining Linguistic Diversity: Endangered and Minority Languages and Language Varieties. Washington, DC: Georgetown University Press, pp. 23-33.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]