Língua kawi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kawi (Bhāṣa Kawi, Javanês antigo)
Falado em: Java, Bali, Madura, Lombok, Indonésia; Filipinas
Região: Arquipélago
Total de falantes: quase extinta; arcaica desde o século XIV
Família: Austronésia
 Malaio-Polinásia
  MP Nuclear
   Javanês antigo
    Kawi
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: kaw
ISO 639-3: kaw

Kawi (do Sânscrito: kavi, "poeta") é uma lingua de prosa e também literária das ilhas de Java, Bali e Lombok, cuja base é o Javanês antigo, e que apresenta muitas palavras do vocabulário Sânscrito. É também ancestral da atual língua javanesa. Seu nome deriva do raiz ku (em Sânscrito “poeta”) e das das formas derivadas para “sábio, homem culto”. A métrica silábica da poesia do Kawi é chamada sekar kawi (flores da linguagem), que também deriva da língua Sânscrito "sekhara" (guirlanda). Todas as línguas javanesas são estratificadas de forma hieráriquica, com rígidas convenções sociais para uso de certos aspectos lingüísticos ao se falar com alguém de classe, nível cultural ou cargo superior.A língua Kawi é normalmente considerada como uma língua de alta estirpe.

Escrita[editar | editar código-fonte]

Kawi tem seu próprio e particular sistema de escrita, a chamada escrita kawi ou Hanacaraka, mas o termo mais correto é "Dentawiyanjana". Trata-se de um abugida que tem 20 letras, 10 dígitos para numeração, além de algumas vogais e modificadores de consoantes. A escrita da ilha de Bali, apresenta uma forma própria muito influenciada pela escrita de Java e tem uma sub-forma chamada escrita balinesa. O príncipe Aji Caka (migrante da Índia) é considerado como o criador do pirimeiro reino de Java, o chamado Java Dvipa (Swarna Dvipa), é também teria introduzido a língua Kawi e as vinte letras do hanacaraka.[1] A língua javanesa é também alternativamente creditada a Aji Saka, legendário herói do Reino Medang Kamulan. As mais antigas inscrições em Kawifoi encontrada em Magelang, Java Oriental, Indonésia.

Uso[editar | editar código-fonte]

Kawi não está completamente extinta como língua falada. É comumente usada nas apresentações artísticas wayang nas formas golek, wong e kulit, bem como nos casamento nas Bodas Javanesas, principalmente rituais estilizados do encontro da noiva com os pais do noivo em Peningsetan e Panggih. È usada também por certas famílias nobres de pensamentos mais arcaicos e profundamente ligados à tradições em cerimônias de Bodas javanesas (Midodareni, Siraman, Sungkeman).

A ilha Lombok adotou Kawi como sua língua regional, refletindo a grande influência da vizinha região de Java Orienta. Hoje é ensinada em escolas primárias como parte de Curriculum nacional de línguas secundárias. Tradicionalmente, Kawi é escrita em foçhas de palmeiras preparadas como lontara. Ocasionalmente o Kawi pode ser usado como um língua arcaica para prosa e literatura, como ocorre no ocidente com a língua inglesa usada à moda de Shakespeare (a qual é mais culta e mais estética pelo uso das palavras thy, the, hast dentre outras).

Literatura[editar | editar código-fonte]

Há importantes obras literárias escrita em Kawi, sendo um dos mais importantes o poema épico de Empu Tantular "Kakawin Sutasoma",[2] do qual veio o lema Nacional da Indonésia: "Bhinneka Tunggal Ika". A tradução usual "Unidade na Diversidade" é discutível, sendo que seria mais correto dizer-se “embora dispersos, permanecem unidos” no sentido geográfico, se referindo as muitas ilhas da nação arquiélago, não uma referência à união de muitas culturas que muitas que se se percebe somente hoje.

Um trabalho mais moderno é o poema "Susila Budhi Dharma" de Muhammad Subuh Sumohadiwidjojo, o fundador de Subud. Nesse trabalho, ele apresenta um panorama para que se entenda a experiência da prática psicológica espiritual “Latihan kejiwaan” da Indonésia.

Obras[editar | editar código-fonte]

Famosos poemas, épicos e outras obras literárias em Kawi:

Escritores[editar | editar código-fonte]

Listagem de famosos escritores Kawi:

Estudiosos[editar | editar código-fonte]

O primeiro estudioso de línguísticar a tratar o Kawi de uma forma acadêmica foi Humboldt, que a considerou como a língua mãe de todas as línguas malaio-polinésias. Além disso ele criticoi conceitos errôneos da língua Aki ser totalmente influenciada pelo Sânscrito, pois o Kawi não usa inflexões verbais, assim diferindo do sistema bastante inflexionado do Sânscrito. Na língua Kawi,o significado da sentença pode ser percebido através da ordem das palavras e do contexto. Em complementação percebeu que Kawi apresenta Temps Gramaticais distintos como Presente, Passado, Futuro e ainda Modos Indicativo e Subjuntivo

Outros especialistas, como o neerlandês expatriadona Indonésia Prof. Dr. Petrus Josephus Zoetmulder S.J.,que teve uma significativa contribuição com textos originais estudados de forma séria e dedicada junto com seu discípulo e associado Padre e Dr. Ignatius Kuntara Wiryamartan. Outros notáveis estudiosos indonésios da língua foram Poedjawijatna, Sumarti Suprayitna, Poerbatjaraka e Tardjan Hadiwidjaja.

Referências

  1. [1]
  2. (E.M. Uhlenbeck, 1964: "A Critical Survey of Studies on the Languages of Java and Madura", The Hague: Martinus Nijhoff)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Em Inglês

  • De Casparis, J. G., Indonesian Palaeography : A History of Writing in Indonesia from the beginnings to c. AD 1500, Leiden/Koln, 1975
  • Florida, Nancy K., Javanese Literature in Surakarta Manuscripts: Introduction and Manuscripts of the Karaton Surakarta, Cornell Univ Southeast Asia, 1993 ISBN 087727603X
  • Wilhelm von Humboldt’s "Über die Kawi-Sprache (On the Kawi Language)": 1836
  • Poerbatjaraka dan Tardjan Hadiwidjaja, 1952, Kepustakaan Djawa'. Djakarta/Amsterdam: Djambatan.
  • Teselkin, Old Javanese (Kawi)
  • E.M. Uhlenbeck, 1964, di dalam bukunya : "A Critical Survey of Studies on the Languages of Java and Madura", The Hague: Martinus Nijhoff
  • Zurbuchen, Introduction to Old Javanese Language and Literature: A Kawi Prose Anthology
  • P.J. Zoetmulder, S.O. Robson, Darusuprapta, 1995, Kamus Jawa Kuna–Indonesia, Jakarta: Gramedia dan Instituut voor Taal-, Land- en Volkenkunde (KITLV). Bekerja sama dengan S.O. Robson. Penerjemah: Darusuprapta dan Sumarti Suprayitna. ISBN 979-605-347-0
  • 1992–1993, Bahasa parwa : tatabahasa Jawa Kuna: Yogyakarta: Gadjah Mada University Press. Bekerja sama dengan I.J. Poedjawijatna. Cetakan ulang dari edisi tahun 1954

Ligações externas[editar | editar código-fonte]