Língua marquesana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marquesano (’eo enana / ’eo enata)
Falado em: Polinésia Francesa
Região: Ilhas Marquesas
Total de falantes: 5 000
Posição: Não se encontra entre os 100 primeiros. (Ethnologue 1996)
Família: Austronésio
 Malaio-polinésio
  Oceânico
   Marquesano
Regulado por: "Tuhuna ’Eo Enata" (Academia marquesana)
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---

O marquesano é uma língua polinésia da família das línguas austronésias. Esta língua da Polinésia Francesa é falada nas ilhas Marquesas.

O marquesano subdivide-se em «’eo enana», falado no noroeste do arquipélago, e em «’eo enata» falado no sudeste. Alguns linguistas, como Wurm e Hattori, consideram que o marquesano-do-norte, falado por mais de 3 000 pessoas (Nuku Hiva, Ua Huka e Ua Pou) constitui uma língua separada do marquesano-do-sul, falado por 2 100 pessoas em Hiva Oa, Tahuata e Fatu Hiva.

O marquesano faz parte do conjunto Reo mā’ohi, que designa o conjunto das línguas da Polinésia Francesa.[1] Além do marquesano, este conjunto inclui as línguas e dialetcos seguintes:

O marquesano distingue-se notavelmente do taitiano (50 % de intercompreensão, léxico semelhante entre 45 e 67 %) ou do paumotu (29 %).

O paumotu é um parente próximo das línguas polinésias da Polinésia oriental, incluindo o maori das Ilhas Cook, o maori da Nova Zelândia, o rapa nui (língua da ilha da Páscoa), e especialmente a Língua havaiana é uma de suas mais próximas irmãs.

Desde a deliberação n° 2000-19 APF de 27 de Janeiro de 2000 institui-se a Academia marquesana ("Tuhuna ’Eo Enata"), criada pela Assembleia da Polinésia Francesa, sendo a sua missão preservar e enriquecer o marquesano.

A Delegação geral da língua francesa e das línguas da França considera o marquesano como uma «língua da França».

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Monseigneur René-Ildefonse Dordillon (1888), Grammaire et dictionnaire de la langue des îles Marquises, [reedição da edição original de 1904], Société des Études Océaniennes, Papeete, 1999. 204 p.