Língua neo-aramaica caldeia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Neo Aramaico Caldeu (sorɛθ) (ܟܠܕܝܐ Kaldāyâ, ܣܘܼܪܲܝܬ Sōreth)
Falado em: Iraque, Irã, Turquia (diáspora assíria)
Região: Iraque; Moçul, Ninawa, Bagdá , Baçorá.
Total de falantes: 220 mil (11 mil Iraque -1994)
Família: Afro-asiática
 Semítica
  Semítica Central
   Semítica Noroeste
    Aramaica
     Aramaica Oriental
      Aramaica do Nordeste
       Neo Aramaico Caldeu (sorɛθ)
Escrita: Siríaco (Madenhaya)
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: cld
Sureth.png Surata em Siríaco (Madnkhaya)

A língua Neo-Aramaica Caldeia é um dialeto da Língua aramaica do nordeste. O Neo-Aramaico Caldeu é falado na planície de Mosul no norte do Iraque, bem como por várias comunidades caldeias espalhadas pelo mundo. A maioria dos falantes é Igreja Católica Caldeia.

História[editar | editar código-fonte]

Caldeu Neo- aramaico é uma das línguas aramaicas do nordeste falada na região do Curdistão, entre o lago Úrmia no Azerbaijão, no norte do Iraque perto de Dohuk e junto à fronteira com a Turquia. Judeuse cristãos falam diferentes dialetos do aramaico, que muitas vezes são mutuamente ininteligíveis . Os dialetos vieram sendo fortemente influenciados Pela língua siríaca, a língua literária do cristianismo sírio na antiguidade.

Portanto, o Neo- aramaico Cristão tem uma dupla herança: siríaco literário e o aramaico coloquial oriental. Os dialetos cristãos são freqüentemente chamados de Soureth ( siríaco em árabe do Iraque. Os aramaicos falam o novo caldeu , principalmente nas regiões montanhosas do Iraque, bem como o idioma caldeu falado em Baçorá, Babil , Bagdá e outras províncias iraquianas .

Antes do Cisma de 1552, a maioria dos cristãos nesta região era membros da Igreja do Oriente [1] . Quando o cisma dividiu a igreja, a maioria dos cristãos da região optaram pela comunhão com a Igreja Católica e se tornaram membros da Igreja Católica Caldeia [2]

Dialetos[editar | editar código-fonte]

O Neo-aramaco caldeu é a língua Soureth na planície de Mosul ande no Curdistão iraquiano. Apresenta uma boa quantidade de dialetos identificáveis cada correspondendo às vilas onde são falados: Ankawa, Alqosh, Aqrah, Mangesh, Tel Kaif, Bakhdida, Tel Skuf, Baqofah, Batnaya, Bartella, Sirnak-Cizre (Bohtan), Araden e Duhok.

Escrita[editar | editar código-fonte]

O Neo-aramaico caldeu é escrito numa versão da escrita Siríaca, Madenhaya, que também é usada para a língua siríaca clássica. A Escola de Alqosh produziu no século XVII alguma poesia caldeia do Neo-aramaico caldeu em lugar do Diríaco clássico. A imprensa Dominicana de Mosul também produziu livros na nessa escrita e língua.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Wilhelm Baum e Dietmar Winkler A Igreja do Oriente : Uma História Concisa . London: RoutledgeCurzon , 2003. páginas 5, 19, 30, 79 , 89, 103-104
  2. Wilhelm Baum e Dietmar Winkler a Igreja do Oriente: uma história concisa . London: RoutledgeCurzon , 2003. página 112

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Wolfhart Heinrichs|Heinrichs (1990). Studies in Neo-Aramaic. Scholars Press: Atlanta, Georgia. ISBN 1-55540-430-8.
  • Arthur John Maclean (1895). Grammar of the dialects of vernacular Syriac: as spoken by the Eastern Syrians of Kurdistan, north-west Persia, and the Plain of Mosul: with notices of the vernacular of the Jews of Azerbaijan and of Zakhu near Mosul. Cambridge University Press, London.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]