Língua russa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Russo (Русский язык)
Pronúncia: AFI[ˈruskʲɪj jɪˈzɨk]
Falado em:  Rússia
 Azerbaijão
 Arménia
 Ucrânia
 Uzbequistão
 Estónia
Cazaquistão
 Quirguistão
 Geórgia
Turquemenistão
 Bielorrússia
 Moldávia
 Letônia
 Lituânia
Comunidades de emigrantes, especificamente:
 Alemanha
 Austrália
 Brasil
 Canadá
 Estados Unidos
 Israel
Região: Europa Oriental e Ásia Setentrional:
Moscou, São Petersburgo, Kiev, Minsk, Odessa, Crimeia, Donetsk, Riga, Alma-Ata, Cazã, Kaliningrado, Astracã, Krasnoyarsk, Vladivostok, Novosibirsk, Rostov do Don, Chechênia, Iacútia, Carélia, Oriol, Mordóvia, Samara, Cabárdia-Balcária, Chita, entre outros.
Total de falantes: Nativos: cerca de 164 milhões
Língua secundária: 114 milhões
Total: 278 milhões
(dados de 2006) [1]
Posição: 4–7 [2]
Família: Indo-europeia
 Balto-eslava
  Eslava
   Eslava oriental
    Russo
Escrita: Cirílica (variante russa)
Estatuto oficial
Língua oficial de:  Rússia
 Bielorrússia (oficial)[3]
Cazaquistão (oficial)[4]
 Quirguistão (oficial)[5]
Flag of Crimea.svg Crimeia[6] (república autônoma da Ucrânia, co-oficial)
Sevastopol-flag.gif Sevastopol (co-oficial)
Flag of Gagauzia.svg Gagaúzia (co-oficial)
Flag of the Greek Orthodox Church.svg Monte Athos (península na Grécia, co-oficial)
Flag of IAEA.svg AIEA
Flag of the United Nations.svg ONU
Regulado por: Instituto da Língua Russa,[7] na Academia Russa de Ciências
Códigos de língua
ISO 639-1: ru
ISO 639-2: rus
ISO 639-3: rus
Países em que o russo é a língua oficial (verde escuro) e/ou tem status elevado (verde claro).

O russo (em russo: русский язык, russkiy yazyk, AFI[ˈruskʲɪj jɪˈzɨk], lit. "língua russa") é uma língua eslava falada como língua materna na Rússia, Bielorrússia, Ucrânia, Cazaquistão e Quirguistão, e utilizada amplamente, embora sem caráter oficial, na Letônia, Estônia e nos diversos outros países que formavam as repúblicas constituintes da extinta União Soviética.[8]

Idioma mais difundido, em termos geográficos, de toda a Eurásia, a mais falada das línguas eslavas e a língua materna mais falada na Europa, o russo pertence à família linguística indo-europeia, e é um dos três (ou quatro, com a inclusão do russino) membros ainda existentes das línguas eslavas orientais; foram encontrados exemplos de inscrições feitas no antigo eslavônico oriental que datam do século X. O idioma é atualmente uma das seis línguas oficiais da Organização das Nações Unidas.

A literatura russa é particularmente rica e inclui célebres escritores de diversos períodos, como Alexandre Pushkin, Nicolau Gogol, Fiodor Dostoiévski, Leão Tolstói, Anton Tchekhov, Máximo Gorki, Vladimir Maiakovski e Boris Pasternak. Por conta da grande influência da União Soviética e Rússia nas ciências, uma grande quantidade de textos científicos também é encontrada em russo, que atualmente é a segunda língua mais popular da Internet. [9] [10]

O russo distingue entre os fonemas consonantais que têm articulação secundária palatal e aqueles que não têm, os chamados sons suaves e duros. Esta distinção pode ser encontrada em quase todas as consoantes, e é uma das características mais marcantes do idioma. Outro aspecto importante é a redução das vogais átonas, semelhante a outros idiomas ocidentais, como o inglês. O acento tônico, que não é regular, não costuma ser indicado ortograficamente,[11] embora um acento agudo opcional possa ser utilizado para indicar o acento tônico, com a finalidade de distinguir palavras de grafia idêntica ou indicar a pronúncia correta de palavras ou nomes pouco comuns. Outra característica relevante é o papel essencial e imprescindível exercido pela complexa gramática na língua. A escrita destaca-se pelo uso do alfabeto cirílico.

Classificação[editar | editar código-fonte]

O russo é uma língua eslava, pertencente à família linguística indo-europeia. Do ponto de vista do idioma falado, seus parentes mais próximos são o ucraniano e o bielorrusso, outras duas línguas nacionais pertencentes ao grupo eslavas orientais. Em diversos locais no leste e sul da Ucrânia e por toda a Bielorrússia estes idiomas são falados de maneira intercambiável, e em determinadas regiões o bilinguismo tradicional resultou numa mistura de idiomas, resultando por exemplo no surjyk falado no leste da Ucrânia e o trasianka da Bielorrússia. Acredita-se que um dialeto da Antiga Novgorod, também pertencente ao grupo eslavo oriental, e desaparecido durante o século XV ou XVI, teria desempenhado um papel importante na formação da língua russa atual. Os idiomas mais próximos atualmente deste dialeto seriam as línguas eslavas ocidentais, especialmente o polonês e o eslovaco, seguidos pelas línguas eslavas meridionais - embora o búlgaro, em especial, tenha uma gramática relativamente diferente.

O vocabulário, com destaque a palavras abstratas e literárias, princípios de formação de palavras e, até certo ponto, inflexões e o estilo literário do russo também foram influenciados pelo eslavônico eclesiástico, uma forma desenvolvida de um ramo do eslavo meridional, o antigo eslavônico eclesiástico, utilizado pela Igreja Ortodoxa Russa. As formas eslavas orientais, no entanto, tendem a ser usadas exclusivamente nos diversos dialetos que passam por um processo rápido de declínio. Em alguns casos, tanto a forma eslava oriental quanto a eslavônica eclesiástica estão em uso, embora com significados diferentes.

A fonologia e a sintaxe do russo, especialmente em seus dialetos mais setentrionais, também foram influenciadas - até certo ponto - pelas diversos línguas fínicas, pertencentes à subfamília fino-úgrica, como o merya, o moksha, o muromiano, o idioma falado pelos meshcheras, o veps, entre outros. Estes idiomas - muitos dos quais já foram extintos - costumavam ser falados no centro e no norte da atual Rússia europeia, e entraram em contato com os idiomas eslavos orientais no início da Idade Média, servindo eventualmente como substrato para a língua russa atual. Os dialetos russos falados a norte, nordeste e noroeste de Moscou apresentam um número considerável de palavras de origem fino-úgrica.[12] [13] Ao longo dos séculos, o vocabulário e o estilo literário do russo também foram influenciados pelos idiomas europeus ocidentais e centrais, como o polonês, o latim, o holandês, o alemão, o francês e o inglês.[14]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Durante o período da União Soviética, a política em relação às línguas dos diversos outros grupos étnicos variou na prática. Embora cada uma das repúblicas constituintes tivesse seu próprio idioma oficial, o papel unificador e um status superior eram reservados ao russo, ainda que ele tenha sido declarado língua oficial apenas em 1990.[15] Logo após a dissolução da União Soviética, em 1991, diversos dos Estados recém-independentes encorajaram e estimularam o uso de seus idiomas nativos, o que reverteu parcialmente o status privilegiado do russo, embora seu papel como idioma do discurso nacional pós-soviético em toda a região ainda persista.

Conhecimento do russo nos países que formavam a União Soviética. Dados de 2004.

O longo domínio russo sobre os demais povos da URSS estabeleceu, entre os falantes de outras línguas, uma controvérsia acerca da cultura russa. Na Letônia o reconhecimento oficial do russo e sua legalidade nas salas de aula têm sido alvo de um debate considerável, num país em que mais de um terço da população é formado por russófonos. Da mesma maneira, na Estônia, os falantes do russo constituem 25,6% da população atual do país, e 58,6% da população nativa estoniana também fala o russo.[16] No total, 67,8% da população da Estônia fala o idioma.[16] O domínio do russo, no entanto, está diminuindo rapidamente entre os estonianos mais jovens, já que está sendo substituído primordialmente pelo domínio do inglês. Por exemplo, enquanto 53% dos estonianos entre 15 e 19 anos de idade alegam ter algum conhecimento de russo, entre o grupo que vai dos 10 aos 14 anos de idade o domínio do idioma cai para 19%, cerca de um terço da percentagem daqueles que alegam falar o inglês.[16]

Indivíduos que falam o russo como língua materna ou secundária na Lituânia representam aproximadamente 60% da população do país. Mais da metade da população dos países bálticos fala o russo, seja como primeiro ou segundo idioma.[16] [17] [18] Desde que o Grão-Ducado da Finlândia fez parte do Império Russo de 1809 a 1918, diversos falantes do idioma permaneceram no país. Existem atualmente 33.400 finlandeses russófonos, que totalizam 0,6% da população da Finlândia. Cinco mil deles (0,1%) descendem dos imigrantes russos que foram para o país no fim do século XIX e início do século XX, enquanto o resto faz parte de ondas migratórias recentes, chegados depois da década de 1990.[carece de fontes?]

No Cazaquistão e no Quirguistão o russo continua a ser um idioma co-oficial, juntamente com o cazaque e o quirguiz, respectivamente. Grandes comunidades russófonas ainda existem no norte do Cazaquistão, e pessoas de etnia russa totalizam 25,6% da população total do país.[19]

No decorrer do século XX, o russo foi amplamente ensinado nas escolas dos países-membros do antigo Pacto de Varsóvia, bem como nos países que eram aliados da União Soviética, em especial a Polônia, Bulgária, Tchecoslováquia, Hungria, Albânia e Cuba. As gerações mais jovens, no entanto, não costumam dominá-lo com fluência, uma vez que o ensino do russo não é mais obrigatório nos sistemas escolares destes países. No entanto, de acordo com uma pesquisa de 2005 do Eurobarômetro,[20] a fluência no idioma continua a ser relativamente alta (de 20 a 40%) em alguns países, em especial naqueles em que os povos locais falam alguma língua eslava, e por isso têm algum tipo de facilidade no aprendizado do russo, com destaque à Polônia, República Tcheca, Eslováquia e Bulgária. O russo é atualmente a língua estrangeira mais ensinada na Mongólia, onde seu ensino é obrigatório a partir da sétima série, desde 2006.[21] [22]

De acordo com o censo de 1999, o russo também é falado em Israel por pelo menos 750 000 imigrantes judaicos da antiga União Soviética. Existem diversos meios de comunicação e sites de internet publicados em russo no país. O idioma também é falado como língua estrangeira por um número reduzido de pessoas no Afeganistão, que em 1979 sofrera uma intervenção de tropas soviéticas.[23] De acordo com uma matéria da BBC de outubro de 2009, refugiados afegãos estariam aprendendo o russo nas escolas, o que criaria uma pequena população de falantes do russo em caso de uma eventual repatriação.

Existem grandes comunidades de russófonos na América do Norte, especialmente em grandes centros urbanos dos Estados Unidos e Canadá, como Nova York, Filadélfia, Boston, Los Angeles, Nashville, São Francisco, Seattle, Spokane, Toronto, Baltimore, Miami, Chicago, Denver e Cleveland. Em diversos destes locais estes falantes do russo publicam seus próprios jornais, e vivem em enclaves étnicos, especialmente a geração de imigrantes que começou a chegar no início da década de 1960. Apenas um quarto deles, no entanto, pertence à etnia russa. Antes da dissolução da União Soviética, a maioria esmagadora dos russófonos na América do Norte era formada por judeus. Posteriormente, o influxo de imigrantes vindos dos países constituintes da União Soviética alterou estas estatísticas, trazendo maiores números de russos e ucranianos, juntamente com mais judeus russos. De acordo com o censo de 2000 dos Estados Unidos, o russo é a língua materna falada nos lares de mais de 700.000 pessoas que vivem no país.

Diversos grupos russófonos existem na Europa Ocidental, estabelecidos por meio de sucessivas ondas de imigração ocorridas desde o início do século XX. Alemanha, Reino Unido, Espanha, Portugal, França, Itália, Bélgica, Grécia, Brasil, Noruega e Áustria também têm populações significativas de populações falantes do russo, bem como as grandes cidades australianas de Sydney e Melbourne, que tem a maior concentração de russófonos da Austrália, particularmente nos subúrbios de Carnegie e Caulfield. Os sino-russos também formam um dos 56 grupos étnicos reconhecidos oficialmente pelo governo da República Popular da China.

Estimativas recentes do número total de falantes do russo
Fonte Falantes nativos Ranking nativo Total de falantes Ranking total
Top Languages [24] 160.000.000 8 285.000.000 5
World Almanac (1999) 145.000.000 8 275.000.000 5
SIL (2000 WCD) 145.000.000 8 255.000.000 5–6
Empatado com o árabe.
CIA World Factbook (2005) 160.000.000 8

Status oficial[editar | editar código-fonte]

O russo é a língua oficial da Rússia, embora também tenha este status a nível regional em diversas unidades autônomas étnicas dentro do país, como o Bascortostão, o Tartaristão e a Iacútia. Também é um dos idiomas oficiais da Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, bem como o idioma preponderante de facto nos países não-reconhecidos da Transnístria, Ossétia do Sul e Abecásia. O russo é uma das seis línguas oficiais da Organização das Nações Unidas, e mais de um quarto da literatura científica do mundo é publicada em russo.[25] O russo também é um idioma de referência no mundo dos sistemas de comunicação mundiais (transmissões, comunicação aeroespecial, etc.).[25]

O estudo na Rússia ainda é uma escolha popular tanto em termos de russo como segundo idioma como para falantes nativos do idioma, e o russo ainda é visto como uma língua importante para ser ensinada às crianças em diversas das ex-repúblicas soviéticas.[26] [27]

94% [28] dos estudantes escolares na Rússia, 75% na Bielorrússia, 41% no Cazaquistão, 20% na Ucrânia,[29] 23% no Quirguistão, 21% na Moldávia, 7% no Azerbaijão, 5% na Geórgia e 2% na Armênia e Tajiquistão são educados única ou majoritariamente em russo. A porcentagem de indivíduos pertencentes à etnia russa é de 80% na própria Rússia, 10% na Bielorrússia, 36% no Cazaquistão, 27% na Ucrânia, 9% no Quirguistão, 6% na Moldávia, 2% no Azerbaijão, 1,5% na Geórgia e menos de 1% tanto na Armênia quanto no Tajiquistão. [30]

O ensino do russo nas escolas também existe na Letônia, Estônia e Lituânia. No entanto, devido a recentes reformas no ensino feitas na Letônia, através das quais o governo passou a pagar uma quantia considerável para as escolas que lecionassem em letão, o número de aulas ensinadas em russo no país foi drasticamente reduzido.[31] [32] O idioma tem um status co-oficial, juntamente com o romeno, nas unidades autônomas da Gagaúzia e da Transnístria, na Moldávia, e na República Autônoma da Crimeia, na Ucrânia, é reconhecido como idioma regional, juntamente com o tártaro da Crimeia. De acordo com uma sondagem realizada pela FOM-Ukraina, o russo é o idioma mais falado na Ucrânia, superando o próprio ucraniano por uma pequena diferença.[33] [34] Apesar de sua ampla utilização, no entanto, ativistas do uso do idioma na Crimeia reclamam da obrigatoriedade do uso do ucraniano nas escolas, cinemas, tribunais, bulas de remédio e do seu uso na mídia e nos documentos oficiais.[35] [36]

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Outros
  12. Dialeto russo setentrional com influências bielorrussas
  13. Dialetos das estepes e da Ucrânia oriental
  14. Dialeto das estepes ucranianas com influência russa

Apesar da padronização ocorrida após a revolução de 1917, especialmente em termos de vocabulário, diversos dialetos ainda existem dentro do russo. Enquanto alguns estudiosos dividam os dialetos do russo em dois grupos primordiais regionais — o setentrional e o meridional — com a cidade de Moscou situada exatamente na zona de transição entre os dois, outros dividem o idioma em três agrupamentos distintos — o setentrional, o central e o meridional — com Moscou integrada à região central, formando um dialeto específico e singular, e não mais adequando-se a uma mistura de dialetos. A dialetologia dentro da própria Rússia reconhece dúzias de variantes minoritárias. Estes dialetos frequentemente apresentam características distintas da forma padrão, em termos de pronúncia e entonação, vocabulário e gramática. Algumas destas características são resquícios de formas arcaicas que já foram completamente suplantadas pelo idioma padrão.

Os dialetos russos setentrionais e aqueles falados ao longo do rio Volga costumam pronunciar de forma clara o /o/ átono, diferentemente do dialeto padrão, que pronuncia o /o/ átono da mesma forma que um /a/, em um fenômeno conhecido como redução vocálica. A leste de Moscou, especialmente na região de Ryazan, o /e/ e o /a/ átonos que vêm depois de consoantes palatalizadas e antecedem uma sílaba tônica não são reduzidos a [ɪ], como no dialeto moscovita, mas são pronunciados como /a/ (ex.: несли é pronunciado como [nʲasˈlʲi], e não [nʲɪsˈlʲi]). Este fenômeno é conhecido como yakanye.[37] Diversos dialetos meridionais adotam uma terminação final palatalizada, /tʲ/, nas formas de terceira pessoa dos verbos, sendo que este fonema não é palatalizado no dialeto padrão, e um fricativo, [ɣ], no local em que o dialeto padrão apresenta [ɡ].[38]

Em certas regiões ao sul de Moscou, no entanto, como por exemplo na cidade de Tula e em seus arredores, o /ɡ/ é pronunciado como em Moscou e nos dialetos setentrionais, a menos que anteceda uma plosiva átona ou uma pausa. Nesta posição, o /ɡ/ sofre lenição, tornando-se a fricativa [x], como por exemplo друг [drux]. No dialeto de Moscou, apenas as palavras Бог [box], лёгкий [lʲɵxʲkʲɪj], мягкий [ˈmʲæxʲkʲɪj] e derivados seguem este modelo. Algumas destas características, como um /ɡ/ que sofreu debucalização ou lenição, e um /tʲ/ final palatalizado nas formas de terceira pessoa dos verbos, também estão presentes no ucraniano moderno, o que indica ou um vício linguístico ou uma forte influência de um no outro.

A cidade de Veliki Novgorod apresenta, historicamente, uma característica conhecida como tchokanye ou tsokanye , na qual o /tɕ/ e o /ts/ são confundidos. Por consequência, a segunda palatalização das consoantes velares não ocorre nesta variante.

Um dos primeiros estudiosos dos dialetos russos foi Mikhail Lomonosov, no século XVIII. No século seguinte, Vladimir Dal compilou o primeiro dicionário a incluir um vocabulário dialetal. O mapeamento detalhado dos dialetos russos teve seu início na virada do século XX. Mais recentemente, o monumental Atlas Dialetológico da Língua Russa foi publicado em três volumes, entre 1986 e 1989, depois de quatro décadas de trabalho preparatório.

Línguas derivadas[editar | editar código-fonte]

  • Balachka, dialeto falado primordialmente pelos cossacos nas regiões dos rios Don e Terek.
  • Fenya, argot de origem antiga falado por criminosos, com a gramática do russo, porém com um vocabulário distinto.
  • Surjyk, variante do ucraniano com forte influência do russo. É utilizado por uma grande parcela da população da Ucrânia, especialmente nas regiões central e oriental do país
  • Trasianka, língua com características do russo e do bielorrusso, usada por uma grande parcela da população rural na Bielorrússia.
  • Quelia, um pidgin entre alemão e russo
  • Runglish, mistura entre russo e inglês. O termo também é utilizado por falantes do inglês para descrever o modo com que alguns russos tentam falar o inglês usando a morfologia e/ou a sintaxe do russo.
  • Russenorsk, mistura extinta formado por uma maioria de vocabulário russo com gramática norueguesa, usado para a comunicação entre os russos e os comerciantes noruegueses no chamado comércio de Pomor, na região de Finnmark e na península de Kola.
  • Govorka, um outro pidgin extinto formado pelo russo e a língua nganasan que se falava na península de Taimir até o século XX.
  • Medny Aleut, pidgin quase extinto formado pelo vocabulário aleúte do Alasca com morfologia russa.
  • Kyakhta, pidgin extinto formado pelo russo e chinês.

Alfabeto[editar | editar código-fonte]

Alfabeto cirílico
Be cir.png
Alfabeto cirílico
А Б В Г Ґ Д Ђ Ѓ Е Ё
Є Ж Ѕ З И І Ї Й Ј К
Л Љ М Н Њ О П Р С Т
Ћ Ќ У Ў Ф Х Ц Ч Џ Ш
Щ Ъ Ы Ь Э Ю Я
Letras não-eslavas
Ӑ Ӓ Ӕ Ҕ Ғ Ә Ӏ Ӂ Җ Ӝ
Ҙ Ӟ Ӡ Ҡ Қ Ӄ Ҟ Ҝ Ң Ӈ
Ҥ Ө Ӧ Ҧ Ҫ Ҷ Ӵ Ҹ Ҽ Ҿ
Ҩ Ҳ Ҭ Ҵ Ӱ Ӳ Ӯ Ү Ұ Һ
Ӹ
Letras arcaicas
Ҁ Ѹ Ѡ Ѿ Ѻ Ѣ ІА Ѥ Ѧ Ѫ
Ѩ Ѭ Ѯ Ѱ Ѳ Ѵ Ѷ
Página do Azbuka, primeiro livro impresso em russo, feito por Ivan Fedorov, em 1574. Esta página contém o alfabeto cirílico.

O russo é escrito com uma versão modificada do alfabeto cirílico, que consiste em 33 caracteres, sendo 21 consoantes, 10 vogais e dois sinais. A tabela a seguir lista suas formas maiúsculas, juntamente com os valores no alfabeto fonético internacional para o som tipicamente expresso por cada letra:

А
/a/
Б
/b/
В
/v/
Г
/ɡ/
Д
/d/
Е
/je/
Ё
/jɔ/
Ж
/ʐ/
З
/z/
И
/i/
Й
/j/
К
/k/
Л
/l/
М
/m/
Н
/n/
О
/ɔ/
П
/p/
Р
/r/
С
/s/
Т
/t/
У
/u/
Ф
/f/
Х
/x/
Ц
/ts/
Ч
/tɕ/
Ш
/ʂ/
Щ
/ɕɕ/
Ъ
/-/
Ы
[ɨ]
Ь
/-/
Э
/ɛ/
Ю
/ju/
Я
/ja/

Entre as letras obsoletas do alfabeto russo estão <ѣ>, que acabou por se fundir ao <е> (/je/ ou /ʲe/); o <і> e <ѵ>, que se fundiram no <и> (/i/); <ѳ>, que se fundiu com o <ф> (/f/); <ѫ>, que se fundiu com o <у> (/u/); <ѭ>, que se fundiu com o <ю> (/ju/ ou /ʲu/); e <ѧ>/<ѩ>, que posteriormente se transformaram no <я>, passando a representar foneticamente /ja/ ou /ʲa/. Embora estas letras arcaicas tenham sido descartadas, ainda podem ser encontradas e até mesmo usadas em alguns textos. Os chamados yers, <ъ> e <ь>, indicavam originalmente a pronúncia dos sons ultra-curtos ou reduzidos, /ŭ/ e /ĭ/.

Transliteração[editar | editar código-fonte]

A transliteração do russo consiste no ato de permitir a leitura de uma palavra ou sentença escrita no alfabeto cirílico russo a uma pessoa que não tem o domínio do mesmo. Por conta da grande variedade de pronúncias e alfabetos existentes em cada idioma, não existe um sistema específico ou oficial de transliteração do cirílico, de forma que esta transcrição fosse unificada para todo o mundo. Por este motivo, existe uma infinidade de formas de transliterar-se um texto a partir do alfabeto cirílico.

Devido às muitas restrições técnicas existentes na computação e também à falta de disponibilidade de teclados em cirílico no exterior, o russo também é frequentemente transliterado para o alfabeto latino. Por exemplo, a palavra мороз (geada) é transliterada como moroz, e мышь (rato ou, por extensão, "mouse") como mysh ou myš’. Embora já tenha sido usada comumente pela maioria dos russos que vivem fora da Rússia, a transliteração vem sendo cada vez menos usada, por conta da extensão da codificação de caracteres Unicode, que já incorporou o alfabeto russo. Existem programas disponíveis que permitem aos usuários utilizar caracteres russos mesmo nos teclados ocidentais.[39]

Informática[editar | editar código-fonte]

O alfabeto russo pode ser usado em diversos sistemas de codificação de caracteres. O KOI8-R foi projetado pelo governo russo para servir como a codificação padrão, e ainda é usado em sistemas operacionais similares ao UNIX. No entanto, a difusão do MS-DOS e do Microsoft Windows criou alguma confusão, e acabou por estabelecer diversas codificações como padrões de facto, num cenário em que por exemplo a Windows-1251 se tornou um padrão na comunicação via internet e e-mail na Rússia. Diversos aplicativos para a conversão de codificações foram desenvolvidos. O iconv é um exemplo, compatível com a maior parte das versões dos sistemas operacionais, como por exemplo o Linux e o Macintosh. A maior parte das implementações de codificação de caracteres para o alfabeto russo, com destaque às mais antigas, visam o uso simultâneo dos caracteres latinos e cirílicos, e não incluem suporte a qualquer outro idioma. As esperanças de uma unificação das codificações de caracteres para o alfabeto russo estão depositadas no padrão Unicode, projetado especificamente para a coexistência pacífica de diversos idiomas, incluindo línguas mortas. O Unicode também tem suporte para as letras do cirílico antigo, que tem muitas semelhanças com o alfabeto grego.

Ortografia[editar | editar código-fonte]

A ortografia russa é razoavelmente fonêmica na prática. Consiste, na realidade, de um equilíbrio entre a fonêmica, a morfologia, a etimologia e a gramática, e, como a da maior parte dos idiomas atuais, tem sua parcela de inconsistências e pontos controversos. As muitas regras gramaticais rígidas introduzidas entre as décadas de 1880 e de 1910 foram responsáveis por essas controvérsias, justamente enquanto visavam eliminar as inconsistências.

A ortografia atual segue a principal reforma ocorrida em 1918, e a codificação final, de 1956. Uma alteração proposta no fim da década de 1990 foi recebida com hostilidade e não foi adotada formalmente. A pontuação, baseada originalmente no grego bizantino, acabou sendo reformulada durante os séculos XVII e XVIII], seguindo os modelos francês e alemão.

De acordo com o Instituto da Língua Russa da Academia Russa de Ciências, um acento agudo opcional pode, e por vezes deve, ser utilizado para indicar a tonicidade. É usado, por exemplo, para distinguir palavras que seriam grafadas de maneira idêntica, especialmente quando o contexto não tornar óbvia esta diferença, como por exemplo nas situações:

  • замо́к, за́мок — fechadura, castelo
  • сто́ящий, стоя́щий — que vale a pena, que está em pé
  • чудно́, чу́дно — [isto é] estranho, [isto é] maravilhoso
  • молоде́ц, мо́лодец — muito bem!, companheiro
  • узна́ю, узнаю́ — aprenderei, reconheço
  • отреза́ть, отре́зать — cortar, fazer cortar

Outra finalidade que pode exigir o uso dos acentos é a de indicar a pronúncia correta de palavras pouco comuns, especialmente nomes e sobrenomes e exprimir qual é a palavra que deve ser enfatizada na oração:

  • Ты́ съел печенье? — Foi você que comeu o biscoito?
  • Ты съе́л печенье? — Você comeu o biscoito?
  • Ты съел пече́нье? — O biscoito foi o que você comeu?

Apesar de sua omissão causar ambiguidades, as indicações tônicas são obrigatórias somente em dicionários léxicos, livros para crianças ou estudantes do russo.

Sons[editar | editar código-fonte]

O sistema fonológico do russo foi herdado do eslavônico comum, porém sofreu uma modificação considerável no início do período histórico, antes do século XV.

A língua apresenta cinco sons vocálicos, que são grafados com letras diferentes, totalizando dez letras vogais, dependendo se as consoantes que as precedem são palatalizadas ou não. As consoantes aparecem em pares palatalizados ou não-palatalizados, tradicionalmente chamadas de suaves ou duros, sendo que as consoantes duras costumam ser velarizadas, especialmente antes de vogais posteriores, como ocorre no irlandês, embora em alguns dialetos a velarização esteja limitada ao /l/ áspero. O russo padrão, baseado no dialeto de Moscou, apresenta uma forte tonicidade, e uma variação tonal moderada. As vogais tônicas costumam ter uma duração maior, enquanto as vogais átonas tendem a ser reduzidas a vogais semiabertas, ou até a um xevá pouco claro.

A estrutura silábica do russo pode ser bastante complexa, com conjuntos consonantais iniciais e finais de até quatro sons consecutivos.
Utilizando-se uma fórmula em que V significa a vogal que forma o núcleo da sílaba e C cada uma de suas consoantes, a estrutura pode ser ilustrada da seguinte maneira:

(C) (C) (C) (C) V (C) (C) (C) (C)

Grupos de quatro consoantes não são, no entanto, muito comuns, especialmente no interior de um morfema. Entre alguns exemplos estão взгляд (/vzglʲat/, "olhar") e строительств (/strʌˈʲitʲɛlʲstf/, "de construções").

Consoantes[editar | editar código-fonte]

  Bilabial Labio-
dental
Dental e
alveolar
Pós-
alveolar
Palatal Velar
Nasal dura /m/   /n/      
suave /mʲ/   /nʲ/      
Plosiva dura /p/   /b/   /t/   /d/     /k/   /ɡ/
suave /pʲ/   /bʲ/   /tʲ/   /dʲ/     /kʲ/*   [ɡʲ]
Africada dura     /ts/           
suave         /tɕ/       
Fricativa dura   /f/   /v/ /s/   /z/ /ʂ/   /ʐ/   /x/   [ɣ]
suave   /fʲ/   /vʲ/ /sʲ/   /zʲ/ /ɕː/*   /ʑː/*   [xʲ]   [ɣʲ]
Vibrante múltipla dura     /r/      
suave     /rʲ/      
Aproximante duro     /l/      
suave     /lʲ/   /j/  

O russo se destaca por sua distinção a partir da palatalização da maioria de suas consoantes. Enquanto /k/, /ɡ/ e /x/ têm os alófonos palatalizados [kʲ, ɡʲ e xʲ], apenas o /kʲ/ pode ser considerado um fonema, embora seja relativamente marginal, e não costume ser considerado como fruto desta distinção, já que o único par mínimo nativo que implicaria /kʲ/ ser um fonema separado é "это ткёт" (/ˈɛtə tkʲot/) е "этот кот" (/ˈɛtət kot/). Palatalização significa que o centro da língua é levantado durante e depois da articulação da consoante. No caso de /tʲ/ e /dʲ/, a língua é elevada o suficiente para produzir um leve som africado. Os sons /t, d, ts, s, z, n e rʲ/ são dentais, isto é, são produzidos com a ponta da língua apoiada nos dentes, e não na crista alveolar.

Gramática[editar | editar código-fonte]

O russo preservou a estrutura flexiva-sintética do indo-europeu, embora uma considerável nivelização tenha ocorrido. A gramática russa é relativamente complexa e essencial para a compreensão da língua, tendo profunda influência não somente na linguagem escrita, mas também no discurso. Não há artigos na língua russa.

A gramática russa apresenta:

A língua falada foi influenciada pela escrita, porém ainda preservando suas peculiaridades. Os dialetos apresentam diversas características gramaticais que fogem ao padrão, muitas das quais são arcaísmos ou descendentes de formas arcaicas que já deixaram de ser usadas há muito pelo idioma literário.

Gênero[editar | editar código-fonte]

São três os gêneros gramaticais: masculino, feminino e neutro. A formação do passado singular dos verbos russos varia de acordo com o gênero. Os nomes das família russas declinam conforme o gênero masculino ou feminino.

Diferente do que acontece em inglês, o gênero neutro não é utilizado simplesmente para aqueles substantivos que não sejam pessoas. Na verdade, os substantivos que se referem a seres inanimados podem ser tanto neutros como masculinos ou femininos.

As palavras masculinas terminam geralmente por consoantes;
As palavras femininas terminam geralmente pelas vogais /а/ e /я/ ou por consoantes palatalizadas;
As palavras neutras terminam geralmente pelas vogais /е/ e /o/;

O passado feminino e neutro de verbos no singular geralmente recorrem às terminações /а/ e /о/, respectivamente.

Plural[editar | editar código-fonte]

A maioria dos plurais dos substantivos masculinos e femininos terminam pelos sons de /и/ ou /ы/. Os plurais dos substantivos neutros terminam em /a/ ou /я/, dependendo da terminação da palavra no singular ser /о/ ou /e/, respectivamente.

No campo verbal, a terceira pessoa do plural dos três gêneros é única, como em inglês ou alemão, sendo que a principal terminação para o passado de verbos no plural é /и/.

Declinação dos nomes[editar | editar código-fonte]

Um dos pontos mais característicos da gramática russa são os casos declinatórios, que consistem na mudança da estrutura de substantivos, adjetivos, pronomes ou numerais, dependendo de sua função sintática.

A língua russa tem seis casos. A seguir, suas denominações e funções gerais:

  • Nominativo, aplicado às palavras em sua forma original e mantida nas sentenças caso a palavra em questão tenha função de sujeito;
  • Acusativo, aplicado às palavras que tenham função de objeto direto e/ou passem ideia de movimento;
  • Prepositivo, aplicado às palavras que estejam em função de objeto indireto, ou seja, que exijam o uso de preposição;
  • Genitivo, aplicado às palavras que identifiquem o possessor de outro elemento, ou que indiquem origem, modo, etc;
  • Dativo, aplicado às palavras que identifiquem o receptor de determinado elemento ou ação. Em alguns casos, também indica posse;
  • Instrumental, aplicado às palavras que indiquem o meio ou instrumento com o qual determinada ação foi realizada.

Há ainda o uso do caso locativo, que embora tenha sido unificado com o caso prepositivo, ainda é utilizado de forma irregular, com a função de indicar um espaço.

Verbos[editar | editar código-fonte]

Os verbos na sua conjugação variam por:

  • Números: singular e plural.
  • Gêneros: masculino, feminino e neutro.
  • Vozes: ativa, passiva/medial.
  • Modos: indicativo, imperativo e subjuntivo.
  • Aspectos: perfeito e imperfeito.
  • Tempos:
    • Particípios: passado e presente.
    • Presente
    • Passado: perfeito e imperfeito.
    • Futuro: perfeito e imperfeito.

Os verbos russos, quando no passado, variam de acordo com o gênero do sujeito, exceto para o plural, que tem uma variação única. Existem dois aspectos verbais: perfeito e imperfeito. O aspecto perfeito tem apenas os tempos passado e futuro, sendo que as ações em ambos os tempos se referem a um momento definido com um final específico. O aspecto imperfeito, por outro lado, tem os tempos passado, presente e futuro, sendo que assim como o tempo presente, os tempos passado e futuro se referem a um momento indefinido e não exigem um término da ação em questão. Diferentemente da língua portuguesa, os tempos verbais não se limitam à conjugação, mas são divididos em dois verbos morfologicamente distintos e em muitos casos conjugados de formas diferentes, sendo que, sem exceções, os verbos de aspecto perfeito nunca têm uma conjugação para o tempo presente.

Os verbos têm duas conjugações, representadas pelas terminações regulares:

  • /-ать/ e /-ять/
  • /-ить/

A primeira conjugação acontece por meio da aglutinação da terminação verbal pelo sufixo pessoal, enquanto a segunda conjugação tende a substituir a terminação pelo sufixo pessoal. As conjugações se dão da seguinte forma:

Conjugação/Pessoa /-ать/ e /-ять/ /-ить/
1ª P.S. ю e -яю -ю
2ª P.S. ешь e -яешь шь
3ª P.S. ет e -яет т
1ª P.Pl. ем e -яем м
2ª P.Pl. ете e -яете те
3ª P.Pl. ют e -яют -ят

Ainda assim, existem outras oito terminações verbais que não pertencem a nenhuma conjugação específica. Além disso, muitos verbos pertencentes a essas terminações fogem da regra e se conjugam de forma irregular. As demais terminações verbais são:

  • /-еть/
  • /-уть/
  • /-оть/
  • /-ыть/
  • /-ти/
  • /-сть/
  • /-зть/
  • /-чь/

Verbo ser/estar[editar | editar código-fonte]

Em russo, desde o século XIX, não é utilizado um verbo para ser/estar no tempo presente, do mesmo modo como ocorre em húngaro, uma língua, porém, fino-ugriana. As funções desse verbo são entendidas pelo contexto da sentença. Há alguns usos raros do verbo есть para definir a ideia de ser/estar, mas o verbo é utilizado sempre no infinitivo e na maioria dos casos é dispensável. Tanto no passado como no futuro, o verbo быть é amplamente usado para se referir ao ser/estar, de forma a evitar que fique subentendido que a sentença refere-se ao presente.

Linguagem formal[editar | editar código-fonte]

A segunda pessoa do plural é usada, da mesma forma que em algumas outras línguas, como uma forma polida de se dirigir a outrém, em uma situação que permitiria o uso da segunda pessoa do singular, que contudo é considerada informal. O fato deve-se à influência do francês.

Vocabulário[editar | editar código-fonte]

Página do livro ABC, impresso em Moscou em 1694, mostrando a letra П.

O número total de palavras no russo é difícil de ser estimado, devido à sua notável capacidade de aglutinar e criar múltiplos compostos, diminutivos, entre outros. O número de palavras ou verbetes listados nos principais dicionários publicados nos últimos dois séculos, bem como o vocabulário total usado por Alexander Pushkin, célebre autor russo creditado por ter aumentado significativamente o vocabulário do idioma, bem como por ter codificado o russo literário, são:

Obra Ano Número de palavras Conteúdo
Dicionário Acadêmico, 1ª ed. 17891794 43.257 Russo e eslavônico eclesiástico, com algum vocabulário do russo antigo.
Dicionário Acadêmico, 2ª ed. 18061822 51.388 Russo e eslavônico eclesiástico, com algum vocabulário do russo antigo.
Opus, de Pushkin 18101837 21.197 -
Dicionário Acadêmico, 3ª ed. 1847 114.749 Russo e eslavônico eclesiástico, com vocabulário do russo antigo.
Dicionário de Dahl 18801882 195.844 44.000 verbetes agrupados por léxico, na tentativa de catalogar toda a língua vernácula. Inclui algumas palavras ucranianas e bielorrussas.
Dicionário de Ushakov 19341940 85.289 Língua moderna, com alguns arcaísmos.
Dicionário Acadêmico da Língua Russa 19501965 120.480 Dicionário completo da "língua moderna".
Dicionário de Ojegov Década de 1950-1960 61.458 Idioma moderno, em maior ou menos escala.
Dicionário de Lopatin 2000 163.293 Ortográfico, idioma moderno.

Por motivos históricos, Vladimir Dal ainda insistia, na segunda metade do século XIX, que a grafia correta do adjetivo русский (russo), que na época era aplicado de maneira uniforme a todos os súditos do Império Russo pertencentes à etnia eslava e adeptos da Igreja Ortodoxa, bem como à sua única língua oficial, deveria ser руский, com um /с/ apenas, de acordo com a tradição antiga e com o que ele descrevia como o espírito da língua. Em contrapartida, o filólogo Iakov Grot afirmava que o /с/ era distintamente dobrado na pronúncia.

Provérbios e ditados[editar | editar código-fonte]

O russo possui centenas de provérbios e ditados. A grande maioria deles já havia sido reunida e catalogada no século XVII, e posteriormente estudada nos séculos seguintes, sendo os contos populares uma fonte especialmente fértil destes provérbios.

História[editar | editar código-fonte]

A história da língua russa pode ser dividida nos seguintes períodos:

A se julgar pelos registros históricos, por volta do ano 1000 d.C., o grupo étnico predominante em boa parte dos territórios atualmente ocupados pela Rússia europeia, Ucrânia e Bielorrússia, era o ramo oriental dos eslavos, que falava um grupo de dialetos próximos. A unificação política desta região e a fundação da Rus de Kiev, ocorrida por volta de 880, é vista pelos três países como seu ponto de origem, principalmente com o estabelecimento do eslavônico como língua comercial e literária. Logo seguiu-se a adoção do cristianismo, em 988, e a introdução do dialeto eslavo meridional, conhecido como eslavônico eclesiástico, a língua oficial e litúrgica. Empréstimos e derivações do grego bizantino começaram também a introduzir-se no eslavônico e demais dialetos falados neste período, o que por sua vez acabou alterando o próprio eslavônico eclesiástico.

Os Evangelhos de Ostromir, de 1056, compõem o segundo livro mais antigo num idioma eslavo oriental, um dos muitos manuscritos iluminados medievais preservados na Biblioteca Nacional Russa.

A diferenciação dialetal se acelerou após a fragmentação da Rus de Kiev, por volta de 1100. Nos territórios das atuais Bielorrússia e Ucrânia, surgiu o ruteno, e na Rússia moderna o russo medieval. Esta fragmentação se consolidou após o século XIII, com a divisão de todo o antigo território entre as nações ocidentais do Grão-Ducado da Lituânia, Polônia e Hungria a Oeste e as repúblicas feudais independentes de Novgorod e Pskov, a Leste, juntamente com diversos ducados menores, que posteriormente se tornariam vassalos dos tártaros.

A língua oficial em Moscou e Novgorod e, posteriormente, na Moscóvia, foi o novo eslavônico eclesiástico, evolução do antigo eslavônico eclesiástico e que permaneceu como língua literária por séculos, até o reinado de Pedro, o Grande, quando seu uso foi restrito drasticamente aos textos bíblicos e litúrgicos. O russo seguiu se desenvolvendo sob uma forte influência do eslavônico eclesiástico até o fim do século XVII, quando a situação se inverteu, e os textos litúrgicos eslavônicos passaram a ser influenciados pelo próprio russo, que ali se destacava.

As reformas políticas de Pedro foram acompanhadas por uma reforma do alfabeto, e atingiram uma meta de secularização e ocidentalização. Grandes grupos de vocabulário específico foram adotados dos idiomas da Europa Ocidental. Por volta de 1800, uma parcela significativa das pessoas educadas usavam cotidianamente o francês e, com menor frequência, o alemão. Diversos romances russos do século XIX, como por exemplo Guerra e Paz, de Leão Tolstói, contêm parágrafos inteiros e até mesmo páginas em francês, na qual nenhuma tradução era fornecida, já que supunha-se que leitores educados não precisariam delas.

Considera-se que a língua russa literária moderna remonte ao período de Alexandre Pushkin, durante o primeiro terço do século XIX. Pushkin revolucionou a literatura russa ao rejeitar a gramática e o vocabulário arcaicos, conhecidos como o "alto estilo", recorrendo ao uso da gramática e do vocabulário utilizados na língua oral da época. Mesmo leitores jovens atuais experimentam apenas pequenas dificuldades na compreensão de algumas poucas palavras nos textos de Pushkin, já que relativamente poucos dos termos usados por ele se tornaram arcaicos ou mudaram seu significado. Na verdade, muitas das expressões utilizadas por escritores russos do início do século XIX, como Miguel Lermontov, Nicolau Gogol, Alexandre Griboedov e o próprio Pushkin, se tornaram provérbios ou ditados que são frequentemente citados e encontrados na fala coloquial moderna dos russos.

Noite de Inverno
Leitura de um trecho de "Noite de Inverno" (Зимний вечер), de Pushkin (1825).

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

«Зи́мний ве́чер»
ˈzʲimnʲɪj ˈvʲetɕɪr
Noite de Inverno

Бу́ря мгло́ю не́бо кро́ет,
[ˈburʲə ˈmɡloju ˈnʲɛbə ˈkroɪt]
A tempestade tolda os ares,

Ви́хри сне́жные крутя́,
[ˈvʲixrʲɪ ˈsʲnʲɛʐnɨɪ kruˈtʲa]
A neve gira em torvelinho,

То, как зверь, она́ заво́ет,
[to kak zvʲerʲ ɐˈna zɐˈvoɪt]
Ora como a besta a uivar,

То запла́чет, как дитя́.
[to zɐˈplatɕɪt, kak dʲɪˈtʲa]
Ora num choro de menino.

То по кро́вле обветша́лой
[to pɐˈkrovlʲɪ ɐbvʲɪˈtʂaləj]
Ora revolve o colmo antigo,

Вдруг соло́мой зашуми́т,
[vdruk sɐˈloməj zəʂuˈmʲit]
E gasto do nosso palheiro,

То, как пу́тник запозда́лый,
[to kak ˈputnʲɪk zəpɐˈzdalɨj]
Ora nos bate ao postigo

К нам в око́шко застучи́т.
[knam vɐˈkoʂkə zəstuˈtɕit]
Como tardio caminheiro.

Os distúrbios políticos do início do século XX, bem como as mudanças radicais de ideologia política, deram ao russo escrito a sua aparência atual, após a reforma ortográfica de 1918. As circunstâncias políticas e realizações da União Soviética nos campos militar, científico e tecnológico, especialmente na cosmonáutica, propiciaram ao russo um prestígio mundial, especialmente durante a segunda metade do século XX.

Referências

  1. How do you say that in Russian?. Expert (2006). Página visitada em 26-2-2008.
  2. The World's Most Widely Spoken Languages. Página visitada em 16-5-2009.
  3. Artigo 17. Constitution of the Republic of Belarus (em inglês).
  4. Artigo 7. Constitution of the Republic of Kazakhstan (em inglês).
  5. Статья 10. Конституция Кыргызской Республики (em russo).
  6. Constituição da Crimeia, capítulo 3, artigos 10–11
  7. Instituto da Língua Russa. Ruslang.ru.
  8. Gallup.com. Gallup. Página visitada em 16-5-2010.
  9. http://www.diariodarussia.com.br/tecnologia/noticias/2013/03/22/russo-e-a-segunda-lingua-mais-popular-da-internet/
  10. http://portuguese.ruvr.ru/2013_03_22/Russo-a-segunda-lingua-mais-popular-da-Internet/
  11. Timberlake (2004:17)
  12. Academic credit. Вопросы языкознания. – М., № 5. – С. 18–28 (1982). Página visitada em 29-4-2006.
  13. Academic credit. Прибалтийско-финский компонент в русском слове. Página visitada em 29-4-2006.
  14. Russian Language (em inglês). Encyclopaedia Britannica 1911 (1911).
  15. "Закон СССР от 24.04.1990 О языках народов СССР" (Lei de 1990 da URSS sobre as Línguas da URSS) (em russo)
  16. a b c d Population census of Estonia 2000. Population by mother tongue, command of foreign languages and citizenship. Eesti Statistika. Página visitada em 23-10-2007.
  17. Population by other languages, which they know, by county and municipality. Statistikos departamentas. Página visitada em 16-5-2009.
  18. Population by mother tongue and more widespread language skills in 2000. Latvijas Statistika.
  19. Kazakhstan's News Bulletin, April 20, 2007 (em inglês). Kazakhstan News Bulletin (20 de abril de 2007). Página visitada em 16-5-2009.
  20. [1]
  21. Brooke, James (15 de fevereiro de 2005). For Mongolians, E Is for English, F Is for Future. New York Times. Página visitada em 16-5-2009.
  22. Русский язык в Монголии стал обязательным (em russo). Новый Регион (21 de setembro de 2006). Página visitada em 16-5-2009.
  23. Awde e Sarwan, 2003.
  24. G. Weber, "Top Languages",
    Language Monthly,
    3: 12–18, 1997, ISSN 1369-9733
  25. a b Universidade Estatal de Moscou, Centro da Língua Russa
  26. Russia’s Language Could Be Ticket in for Migrants. Gallup. Página acessada em 26-5-2010
  27. Russian Language Enjoying a Boost in Post-Soviet States. Gallup. Página acessada em 08-03-2009
  28. Título não preenchido, favor adicionar (Doc) (em russo) p. 80. MINELRES. Página visitada em 16-5-2009.
  29. Cifras para 2006/2007 (em russo) Как соблюдается в Украине языковая Хартия?
  30. http://demoscope.ru/weekly/2008/0353/barom05.php
  31. Russia to raise language concerns. BBC (4 de setembro de 2003). Página visitada em 15-5-2009.
  32. В Риге прошла массовая манифестация против перевода русских школ на латышский язык (em russo). NEWSru.com (10 de março de 2004). Página visitada em 15-5-2009.
  33. Мнения и взгляды населения Украины в мае 2009 . FOM-Ukraina. Página acessada em 8-3-2009
  34. The language situation in Ukraine. Lviv.ua. Página acessada em 8-3-2009
  35. After Georgia, Crimea? Some fear Russia's goals, Kyiv Post (29 de setembro de 2008)
  36. Ukraine-Russia tensions rise in Crimea, Los Angeles Times (28 de setembro de 2008)
  37. The Language of the Russian Village (em russo). Página visitada em 4-7-2006.
  38. The Language of the Russian Village (em russo). Página visitada em 6-3-2009.
  39. [2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Em inglês[editar | editar código-fonte]

  • Comrie, Bernard, Gerald Stone, Maria Polinsky. The Russian Language in the Twentieth Century. 2ª ed. Oxford: Oxford University Press, 1996. 019824066X
  • Timberlake, Alan. A Reference Grammar of Russian. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. 0521772923
  • Carleton, T.R.. Introduction to the Phonological History of the Slavic Languages. Columbus, Ohio: Slavica Press, 1991.
  • Cubberley, P.. Russian: A Linguistic Introduction. 1ª ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.
  • Halle, Morris. Sound Pattern of Russian. [S.l.: s.n.], 1959.
  • Ladefoged, Peter e Maddieson, Ian. The Sounds of the World's Languages. [S.l.]: Blackwell Publishers, 1996.
  • Matthews, W.K.. Russian Historical Grammar. Londres: University of London, Athlone Press, 1960.
  • Stender-Petersen, A.. Anthology of old Russian literature. Nova York: Columbia University Press, 1954.
  • Timberlake, Alan. A Reference Grammar of Russian. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. 0521772923
  • Wade, Terrence. A Comprehensive Russian Grammar. 2ª ed. Oxford: Blackwell Publishing, 2000. ISBN 0631207570

Em russo[editar | editar código-fonte]

  • Востриков О.В., Финно-угорский субстрат в русском языке: Учебное пособие по спецкурсу.- Свердловск, 1990. – 99c. – В надзаг.: Уральский гос. ун-т им. А. М. Горького.
  • Жуковская Л.П., отв. ред. Древнерусский литературный язык и его отношение к старославянскому. М., «Наука», 1987.
  • Иванов В.В. Историческая грамматика русского языка. М., «Просвещение», 1990.
  • Михельсон Т.Н. Рассказы русских летописей XV–XVII веков. М., 1978.?
  • Новиков Л.А. Современный русский язык: для высшей школы.- Москва: Лань, 2003.
  • Филин Ф. П., О словарном составе языка Великорусского народа; Вопросы языкознания. – М., 1982, № 5. – С. 18–28
  • Цыганенко Г.П. Этимологический словарь русского языка, Киев, 1970.
  • Шанский Н.М., Иванов В.В., Шанская Т.В. Краткий этимологический словарь русского языка. М. 1961.
  • Шицгал А., Русский гражданский шрифт, М., «Исскуство», 1958, 2-e изд. 1983.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Russo