Língua rutena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ruteno (русский языкъ,1 2 руский языкъ3 )
Falado em: República das Duas Nações, parte do Grão-Ducado de Moscou.
Total de falantes: Extinta. Desenvolveu-se no bielorrusso, no ucraniano e no rusin moderno (ou "ruteno" moderno).
Família: Indo-européia
 Eslava
  Oriental
   Ruteno
Escrita: Alfabeto Cirílico
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: sla

O ruteno foi uma língua eslava oriental histórica, falada no Grão-Ducado da Lituânia e depois nos territórios eslavos orientais da República das Duas Nações (Comunidade polaco-lituana).

Não há uma unanimidade entre os especialistas quanto a se o ruteno foi uma língua separada ou um (ou mais de um) dialeto do eslavo oriental antigo. De todo modo, o ruteno descende diretamente do eslavo oriental antigo, a língua coloquial usada no Principado de Kiev (do século X ao XIII).4 Foi o ancestral dos idiomas modernos bielorrusso e ucraniano.

Esta língua, hoje extinta, é frequentemente confundida com o rusin, que designa um grupo de línguas, objeto de uma querela envolvendo nacionalistas e linguistas, sobre sua pertinência ou não à língua ucraniana. Dessa língua antiga, nasceram o búlgaro e o rusin moderno, daí a designação frequente do ruteno como búlgaro antigo ou rusin antigo.

Historicamente os rutenos eram antigas populações eslavas ocidentais da atual Ucrânia, à qual haviam sido anexadas a Rutênia subcarpática e regiões vizinhas que adotaram o rito católico uniata (nomeadamente a Igreja Católica Bizantina Rutena), e não o rito ortodoxo. A dispersão dos rutenos por todo o Império Austro-Húngaro em razão de uma política de migrações organizadas, teve como resultado a diferenciação dos dialetos falados, que se constituíram em duas línguas ausbau (de Ausbausprache, "língua por elaboração"), distintas, no século XX.

Todavia, minorias linguísticas se deslocaram nas diferentes regiões da Europa Central (Eslováquia, Polônia), da Europa do Leste (Voivodina sérvia, Ucrânia e Rússia ocidental), para formar e manter um grupo de dialetos modernos minoritários erradamente designados como "rutenos", já que têm muitas diferenças e evoluíram muito em relação ao ruteno original, sob influência de outras línguas. Essas línguas ou dialetos modernos (assim como formas regionais tradicionais minoritárias do ucraniano, do bielorusso e do russo atuais) são chamadas atualmente de rusin e não de ruteno.

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

A língua em questão é às vezes chamada de bielorrusso antigo (em bielorrusso starabiełaruskaja mova), de ucraniano antigo (em ucraniano starovkrajinska mova) e de russo ocidental (em russo zapadnorusskij jazyk). Como o ruteno sempre foi uma forma de oposição diglóssica ao eslavo eclesiástico, ele era e ainda é muitas vezes chamado prosta(ja) mova (проста(я) мова, literalmente "língua simples").

Nomes em uso contemporâneos
  • Ruteno (em bielorrusso antigo: руски езыкъ) - pelos contemporâneos, mas, geralmente, não na Moscóvia contemporânea.
    • (variante) Ruteno simples ou fala simples (em bielorrusso antigo: простый руский (язык) ou простая молва) - editor Grigoriy Khodkevich (século XVI).
  • Lituano (em russo: Литовский язык) - possivelmente, referência exclusiva na Moscóvia contemporânea. Também por Zizaniy (fim do século XVI), Pamva Byerynda (1653).
Nomes em uso moderno
  • Ruteno (antigo) - nome moderno coletivo, englobando o bielorrusso antigo e o ucraniano antigo, usado predominantemente pelos lituanos no século XX, também em muitas pesquisas inglesas e polonesas.
  • Russo ocidental (antigo), língua ou dialeto (em russo: (Древний) западнорусский язык ou (Древнее) западнорусское наречие) - principalmente pelos pelos defensores do conceito da fase proto-russa, especialmente a partir do fim do século XIX, por exemplo, por Karskiy e por Shakhmatov.
  • Bielorrusso (antigo), língua - raramente em Muskovy comtemporâneo. Também por Kryzhanich. A denotação bielorrusso (em russo: белорусский (язык)) referindo-se à língua do século XIX e à língua medieval tem sido usada em trabalhos dos pesquisadores russos do século XIX Fyodor Buslayev, Ogonovskiy, Zhitetskiy, Sobolevskiy, Nedeshev e Vladimirov e de nacionalistas bielorrussos, como Karskiy.
  • Lituano-russo (em russo: литовско-русский) - pelos pesquisadores russos do século XIX Keppen, arcebispo Filaret, Sakharov e Karatayev.
  • Lituano eslavônico (em russo: литово-славянский) - pelo pesquisador russo do século XIX Baranovskiy.5
  • Russo-polonês ou dialeto polonês - por Shtritter, pelo pesquisador polonês Samuel Linde, pelo escritor polonês Wisniewski. Notavelmente, a definição tem sido usada até mesmo quando se faz referência à tradução da Bíblia de Skaryna.

Note-se que ISO/DIS 639-3 e SIL atualmente determinam o código rue para a língua que é documentada com o nome nativo русин (rusin), que eles simplemente chamam de ruteno (Ruthenian em inglês e ruthène em francês) em vez de "ruteno moderno": este código é agora designado para a língua rusin.

Divergência entre o ruteno literário e o russo literário[editar | editar código-fonte]

Como o Leste Europeu gradualmente se libertou da invasão mongol no século XIV, havia quatro príncipes que adotaram o título de grão-duque. Dois deles começaram a unir os territórios eslavos orientais: um em Moscou e outro em Vilnius. Estas atividades resultaram em dois estados eslavos orientais principais separados, o Grão-Ducado de Moscou, que viria a se desenvolver no Império Russo, e o Grão-Ducado da Lituânia, que englobava aproximadamente os territórios atuais de Bielorrússia, Ucrânia e Lituânia e que depois se uniu com a Polônia para formar a República das Duas Nações. Linguisticamente, ambos estados continuaram a usar as variedades regionais da língua literária do Principado de Kiev, mas devida à imensa influência polonesa no oeste e à influência do eslavo eclesiástico no leste, eles gradualmente desenvolveram duas línguas literárias distintas: o ruteno na Lituânia e na República das Duas Nações, e o russo antigo em Moscóvia. Ambas eram habituamente chamadas Ruskij (de Rus') ou de Slovenskij (eslavo, eslavônico); apenas quando uma diferenciação entre a língua literária de Moscóvia e a da Lituânia tornou-se necessária, a primeira foi chamada de Moskovskij (moscovita), e, raramente, a segunda de Lytvynskij (lituano).

Esta divergência liguística é confirmada pela necessidade de tradutores durante as negociações do Tratado de Pereyaslav na metade do século XVII, entre Bohdan Khmelnytsky, líder dos cossacos zaporozianos, e o Estado russo.

Influência polonesa contínua[editar | editar código-fonte]

A partir da União de Lublin em 1659, os territórios meridionais do Grão-Ducado da Lituânia (aproximadamente a moderna Ucrânia) ficaram sob administração direta da coroa polonesa, enquanto os do norte (aproximadamente Bielorrússia e Lituânia) mantiveram alguma autonomia. Isto resultou em diferenças no que diz respeito ao status do ruteno como uma língua oficial e a intensidade da influência polonesa no ruteno. No entato, em ambas as partes da Comunidade Polaco-Lituana habitadas por eslavos orientais, o ruteno permaneceu como uma lingua franca, e em ambas as partes, ele foi progressivamente sendo substituído pelo polonês como língua literária, de debates religiosos e nos documentos oficiais.

Novas línguas nacionais[editar | editar código-fonte]

Com o começo do romantismo na virada do século XIX, aparecem o bielorrusso literário e o ucraniano literário, descendentes dos dialetos populares falados e pouco influenciados pelo ruteno literário. Enquanto isso, o russo manteve uma parte "alto vocabulário" do eslavo eclesiástico, de forma que atualmente as mais evidentes diferenças léxicas entre o russo por um lado e o bielorrusso e o ucraniano por outro são na maioria a grande quantidade de eslavismos no russo e de polonismos nos outros dois.

A divisão entre o ruteno literário e as línguas literárias sucessoras pode ser vista nas ortografias bielorrussa e ucraniana recentemente definidas.

A interrupção da tradição literária foi especialmente drástica na Bielorrússia: na República das Duas Nações o polonês substituiu amplamente o ruteno como língua de administração e literatura. O bielorrusso apenas sobreviveu como uma língua falada no campo, sem quase nenhuma tradição escrita até a metade do século XIX.

Contratando comos bielorrussos e ucranianos orientais, os ucranianos ocidentais que viviam na Áustria-Hungria mantiveram não apenas o nome ruteno, mas também muito mais elementos eslavos eclesiásticos e poloneses do ruteno. Por diferenciação, estes ucranianos são habitualmente chamados pela forma nativa de seu nome, rutenos.

Dessa forma, por volta de 1800, a língua rutena literária havia se desenvolvido em três línguas literárias modernas: o bielorrusso, o ucraniano e o rusin (ruteno moderno).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  • Brogi Bercoff, Giovanna: "Plurilingualism in Eastern Slavic culture of the 17th century: The case of Simeon Polockij." In: Slavia: Časopis pro slovanskou filologii, vol. 64. p. 3-14.
  • Danylenko, Andrii: "‘Prostaja mova’, ‘Kitab’, and Polissian Standard". In: Die Welt der Slaven LI (2006), no. 1, p. 80-115.
  • Dingley, Jim [James]. "The two versions of the Gramatyka Slovenskaja of Ivan Uževič.’ In: The Journal of Byelorussian Studies, 2.4 (year VIII), p. 369-384.
  • Frick, David A. "‘Foolish Rus’: On Polish civilization, Ruthenian self-hatred, and Kasijan Sakovyč." In: Harvard Ukrainian studies 18.3/4 (1994), p. 210-248.
  • Martel, Antoine. La langue polonaise dans les pays ruthènes: Ukraine et Russie Blanche 1569/1667. Lille 1938.
  • Moser, Michael: „Mittelruthenisch (Mittelweißrussisch und Mittelukrainisch): Ein Überblick". In: Studia Slavica Academiae Scientiarum Hungaricae 50 (2005), no. 1-2, p. 125-142.
  • Mozer [= Moser], Michaėl’. "Čto takoe ‘prostaja mova’?". In: Studia Slavica Academiae Scientiarum Hungaricae 47.3/4 (2002), p. 221-260.
  • Pivtorak, Hryhorij. "Do pytannja pro ukrajins’ko-bilorus’ku vzajemodiju donacional’noho periodu (dosjahnennja, zavdannja i perspektyvy doslidžen’)". In: Movoznavstvo 1978.3 (69), p. 31-40.
  • Pugh, Stefan M.: Testament to Ruthenian. A Linguistic Analysis of the Smotryc’kyj Variant. Cambridge 1996 (= Harvard Series of Ukrainian Studies).
  • Shevelov, George Y. "Belorussian versus Ukrainian: Delimitation of texts before A.D. 1569". In: The Journal of Byelorussian Studies 3.2 (year 10), p. 145-156.
  • Stang, Christian: Die westrussische Kanzleisprache des Grossfürstentums Litauen. Oslo 1935 (= Skrifter utgitt av Det Norske Videnskaps-Akademi i Oslo, Historisk-filosofisk Klasse 1935,2).
  • Strumins’kyj, Bohdan. "The language question in the Ukrainian lands before the nineteenth century". In: Aspects of the Slavic language question. Ed. Riccardo Picchio, Harvey Goldblatt. New Haven 1984, vol. 2, p. 9-47.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]