Línguas afro-asiáticas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As línguas afro-asiáticas ou camito-semíticas são uma família de línguas de cerca de 240 línguas e 285 milhões de falantes, espalhados pelo norte da África, leste da África, a região do Sahel e o sudoeste da Ásia. Outros nomes por vezes dados a essa família incluem "afrasiática", "lisrâmica" (Hodge 1972) e "eritréia" (Tucker 1966).

As seguintes subfamílias lingüísticas estão incluídas:

A língua ongota é considerada como afroasiática, mas sua classificação dentro da família continua controvertida, em parte por falta de dados mais concretos.

Não se sabe ao certo onde se falava Proto-Afro-Asiático; muitos (Igor Diakonoff, Lionel Bender, p. ex.) sugerem a África, especialmente a Etiópia, devido à grande diversidade de suas línguas afro-asiáticas , que pode ser devido a intensa imigração de povos não-camitas, ocorrida no passado; mas também se sugeriu a costa ocidental do Mar Vermelho o Sahara (, p. ex., Christopher Ehret). Alexander Militarev sugere o Levante.

As línguas semitas formam a única subfamília afro-asiática baseada fora da África. Entretanto, em tempos históricos ou quase-históricos, falantes de alguma língua semita fizeram o caminho inverso, do sul da Arábia para a Etiópia, de modo que algumas línguas etíopes modernas, como o amárico, são semitas, não cushíticas ou omóticas. (Uma minoria de pesquisadores, p. ex. A. Murtonen (1967), rejeitam essa hipótese, e sugerem que o semita tenha tido origem na Etiópia).

Segundo Ehret (1996), há línguas tonais nos ramos omótico, chádico, e cushítico meridional e oriental. Os ramos semita, bérbere e egípcio não são tonais.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Bernd Heine and Derek Nurse, African Languages, Cambridge University Press, 2000 - Chapter 4
  • Merritt Ruhlen, A Guide to the World's Languages, Stanford University Press, Stanford 1991.
  • Lionel Bender et al., Selected Comparative-Historical Afro-Asiatic Studies in Memory of Igor M. Diakonoff, LINCOM 2003.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]