Línguas atabascanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atabascano
Atabasco, atapascano, atapasco
Distribuição
geográfica:
Oeste da América do Norte
Classificação
genética
:
Dene-ienissei
 Na-Dene
  Atabascano-eyak
   Atabascano
Subdivisões:
ISO 639-2: ath
Na-Dene langs.png
Distribuição original das línguas na-dene
(atabascano + eyak + tlingit)

As línguas atabascanas ou atabascas (ou também atapascanas, atapascas, indígenas atapascas ou atapasques) são um grupo de línguas intimamente relacionadas faladas por povos nativos americanos da América do Norte, divididas em dois grupos principais, um setentrional e outro meridional, falados ao longo do oeste norte americano. A família atabascana é a segunda maior família na América do Norte em termo de número de línguas e de falantes, depois da família uto-asteca que se estende pelo território mexicano e parte dos Estados Unidos. Em termos de território, somente a família álgica cobre uma área maior.

A palavra atabascano é uma versão anglicizada do nome cree para o Lago Athabasca (aðapaskāw, "[onde] há uma árvore após outra") no Canadá.1 O nome foi cunhado por Albert Gallatin em sua classificação de 1836 (escrita em 1826) das línguas da América do Norte. Ele deixou claro que o nome dado a ele a essas línguas relacionadas foi inteiramente baseado em sua preferência pessoal, ele escreveu:

"Eu os tenho designado pela denominação arbitrária de athabascas, a qual deriva do nome original do lago." (1836:116-7)

Línguas[editar | editar código-fonte]

As 31 línguas atabascanas setentrionais são faladas ao longo do interior do Alasca e do noroeste do Canadá nos estados de Yukon e Territórios do Noroeste assim como nas províncias de Colúmbia Britânica, Alberta, Saskatchewan e Manitoba. Várias línguas atabascanas são línguas oficiais nos Territórios do Noroeste, incluindo dene suline, dogrib ou tlicho, gwich’in, e slavey.

As sete línguas atabascanas da costa pacífica são faladas no sul do Oregon e norte da Califórnia. Isoladas das línguas setentrionais e da costa pacífica, as seis línguas atabascanas meridionais, incluindo apache e navajo, são faladas no sudoeste americano e no noroeste do México.

O eyak e o grupo atabascano juntos formam um agrupamento genético chamado atabascano-eyak. O tlingit é remotamente relacionado a esse grupo, que junto a ele forma o na-dené (também conhecido como atabascano-eyak-tlingit).

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Visão geral do grupo[editar | editar código-fonte]

A família lingüística atabascana possui três agrupamentos geográficos principais: setentrional, costa pacífica, e meridional. Há ainda um debate acerca da validade do grupo das línguas da costa do pacífico como unidade genética válida. O grupo setentrional é particularmente problemático. Devido à falha dos critérios de inovação compartilhada e correspondências fonéticas sistemáticas usados para estabelecer agrupamentos bem definidos, a família atabascana (especialmente as línguas setentrionais) têm sido chamada de "complexo aderente" por Michael Krauss (1973, 1982). Assim sendo, o modelo Stammbaumtheorie (árvore genealógica) de classificação genética pode estar inapropriado. As línguas do ramo meridional formam um grupo muito mais homogêneo e até o momento é o único agrupamento genético claro.

Segue abaixo um esboço mostrando apenas as maiores subdivisões dessa família. A seqüência apresentada é baseada basicamente na classificação de Keren Rice de acordo com Goddard (1996) e Mithun (1999).

  1. Alaska meridional
  2. Alaska-Yukon central
  3. Canada norte ocidental
  4. Tsetsaut
  5. Colúmbia Britânica central
  6. Sarsi
  7. Kwalhioqua-Tlatskanai
  8. Atabascano da costa pacífica
  9. Apacheano

Os ramos 1-7 formam o agrupamento (areal) das línguas atabascanas setentrionais. O kwalhioqua-tlatskanai (#7) tem sido muitas vezes considerado parte do grupo costa pacífica, mas uma recente consideração de Krauss não o acha muito similar a essas línguas.

Uma diferente classificação de Jeff Leer segue abaixo (Tuttle & Hargus 2004:72-74):

  1. Alascano (ahtna, dena’ina, deg hit’an, koyukon, kolchan, baixo tanana, tanacross, alto tanana, gwich’in, han)
  2. Yukon (tsetsaut, . tutchone setentrional, tutchone meridional, tagish, tahltan, kaska, sekani, dunneza)
  3. Colúmbia Britânica (babine-witsuwit’en, dakelh, chilcotin)
  4. Oriental (dene suline, slavey, dogrib)
  5. Meridional (tsuut’ina, apacheano, atabascano da costa pacífica)

Atualmente, os detalhes da árvore lingüística atabascana podem ser considerados apenas tentativas.

Para listas detalhadas incluindo todas as línguas, dialetos e subdialetos, veja os respectivos artigos para os 3 maiores grupos ( Atabascano setentrional, atabascano da costa pacífica, atabascano meridional).

Atabascano setentrional[editar | editar código-fonte]

  • Subgrupo alasquiano meridional
1. Ahtna
2. Dena’ina (também conhecida como tanaina)
  • Central Alaska – subgrupo yukon
3. Deg Xinag (também conhecido como deg hit'an, kaiyuhkhotana)
4. Holikachuk (também conhecida como innoko)
5. Koyukon
6. Língua kolchan (também conhecida como kuskokwim superior)
7. Baixo tanana (também conhecida como tanana)
8. Tanacross
9. Alto tanana
10. Tutchone meridional
11. Tutchone setentrional
12. Gwich’in (também conhecida como kutchin)
13. Hän (também conhecida como han)
  • Subgrupo Canada norte ocidental
A. Tahltan-Tagish-Kaska
14. Tagish
15. Tahltan
16. Kaska
17. Sekani
18. Dunneza (também conhecida como beaver)
B. Slave-Hare (slavey meridional e setentrional)
19. Slavey (também conhecida como slave)
20. Mountain
21. Bearlake
22. Hare
23. Dogrib
24. Dene Suline (também conhecida como chipewyan, dëne sųłiné, dene soun’liné)
  • Subgrupo tsetsaut
25. Tsetsaut
  • Subgrupo Colúmbia Britânica central
26. Babine-witsuwit'en (também conhecida como carrier do norte)
27. Dakelh (também conhecida como carrier)
28. Chilcotin (também conhecida como tsilhqot’in)
29. Nicola (também conhecida como stuwix)
  • Subgrupo sarsi
30. Tsuut’ina (também conhecida como sarcee, sarsi, tsuu t’ina)
  • Subgrupo kwalhioqua-clatskanie
31. Kwalhioqua-clatskanie (também conhecida como kwalhioqua-tlatskanie)

Atabascano da costa pacífica[editar | editar código-fonte]

  • Subgrupo atabascano da Califórnia
32. Hupa (também conhecida como hoopa-chilula)
33. Mattole-Bear River
34. Eel River
  • Subgrupo atabascano do Oregon
35. Alto umpqua
36. Rogue River (também conhecida como tututni)
37. Galice-Applegate
38. Tolowa

Atabascano meridional (também conhecida como apache)[editar | editar código-fonte]

  • Subgrupo apache das planícies
39. Apache da planície (também conhecida como kiowa-apache)
  • Subgrupo ocidental apacheano ocidental
A. Chiricahua-Mescalero
40. Chiricahua
41. Mescalero
42. Navajo (também conhecida como navaho)
43. Apache ocidental (também conhecida como coyotero apache)
  • Subgrupo apacheano oriental
44. Jicarilla
45. Lipan

Lista areal[editar | editar código-fonte]

Lista de línguas atabascanas de acordo com a localização geográfica.

  • Alasca: Ahtna, deg hit’an, dena’ina, gwich’in, hän, holikachuk, kolchan, koyukon, baixo tanana, tanacross, tsetsaut, alto tanana
  • Yukon: Gwich'in, hän, kaska, mountain, tagish, tutchone setentrional, tutchone meridional, alto tanana
  • Territórios do Noroeste: Bearlake, dene suline, dogrib, gwich’in, hare, mountain, slavey
  • Nunavut: dene suline
  • Colúmbia Britânica: Babine, bearlake, beaver, chilcotin, dakelh, hare, kaska, mountain, nicola, sekani, slavey, tagish, tahltan, tsetsaut
  • Alberta: Beaver, dene suline, slavey, tsuut’ina
  • Saskatchewan: dene suline
  • Washington: Chilcotin, kwalhioqua-clatskanie (willapa, suwal), nicola
  • Oregon: Applegate, clatskanie, galice, rogue river (chasta costa, euchre creek, tututni, alto coquille), tolowa, alto umpqua
  • Norte da Califórnia: Eel River, hupa, mattole-bear river, tolowa
  • Utah: Navajo
  • Colorado: Jicarilla, navajo
  • Arizona: Chiricahua, navajo, apache ocidental
  • Novo México: Chiricahua, mescalero, jicarilla, lipan, navajo
  • Texas: Mescalero, lipan
  • Oklahoma: Chiricahua, jicarilla, plains apache
  • Noroeste do México: Chiricahua

Proto-atabascano[editar | editar código-fonte]

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Uma recente reconstrução do proto-Atabascano consiste de 40 consoantes (Cook 1981; Krauss & Golla 1981; Krauss & Leer 1981; Cook & Rice 1989), detalhadas abaixo:

Obstruentes
  Bilabial Alveolar Palatal Velar Uvular Glotal
central lateral plana labial plana labial
Plosiva não-aspirada   t       k q  
aspirada         qʷʰ  
glotalizada   t’       k’ q’ q’ʷ ʔ
Africada não-aspirada   ʦ ʧ ʧʷ        
aspirada   ʦʰ tɬʰ ʧʰ ʧʷʰ        
glotalizada   ʦ’ tɬ’ ʧ’ ʧ’ʷ        
Fricativa muda   s ɬ ʃ ʃʷ x χ χʷ h
expressa   z ɮ ʒ ʒʷ ɣ ʁ ʁʷ  
Sonoras
Nasal m n   ɲ          
Aproximante       j       w  
Vogal

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bright, William (2004). Native American Place Names of the United States. Norman: University of Oklahoma Press, pg. 52

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Campbell, Lyle. (1997). American Indian languages: The historical linguistics of Native America. New York: Oxford University Press. ISBN 0-19-509427-1.
  • Cook, Eung-Do. (1981). Athabaskan linguistics: Proto-Athapaskan phonology. Annual Review of Anthropology, 10, 253–273.
  • Cook, Eung-Do. (1992). Athabaskan languages. In W. Bright (Eds.), International encyclopedia of linguistics (pp. 122–128). Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-505196-3.
  • Cook, Eung-Do; & Rice, Keren. (1989). Introduction. In E.-D. Cook & K. Rice (Eds.), Athapaskan linguistics: Current perspectives on a language family (pp. 1–61). rends in linguistics, State-of-the-art reports (No. 15). Berlin: Mouton de Gruyter. ISBN 0-89925-282-6.
  • Hoijer, Harry. (1938). The southern Athapaskan languages. American Anthropologist, 40 (1), 75–87.
  • Hoijer, Harry. (1956). The Chronology of the Athapaskan languages. International Journal of American Linguistics, 22 (4), 219–232.
  • Hoijer, Harry. (1963). The Athapaskan languages. In H. Hoijer (Ed.), Studies in the Athapaskan languages (pp. 1–29). Berkeley: University of California Press.
  • Hoijer, Harry (Ed.). (1963). Studies in the Athapaskan languages. University of California publications in linguistics (No. 29). Berkeley: University of California Press.
  • Hoijer, Harry. (1971). The position of the Apachean languages in the Athpaskan stock. In K. H. Basso & M. E. Opler (Eds.), Apachean culture history and ethnology (pp. 3–6). Anthropological papers of the University of Arizona (No. 21). Tucson: University of Arizona Press.
  • Hymes, Dell H. (1957). A note on Athapaskan glottochronology. International Journal of American Linguistics, 23 (4), 291–297.
  • Krauss, Michael E. (1964). The proto-Athapaskan-Eyak and the problem of Na-Dene, I: The phonology. International Journal of American Linguistics, 30 (2), 118–131.
  • Krauss, Michael E. (1965). The proto-Athapaskan-Eyak and the problem of Na-Dene, II: The morphology. International Journal of American Linguistics, 31 (1), 18–28.
  • Krauss, Michael E. (1968). Noun-classification systems in the Athapaskan, Eyak, Tlingit and Haida verbs. International Journal of American Linguistics, 34 (3), 194–203.
  • Krauss, Michael E. (1969). On the classification in the Athapascan, Eyak, and the Tlingit verb. Baltimore: Waverly Press, Indiana University.
  • Krauss, Michael E. (1973). Na-Dene. In T. A. Sebeok (Ed.), Linguistics in North America (pp. 903–978). Current trends in linguistics (Vol. 10). The Hague: Mouton. (Reprinted as Krauss 1976).
  • Krauss, Michael E. (1976). Na-Dene. In T. A. Sebeok (Ed.), Native languages of the Americas (pp. 283–358). New York: Plenum. (Reprint of Krauss 1973).
  • Krauss, Michael E. (1979). Na-Dene and Eskimo. In L. Campbell & M. Mithun (Eds.), The languages of native America: Historical and comparative assessment. Austin: University of Texas Press.
  • Krauss, Michael E. (1980). On the history and use comparative Athapaskan linguistics. Fairbanks, AL: University of Alaska, Native Language Center.
  • Krauss, Michael E. (1986). Edward Sapir and Athabaskan linguistics. In W. Cowan, M. Foster, & K. Koerner (Eds.), New perspectives in language, culture, and personality (pp. 147–190). Amsterdam: Benjamins.
  • Krauss, Micahel E. (1987). The name Athabaskan. In Peter L. Corey, ed, Faces, Voices & Dreams: A celebration of the centennial of the Sheldon Jackson Museum, Sitka, Alaska, 1888-1988, 105-08. Sitka, Alaska: Division of Alaska State Museums and the Friends of the Alaska State Museum.
  • Krauss, Michael E.; & Golla, Victor. (1981). Northern Athapaskan languages. In J. Helm (Ed.), Subarctic (pp. 67–85). Handbook of North American Indians (Vol. 6). Washington, D.C.: Smithsonian Institution.
  • Krauss, Michael E.; & Leer, Jeff. (1981). Athabaskan, Eyak, and Tlingit sonorants. Alaska Native Language Center research papers (No. 5). Fairbanks, AK: University of Alaska, Alaska Native Language Center.
  • Leer, Jeff. (1979). Proto-Athabaskan verb stem variation I: Phonology. Alaska Native Language Center research papers (No. 1). Fairbanks, AK: Alaska Native Language Center.
  • Leer, Jeff. (1982). Navajo and comparative Athabaskan stem list. Fairbanks, AK: University of Alaska, Alaska Native Language Center.
  • Mithun, Marianne. (1999). The languages of Native North America. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-23228-7 (hbk); ISBN 0-521-29875-X.
  • Rice, Keren. (200). Morpheme order and semantic scope: Word formation in the Athapaskan verb. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Sapir, Edward. (1915). The Na-Dene languages, a preliminary report. American Anthropologist, 17 (3), 534–558.
  • Sapir, Edward. (1916). Time perspective in aboriginal American culture: A study in method. Anthropology series (No. 13), memoirs of the Canadian Geological Survey 90. Ottawa: Government Printing Bureau.
  • Sapir, Edward. (1931). The concept of phonetic law as tested in primitive languages by Leonard Bloomfield. In S. A. Rice (Ed.), Methods in social science: A case book (pp. 297–306). Chicago: University of Chicago Press.
  • Sapir, Edward. (1936). Linguistic evidence suggestive of the northern origin of the Navaho. American Anthropologist, 38 (2), 224–235.
  • Saville-Troike, Muriel. (1985). On variable data and phonetic law: A case from Sapir's Athabaskan correspondences. International Journal of American Linguistics, 51 (4), 572–574.
  • Sturtevant, William C. (Ed.). (1978–present). Handbook of North American Indians (Vol. 1-20). Washington, D. C.: Smithsonian Institution. (Vols. 1–3, 16, 18–20 not yet published).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]