Línguas chibchanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chibchanas
Falado em: Costa Rica, Panamá, Colômbia
Total de falantes:
Família: primária ou talvez macrochibchana
 Chibchanas
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
Chibcha lang.png

As línguas chibchanas formam um família linguística indígena da área do Istmo do Panamá, que se estende do leste de Honduras ao norte da Colômbia, passando por Nicarágua, Costa Rica e Panamá. O nome é derivado de uma língua extinta, o chibcha ou muisca cubun, falada antigamente pelo povo que viveu na região da atual Bogotá quando da colonização espanhola da América. Porém, dados genéticos e linguísticos indicam que o berço original dos falantes de línguas chibchanas não estaria na Colômbia, mas sim na fronteira Costa Rica-Panamá, onde há hoje a maior variedade dessas línguas.

O linguísta costarriquenho Adolfo Constenla Umaña (1981, 1991, 1995) criou uma detalhada clasificação das línguas chibchanas. A maioria dos idiomas fica no subgrupo das chibchanas do sul, vóticas, ístmicas, magdalênicas.

Classificação[editar | editar código-fonte]

A seguir, se apresenta a classificação das diversas línguas chibchanas feita por Constenla com ligeiras modificações:

  • A
    • Línguas Waimí (Guaymi)
      • Ngäbere (Oeste - Guaymí, Valiente, Chiriquí, Ngábere; Eastern - Tolé, Chiriquí, Ngobere, Ngäbere'), Costa Rica e Panamá
      • Buglere (Bokota, Bogotá, Bofota, Bobota, Bukueta, Buglé, Nortenyo, Murire, Sabanero, Veraguas Sabanero), Panamá
    • Língua Boruca (Brunca, Brunka), Costa Rica, quase extinta.
    • Línguas Talamanca
      • Huetar (Güetar), Costa Rica, extinta.
      • Bribri (Talamanca), Costa Rica e Panamá.
      • Cabécar (Talamanca), Costa Rica.
      • Chánguena - Costa Rica & Panamá, extinta.
      • Teribe (Térraba, Tiribi, Teribe, Norteño, Quequexque, Naso), Panamá e Costa Rica
      • ? Movere (Move), central Panamá
  • B
    • Línguas Pech (Paya, Taya, Tawka, Seco) noroeste de, quase extinta
    • Dorasque - Panamá, extinta
    • Língua Vóticas
      • Rama - sudoeste Nicarágua, extinta ou quase
      • Voto - Costa Rica, extinta
      • Maléku (Guatuso), norte-central Costa Rica, quase extinta
      • Corobicí noroeste Costa Rica, extinta
    • Línguas Kuna-Colombianas
      • Kuna (Cuna, San Blás Kuna, Paya-Pucuro Kuna, Caiman Nuevo, Dulegaya), Panamá e Colômbia
      • Chibcha-Motilon
        • Barí (Motilón, Motilone, Dobocubi), Colômbia e Venezuela
        • Chibcha-Tunebo
          • Chibcha e Duit (Muisca, Mosca) Colômbia, extinta
          • Tunebo (U'wa) Colômbia
          • Guanes
      • Arwako-Chimila
        • Chimila (Ette taara, Caca Weranos, Shimizya), Colômbia
        • Arwako
          • Wiwa (Damana, Guamaca, Guamaka, Malayo, Arsario, Marocacero, Marocasero, Maracaserro, Sancá, Sanja, Sanka, Huihua) Colômbia
          • Kankuamo (Atanquez, Atanques) Colômbia, extinta
          • Arhuacos (Arhuaco, Aruaco, Bintuk, Bíntukua, Bintucua, Ica, Ijka, Ika, Ike, Bíntucua, Bintuk, Bíntukua, Pebu) Colômbia
          • Koguis (Coghui, Cagaba, Cogui, Kogi, Kaggaba, Kagaba) Colômbia

Relações externas[editar | editar código-fonte]

Constenla questionou que o cueva, língua extinta e dominante no Panamá da Era Pré-colombiana, se relacionava com as chocoanas, não com as chibchanas, mas não pôde demonstrar isso de forma evidente.

A lingua kofán (kofán, kofane, a'i) do Equador e Colômbia foi incluída entre as chibchanas devido a algumas influências de vocabulário.

O zenú ou sinú do norte da Colômbia é, às vezes, incluída no grupo.

Uma família dita macrochibchana é considerada uma hipótese, contendo nesse caso as línguas misulpan línguas lenca, p'urhépecha, xinca language, cuitlatec e o yanomaman. Joseph Greenberg agrupa as chibchanas junto com as paezan, chamando o grupo de línguas chibchano-paezanas, uma subfamília das línguas ameríndias. Dennis Holt (1986) apresentou evidências de possíveis relações das chibchanas com línguas uto-astecas e com as pano-takananas.

Porém muitos linguistas veem no conceito de "macrochibchanas" (sem considerar grupos em nível mais alto) como algo muito hipotético, com valor, portanto, limitado. Os grupos linguísticos significantes mais próximos, com os quais há realmente maiores relações, são:

A maioria dessas línguas está em estado crítico de extinção.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Constenla Umaña, A. (1981). Comparative Chibchan Phonology. (Ph.D. dissertation, Department of Linguistics, University of Pennsylvania, Philadelphia).
  • Constenla Umaña, Adolfo. (1991). Las lenguas del Área Intermedia: Introducción a su estudio areal. Editorial de la Universidad de Costa Rica, San José.
  • Constenla Umaña, Adolfo. (1995). Sobre el estudio diacrónico de las lenguas chibchenses y su contribución al conocimiento del pasado de sus hablantes. Boletín del Museo del Oro 38-39: 13-56.
  • Greenberg, Joseph H. (1987). Language in the Americas. Stanford: Stanford University Press.
  • Holt, Dennis (1986). The Development of the Paya Sound-System. (Ph.D. dissertation, Department of Linguistics, University of California, Los Angeles).
  • Estudios de Lingüistica Chibcha, um jornal de linguística chibcha publicado pela Universidad de Costa Rica.

Referências[editar | editar código-fonte]