Línguas eslavas meridionais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Línguas eslavas meridionais
Distribuição
geográfica:
Europa do Leste
Classificação
genética
:
Indo-europeia
 Balto-eslava
  Eslava
   Línguas eslavas meridionais
Subdivisões:
Eslavo meridional oriental
Eslavo meridional ocidental


South Slavic Europe.svg
  Países nos quais uma língua eslava meridional é o idioma nacional

As línguas eslavas meridionais formam um dos três ramos da família linguística eslava. Atualmente são faladas por cerca de 30 milhões de pessoas, principalmente na região dos Bálcãs. Seus falantes estão separados geograficamente dos falantes dos outros dois ramos do eslavo, o ocidental e o oriental, por um cinturão formado por falantes do alemão, húngaro e romeno.

O primeiro idioma eslavo meridional a ser escrito, considerado o primeiro idioma eslavo, era o dialeto falado no século IX em Tessalônica, na atual Grécia, que recebe hoje em dia o nome de antigo eslavônico eclesiástico. Este idioma ainda é utilizado como língua litúrgica em algumas igrejas ortodoxas, na forma das diferentes tradições locais do eslavônico eclesiástico.

Classificação[editar | editar código-fonte]

As línguas eslavas meridionais formam um contínuo dialetal. O sérvio, o croata, o bósnio e o montenegrino constituem um único dialeto dentro deste continuum.[1]

  • Seção oriental
    • Macedônio - (código ISO 639-1: mk; código ISO 639-2(B): mac; código ISO 639-2(T): mkd; códigocódigo SIL: mkd)
    • Búlgaro - (código ISO 639-1: bg; código ISO 639-2: bul; código SIL: bul)
    • Antigo eslavônico eclesiástico - extinto (código ISO 639-1: cu; código ISO 639-2: chu; código SIL: chu)
  • Seção ocidental
    • Eslovena (código ISO 639-1: sl; código ISO 639-2: slv; código SIL: slv)
    • Croata (código ISO 639-1: hr; código ISO 639-2/3: hrv; código SIL: hrv)
    • Bósnio (código ISO 639-1: bs; código ISO 639-2/3: bos; código SIL: bos)
    • Sérvio (código ISO 639-1: sr; código ISO 639-2/3: srp; código SIL: srp)
    • Montenegrino (não foi completamente padronizado, porém tem status oficial e uma ortografia publicada padrão em Montenegro)

Pré-história linguística[editar | editar código-fonte]

As línguas eslavas pertencem ao grupo balto-eslavo, que por sua vez pertence à família linguística indo-europeia. A família de línguas eslavas meridionais tradicionalmente foi considerada por si só um nódulo genético do ramo da Eslavística, definido estritamente por um conjunto exclusivo de inovações fonológicas, morfológicas e léxicas (isoglossas) que a separam dos grupos eslavos oriental e ocidental. Este ponto de vista, no entanto, vem sendo questionado nas últimas décadas.

Algumas das inovações que cobrem todos os idiomas eslavos meridionais também são partilhadas com o grupo eslavo oriental (embora não com o ocidental). Elas incluem:[2]

  1. Aplicação consistente da segunda palatalização eslava antes do */v/ proto-eslavo
  2. Perda do */d/ e do */t/ antes do */l/ proto-eslavo
  3. Fusão do */ś/ proto-eslavo (resultante da segunda e da terceira palatalização) com o */s/

Estas inovações podem ser visualizadas na tabela seguinte:

Eslavo meridional Eslavo ocidental Eslavo oriental
Proto-eslavo tardio (reconstrução) Proto-eslavo tardio (significado) Antigo eslavônico eclesiástico Esloveno Croata Sérvio Búlgaro Macedônio Tcheco Eslovaco Polonês Bielorrusso Russo Ucraniano
*gvězda estrela звѣзда zvezda zvijezda звезда звезда ѕвезда hvězda hviezda gwiazda - звезда звізда
*květъ flor, florescer цвѣтъ cvet cvijet цвет цвете цвет květ kvet kwiat кветка цвет квітка
*ordlo arado рало ralo ralo рало рало рало rádlo radlo radło рало рало рало

Diversas isoglossas foram identificadas que representariam inovações comuns exclusivas do grupo linguístico eslavo meridional. Elas têm um caráter predominantemente fonológico, enquanto as isoglossas morfológicas e sintáticas são em muito menos número.Sussex & Cubberly (2006:43–44) listam as seguintes isoglossas fonológicas:

  1. Fusão do yers num som semelhante ao schwa, que se tornou /a/ em croata, serva ou que foi dividido de acordo com a qualidade suave/dura da consoante que o antecede, em /o e/ macedônio, ou /ə e/ búlgaro
  2. Proto-eslavo */ę/ > /e/
  3. Proto-eslavo */y/ > /i/, merging with the reflex of Proto-Slavic */i/
  4. As líquidas silábicas proto-eslavas */r̥/ e */l̥/ foram mantidas, porém o */l̥/ acabou por ser perdido subsequentemente em todas as línguas descendentes, com diferentes resultados (> /u/ em croata, > vogal+/l̥/ ou /l̥/+vogal em esloveno, búlgaro e macedônio), e */r̥/ se tornou [ər/rə] em búlgaro. Este desenvolvimento foi idêntico à perda do yer após uma consoante líquida.
  5. O endurecimento das africadas palatais e dentais; ex.: š' > š, č' > č, c' > c.
  6. Proto-eslavo */tl/, */dl/ > /l/
  7. Forma eslava meridional de metástase líquida (CoRC > CRaC, CoLC > CLaC etc.)

A maior parte destas mudanças não são, no entanto, exclusivas às línguas eslavas meridionais, e são compartilhadas com alguns dos idiomas pertencentes aos grupos eslavos oriental e ocidental, em especial os dialetos eslovacos centrais. Com base nisto, Matasović (2008) argumenta que o eslavo meridional existe unicamente como um agrupamento geográfico, sem formar um ramo genético verdadeiro - nunca houve, por exemplo, uma língua proto-eslava meridional, ou um período no qual todos os dialetos eslavos meridionais exibiam um conjunto exclusivo de mudanças fonológicas, morfológicas ou léxicas (isoglossas) exclusivas. Além disso, segundo Matasovć, nunca também haveria existido um período de união cultural ou política no qual o proto-eslavo meridional poderia ter existido, e no qual inovações comuns aos eslavo meridional poderiam ter ocorrido. Diversos padrões léxico-morfológicos exclusivos dos idiomas eslavos meridionais propostos podem representar arcaísmos do eslavo comum, ou são compartilhados com outros dialetos eslovacos e ucranianos.[carece de fontes?]

Os dialetos eslavos meridionais formam um contínuo dialetal que se estende do sul da Áustria atual até o sudeste da Bulgária. Dialetologicamente se dividem no eslavo meridional ocidental (os dialetos eslovenos e croatas e servas) e no eslavo meridional oriental (dialetos búlgaro-macedônios); cada um destes ramos representa migrações diferentes de povos eslavos para a região dos Bálcãs, e já foram separados por populações de húngaros, romenos e albaneses; na medida em que estas populações estrangeiras foram assimiladas à população eslava, no entanto, o eslavo meridional ocidental e oriental se fundiram, com o torlakiano representando um dialeto de transição. Por outro lado, o processo de liberação nacional dos diversos povos locais dos impérios otomano e austro-húngaro, a que se seguiu a formação de nações-estado nos séculos XIX e XX, levou ao desenvolvimento e à codificação de línguas padrão nacionais. Estes processos terminaram, em sua maior parte, no fim do século XX, após a fragmentação da Iugoslávia, e apenas a questão do montenegrino ainda ficou por ser resolvida.

Dialetos e línguas eslavas meridionais:
Esloveno
  Esloveno panoniano
  Esloveno estírio
  Esloveno carintiano
  Esloveno carniolano
  Esloveno de Rovte
  Esloveno litoral
Croata
  Croata chakaviano
  Croata kaikaviano
  Croata shtokaviano
Bósnio
  bósnio
Sérvio
  Sérvio shtokaviano
  Sérvio voivodino
  Sérvio de Resava
Montenegrino
  Montenegrino
Dialeto de transição
  Torlakiano
Macedónio
  Macedonio setentrional
  Macedonio ocidental
  Macedonio central
  Macedonio meridional
  Macedonio oriental
Búlgaro
  Búlgaro ocidental
  Búlgaro Rup
  Búlgaro balcânico
  Búlgaro mésio

Classificação dialetal[editar | editar código-fonte]

  • Línguas eslavas meridionais
    • Oriental
    • Transicional
      • Dialeto torlakiano[3]
        • Subdialeto de Prizren-Morávia do Sul (ekaviano), na Bulgária, Sérvia, Kosovo e Macedônia
        • Subdialeto Svrljig-Zaplanje (ekaviano) Bulgária na Sérvia
        • Subdialeto Timok-Lužica (ekaviana) na Sérvia e Bulgária
        • Subdialeto Belogradčik (ekaviana) na Bulgária
    • Ocidental
      • Dialeto shtokaviano
      • Dialeto tchakaviano
        • Croata de Burgenland (na Áustria e Hungria)
        • Subdialeto de Buzet (na Croácia)
        • Subdialeto tchakaviano ocidental (na Croácia)
        • Subdialeto ístrio do sudoeste (na Croácia)
        • Subdialeto tchakaviano setentrional (na Croácia)
        • Subdialeto tchakaviano meridional (na Croácia)
        • Subdialeto de Lastovo (na Croácia)
      • Dialeto kajkaviano
        • Subdialeto de Zagorje-Međimurje (na Croácia)
        • Subdialeto de Križevci-Podravina (na Croácia)
        • Subdialeto de Turopolje-Posavina (na Croácia)
        • Subdialeto de Prigorski (na Croácia)
        • Subdialeto de Donja Sutla (na Croácia)
        • Subdialeto de Goranski (na Croácia)
      • Esloveno litorâneo (Primorsko; Eslovênia ocidental e Adriático)
      • Esloveno de Rovte (Rovtarsko; entre o litorâneo e o carniolano)
      • Alto e Baixo Carniolanos (Gorenjsko & Dolenjsko; central; base do esloveno padrão)
      • Estírio (Štajersko; Eslovênia oriental)
      • Panônio ou prekmuriano (Panonsko; extremo oriente da Eslovênia)
      • Caríntio (Koroško; extremo norte e noroeste da Eslovênia)
      • Resiano (Rozajansko; Itália, a oeste do caríntio)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Roland Sussex. The Slavic languages. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. 43–44 pp. ISBN 9780521223157.
  2. De acordo com Matasović (2008:59, 143)
  3. O torlakiano pode ser considerado parte tanto do grupo eslavo oriental meridional como do ocidental. Seus falantes geralmente se identificam etnicamente como sérvios, búlgaros e macedônios, dependendo de seu país de origem. A maior parte dos dialetos torlakianos são falados na Sérvia, e por isso considerados 'sérvios'.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]