Línguas indo-europeias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
  Países com maioria de falantes de línguas indoeuropeias
  Países com minoria de falantes de línguas indoeuropeias com estatuto oficial

O indo-europeu é uma família (ou filo) composta por diversas centenas de línguas e dialetos,[1] que inclui as principais línguas da Europa, Irã e do norte da Índia, além dos idiomas predominantes historicamente na Anatólia e na Ásia Central. Atestado desde a Era do Bronze, na forma do grego micênico e das línguas anatólias, a família tem considerável significância no campo da linguística histórica, na medida em que possui a mais longa história registrada depois da família afro-asiática.

As línguas do grupo indo-europeu são faladas por aproximadamente três bilhões de falantes nativos, o maior número entre as famílias linguísticas reconhecidas. A família sino-tibetana tem o segundo maior número de falantes, enquanto diversas propostas controversas fundiram o indo-europeu com outras das principais famílias linguísticas.

História da linguística indo-europeia[editar | editar código-fonte]

Sugestões de semelhanças entre os idiomas indianos e europeus começaram a ser feitas por visitantes europeus à Índia no século XVI. Em 1583 o padre Thomas Stephens, um missionário jesuíta inglês em Goa, notou as semelhanças entre os idiomas indianos, mais especificamente o concani, e o grego e o latim. Estas observações foram incluídas numa carta sua para seu irmão, que só foi publicada no século XX.[2]

O primeiro relato a mencionar o sânscrito veio de Filippo Sassetti (nascido em 1540), um mercador florentino que viajou ao subcontinente indiano e esteve entre os primeiros observadores europeus a estudar a antiga língua indiana. Escrevendo em 1585, notou diversas semelhanças entre palavras do sânscrito e do italiano (como por exemplo devaḥ / dio, "Deus", sarpaḥ / serpe, "serpente", sapta / sette, "sete", aṣṭa / otto, "oito", nava / nove, "nove").[2] Nem as observações de Stephens, nem as de Sassetti, no entanto, levaram a maiores estudos acadêmicos.[2]

Em 1647 o linguista e acadêmico holandês Marcus Zuerius van Boxhorn notou a semelhança entre as línguas indo-europeias, e sugeriu a existência de um idioma primitivo comum, que ele chamou de "cita". Van Boxhorn incluiu em sua hipótese o holandês, o grego, o latim, o persa e o alemão, adicionando posteriormente as línguas eslavas, celtas e bálticas. Suas teorias, no entanto, não se tornaram difundidas e tampouco estimularam novos estudos.

Gaston Coeurdoux e outros estudiosos fizeram observações semelhantes. Coeurdoux chegou a fazer uma comparação minuciosa das conjugações do sânscrito, grego e latim, no fim da década de 1760, sugerindo uma possível relação entre eles. A hipótese ressurgiu em 1786, quando sir William Jones deu sua primeira palestra a respeito das semelhanças entre quatro das línguas mais antigas conhecidas na sua época: o latim, o grego, o sânscrito e o persa. Foi Thomas Young quem usou pela primeira vez o termo indo-europeu, em 1813,[3] que se tornou o termo científico padrão (exceto na Alemanha[4] ) através da obra de Franz Bopp, cuja comparação sistemática destas e de outras línguas antigas deu suporte à teoria. A Gramática Comparativa de Bopp, que surgiu entre 1833 e 1852, é considerada como o ponto de partida para os estudos indo-europeus como uma disciplina acadêmica.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Família linguística indo-europeia.

Os diversos subgrupos da família linguística indo-europeia incluem dez subdivisões principais (listados por ordem histórica de sua primeira evidência escrita):

  1. Línguas anatólicas: primeiro ramo atestado. Termos isolados em fontes escritas em assírio antigo do século XIX a.C., textos hititas do século XVI a.C.; extintas na Antiguidade Tardia.
  2. Línguas helênicas: registros fragmentários no grego micênico do fim do século XV a.C. até o início do seguinte; as tradições homéricas (grego homérico) datam do século VIII a.C. (ver língua protogrega, história da língua grega).
  3. Línguas indo-iranianas: descendentes de um ancestral comum, o proto-indo-iraniano (que data do fim do terceiro milênio a.C.).
  4. Línguas itálicas: incluindo o latim e seus descendentes (línguas românicas ou latinas), atestadas desde o século VII a.C..
  5. Línguas celtas, descendentes do protocelta. Inscrições gaulesas chegam a remontar ao século VI a.C.; a tradição de manuscritos do irlandês antigo data do século VIII d.C..
  6. Línguas germânicas (do protogermânico: seus testemunhos mais antigos são inscrições rúnicas de por volta do século II d.C., e os primeiros textos, feitos no gótico, do século IV. A tradição de manuscritos do inglês antigo data do século VIII.
  7. Língua armênia: escritos no alfabeto armênio existem desde o início do século V.
  8. Línguas tocarianas: existem em dois dialetos, evidenciados desde o século VI ao IX; foram marginalizados pelo Império Uigur, onde se falava o turcomano antigo, e provavelmente se extinguiram no século X.
  9. Línguas balto-eslavas: tidas pela maior parte dos indo-europeístas[5] como formando uma unidade filogenética - enquanto uma minoria ainda credita estas semelhanças a um contato linguístico prolongado.
  10. albanês, evidenciado a partir do século XV; o proto-albanês provavelmente surgiu de antecessores "paleobalcânicos".[6] [7]

Além dos dez ramos 'clássicos' listados acima, diversos idiomas já extintos e menos conhecidos pertencentes ao grupo existiram:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. É composto por 449 línguas e dialectos, de acordo com a estimativa de 2005 do Ethnologue, dos quais cerca da metade (219) pertence ao ramo indo-ariano.
  2. a b c Auroux, Sylvain. History of the Language Sciences. Berlin, New York: Walter de Gruyter, 2000. 1156 p. ISBN 3110167352
  3. London Quarterly Review X/2 1813.; cf. Szemerényi 1999:12, nota 6
  4. em alemão o termo usado é indogermanisch ("indo-germânico"), que indica a extensão ocidental-oriental do idioma. Este termo foi registrado pela primeira vez em francês como indo-germanique, em 1810, por Conrad Malte-Brun, um geógrafo francês de origem dinamarquesa.
  5. Como Schleicher 1861, Szemerényi 1957, Collinge 1985 e Beekes 1995
  6. Leake, William Martin. Of the Albanian Language, Londres, 1814.
  7. The Thracian language. The Linguist List. Página visitada em 27-1-2008. "An ancient language of Southern Balkans, belonging to the Satem group of Indo-European. This language is the most likely ancestor of modern Albanian (which is also a Satem language), though the evidence is scanty. 1st Millennium BC - 500 AD. ("Antiga língua dos Bálcãs meridionais, pertencente ao grupo satem do indo-europeu. Esta língua é o provável antepassado do albanês moderno (que também é uma língua satem), embora a evidência para isto seja mínima. Primeiro milênio a.C. - 500 d.C.")."

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Auroux, Sylvain, History of the Language Sciences, Walter de Gruyter, Berlim, 2000 ISBN 3-11-016735-2.
  • Kortlandt, Frederik, 1990, The Spread of the Indo-Europeans, Journal of Indo-European Studies, 18.1-2: 131-140
  • Lubotsky, A., The Old Phrygian Areyastis-inscription, Kadmos 27, 9-26, 1988
  • Kortlandt, Frederik, The Thraco-Armenian consonant shift, Linguistique Balkanique 31, 71-74, 1988
  • Lane, George S., Adams, Douglas Q., The Tocharian problem, Encyclopaedia Britannica, vol. 22, Helen Hemingway Benton Publisher, Chicago, (15ª ed.) 1981
  • Renfrew, C., "The Anatolian origins of Proto-Indo-European and the autochthony of the Hittites". In R. Drews ed., Greater Anatolia and the Indo-Hittite language family, Institute for the Study of Man, Washington, DC, 2001
  • Houwink ten Cate, H.J., Melchert, H. Craig e van den Hout, Theo P.J. "Indo-European languages, The parent language, Laryngeal theory", Encyclopaedia Britannica, vol.22, Helen Hemingway Benton Publisher, Chicago, (15th ed.) 1981
  • Holm, Hans J., The Distribution of Data in Word Lists and its Impact on the Subgrouping of Languages, in Christine Preisach, Hans Burkhardt, Lars Schmidt-Thieme, Reinhold Decker (eds.), Data Analysis, Machine Learning, and Applications, Relatório da 31ª Conferência Anual da Sociedade Alemã de Classificação (GfKl), Universidade de Freiburgo, 7-9 de março de 2007, Springer-Verlag, Heidelberg-Berlim, 2008
  • Szemerényi, Oswald; David Jones, Irene Jones. Introduction to Indo-European Linguistics. [S.l.]: Oxford University Press, 1999. ISBN 9780198238706

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bancos de dados[editar | editar código-fonte]

Léxicos[editar | editar código-fonte]

Imagens[editar | editar código-fonte]