Lúcio Cornélio Cipião Barbado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O sarcófago de Lúcio Cornélio Cipião Barbado, Museu Pio-Clementio do Vaticano, Vestibulo Quadrato (Sala 13) - Pormenor.

Lúcio Cornélio Cipião Barbado (em latim: Lucius Cornelius Cn.f. Scipio Barbatus;[1]  ? — ca. 280 a.C.), membro da família patrícia dos Cipiões, pai de Lúcio Cornélio Cipião, cônsul em 259 a.C.,[1] e de Cneu Cornélio Cipião Asina, cônsul em 260 a.C. e 254 a.C..[1]

Foi cônsul em 298 a.C., com Cneu Fúlvio Máximo Centumalo, levada a cabo a guerra contra os Etruscos, os quais derrotou perto de Volaterrae. No ano seguinte, 297 a.C., desempenhou-se como legado do cônsul Quinto Fábio Máximo, na Terceira Guerra Samnita.[2]

Em 295 a.C. serviu novamente sob as ordens dos cônsules Fábio Máximo e Décio Mus, com o título de propretor, na grande campanha desse ano que levaram os romanos contra os Gauleses, os Etruscos e os Samnitas.

Em 293 a.C. voltou a lutar, sob Lúcio Papírio Cursor, na campanha que terminaria a guerra contra os Samnitas.[3]

O epitáfio da sua tumba não diz nada da sua vitória na Etrúria, mas menciona as suas conquistas no Sâmnio e na Apúlia. Barthold Georg Niebuhr supõe que as suas conquistas no Sâmnio e na Apúlia foram em 297 a.C., quando foi o legado de Fábio Máximo.[4]

O sarcófago que contém o seu corpo, atualmente nos Museus Vaticanos, preserva o seu epitáfio, uma inscrição em latim antigo, em métrica saturnina. A inscrição reza assim:

Cquote1.svg CORNELIVS·LVCIVS·SCIPIO·BARBATVS·GNAIVOD·PATRE

PROGNATVS·FORTIS·VIR·SAPIENSQVE—QVOIVS·FORMA·VIRTVTEI·PARISVMA

FVIT—CONSOL CENSOR·AIDILIS·QVEI·FVIT·APVD·VOS—TAVRASIA·CISAVNA

SAMNIO·CEPIT—SVBIGIT·OMNE·LOVCANA·OPSIDESQVE·ABDOVCIT

Cquote2.svg

"Cornélio Lúcio Cipião Barbado, nasceu de Cneu, seu pai, como homem forte e sábio, cuja aparência guardava as suas muitas virtudes, quem foi cônsul, censor e edil entre vós - Conquistou Taurásia, Cisauna, Sâmnio - subjugou toda a Lucânia e libertou os seus prisioneiros".

Foi censor patrício em 280 a.C., junto de Cn. Domitius Cn.f. Cn.n. Calvinus Maximus.[1] O seu mandato é o primeiro do qual se guarda um registro fiável.

Referências

  1. a b c d Fasti Capitolini [em linha]
  2. comp. Frontino ii. 4. § 2
  3. Tito Lívio x. 11, 12,14, 25, 26, 40, 41
  4. Niebuhr, Hist. de Roma, vol. III. pp. 363-366, 378

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por:
Marco Fúlvio Petino e Marco Valério Corvo
Cônsul da República Romana
com Cneu Fúlvio Máximo Centumalo

298 a.C.
Sucedido por:
Fábio Máximo Ruliano e Públio Décio Mus