Lúthien Tinúviel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lúthien Tinúviel
Personagem da Terra Média
Raça élfica / maiar
Divisão Sindar
Data de Nascimento Desconhecida
Data de Falecimento Desconhecida
Personagems Criados por J.R.R. Tolkien


Lúthien Tinúviel, é uma das mais importantes personagens para a mitologia do universo de fantasia criado pelo escritor britânico J. R. R. Tolkien. Nasceu da fusão entre as raças élfica e maia, uma vez que seu pai é o elfo Elu Thingol e sua mãe é Melian, uma maia. Foi da sua união com o humano Beren, que deu origem a toda raça dos meio-elfos da Terra Média. Aparece na obra O Silmarillion, e é brevemente citada em passagens de O Senhor dos Anéis.

História[editar | editar código-fonte]

Túmulo de J.R.R.Tolkien e Edith Bratt.

Lúthien nasceu da união entre Thingol, um elfo da classe Sindarin, e de Melian, uma Maia. Diz-se que era a mais bela de todos os Filhos de Eru, e era a Princesa de Doriath. Certa vez, enquanto dançava e cantava nos bosques de Doriath, encontrou Beren, um humano que lá vagava depois de ter enfrentado duras provações. Ele então ficou estático, e ela fugiu dele, mas voltou. E ele então chamou-a de Tinúviel, que significa Rouxinol, pela beleza de seu canto. O pai dela, Thingol, não gostou nada do relacionamento dos dois, inclusive ofendendo Beren. Ele então ofereceu uma condição para que Beren conseguisse a mão de sua filha. Ele deveria resgatar uma Silmaril da coroa de Morgoth, o Senhor do Escuro, do qual Sauron, aquele que aterrorizou a Terceira Era, era apenas um servo. Essa tarefa era quase impossível, mas ele partiu assim mesmo.

Lúthien foi decisiva nessa missão, e o ápice de sua coragem se deu quando ela chegou aos portões de Angband, onde pôs para dormir o lobo Carcharoth, e o casal chegou diante do trono de Morgoth. Lá, Lúthien cantou para Morgoth, e ele dormiu, sonhando com a escuridão de antes do mundo. E então Beren conseguiu resgatar uma Silmaril de sua coroa. Quando chegaram aos portões de Angband, foram surpreendidos por Carcharoth, que acabou por abocanhar a mão de Beren, que segurava a silmaril. Ali mesmo, Lúthien salva Beren da ferida venenosa de Carcharoth, e os dois conseguem escapar e voltar para Doriath, porém sem a silmaril. Após a volta deles, é organizado em Doriath uma caçada a Carcharoth, que estava enloquecido, pois em suas entranhas queimava o silmaril. Durante a caçada, Beren acaba sendo ferido mortalmente pelo lobo, e Huan e Carcharoth travam um combate, no qual Huan acaba matando o lobo e sai ferido. E ali mesmo, nas florestas de Doriath, Huan e Beren acabam perecendo. Lúthien então pediu que Beren a esperasse nos Palácios de Mandos, onde aguardam os espíritos dos mortos para serem julgados. Lúthien então morreu e passou para os Palácios de Mandos, mas não parou nos locais designados aos Elfos, e foi diretamente a Mandos, o Juiz dos Mortos. Lá ela cantou uma canção, "a mais bela canção jamais criada em palavras e a mais triste que o mundo um dia ouvira", e nela ela colocou todo o sofrimento dos elfos e o pesar dos homens, das duas famílias criadas por Iluvatar para habitar em Arda. Como é dito em O Silmarillion, "Luthien ainda ajoelhada diante de Mandos, chorou e suas lágrimas caíram sobre seus pés como chuva sobre as pedras. E Mandos se comoveu, ele, que nunca se comovera desse modo até então, nem depois." Mandos então consultou Manwë, rei dos Valar e de Arda, e ele deu duas opções para Lúthien: ou ela retornava à vida imortal para viver só em Aman, ou ela voltava à Terra-média como mortal, junto com Beren, e foi essa a opção que ela escolheu. Lúthien e Beren passaram a viver na Terra-média uma vida reclusa, evitando qualquer contato com homens,elfos ou anões. Tiveram um filho, chamado de Dior Eluchíl.

Significado Externo[editar | editar código-fonte]

A Gesta de Beren e Lúthien foi inspirada na vida do próprio J.R.R.Tolkien e sua esposa Edith Bratt, a única mulher a quem ele amou na vida. Segundo consta no livro Letters, que é uma coletânea das cartas que Tolkien escreveu, ele diz que certa vez Edith dançou e cantou para ele. À época da morte de Edith, numa carta a seu filho, ele escreveu que [...]o cabelo dela era preto e sedoso, a pele clara, os olhos mais brilhantes do que os que vocês viram, e sabia cantar… e dançar. Mas a história estragou-se, e eu fiquei para trás, e não posso suplicar perante o inexorável Mandos.[...].

No túmulo de John e de sua esposa Edith está escrito, sob os nomes dos falecidos, os nomes Beren e Lúthien. Foi o próprio Tolkien quem escolheu o epitáfio: É breve e simples [o epitáfio], a não ser por Lúthien, que tem para mim mais significado do que uma imensidão de palavras, pois ela era (e sabia que era) a minha Lúthien [...] Nunca chamei Edith de Lúthien, mas foi ela a fonte da história que, a seu tempo, se tornou parte de O Silmarillion.

Ver também[editar | editar código-fonte]