La donna è mobile

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde abril de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

"La donna è mobile" (A mulher é voluvel) é uma aria do terceiro ato da ópera Rigoletto criada por Giuseppe Verdi. A primeira performance dessa aria foi feita em 1951 pelo tenor Raffaele Mirate. Muitos tenores famosos já a interpretaram, como Luciano Pavarotti, Juan Diego Flórez, Alfredo Kraus, José Carreras, Plácido Domingo, Jussi Björling, entre muitos outros. Também já foi gravada uma versão feita pelo sopranista Vitas.


Libreto[editar | editar código-fonte]

Original Italiana
Tradução para o português

La donna è mobile.
Qual piuma al vento,
muta d'accento e di pensiero.
Sempre un amabile,
leggiadro viso,
in pianto o in riso, è menzognero.

Refrão
La donna è mobil'.
Qual piuma al vento,
muta d'accento e di pensier!
e di pensier'!
e di pensier'!

È sempre misero
chi a lei s'affida,
chi le confida mal cauto il cuore!
Pur mai non sentesi
felice appieno
chi su quel seno non liba amore!

Refrão
La donna è mobil'
Qual piuma al vento,
muta d'accento e di pensier!
e di pensier'!
e di pensier'!

A mulher é volúvel.
Como pluma ao vento,
muda de ênfase e de pensamento.
Sempre um amável,
gracioso rosto,
em pranto ou em riso, é mentiroso.

Refrão
A mulher é volúvel.
Como pluma ao vento,
muda de ênfase e de pensamento!
e de pensamento!
e de pensamento!

É sempre um infeliz
quem a ela se entrega,
quem lhe confia incautamente o coração!
No entanto, nunca sente-se
feliz em pleno
quem naquele seio não saboreia amor!

Refrão
A mulher é volúvel
Como pluma ao vento,
muda de ênfase e de pensamento!
e de pensamento!
e de pensamento!