La pietra del paragone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Óperas de Gioacchino Rossini
Rossini-portrait-0.jpg

La cambiale di matrimonio (1810)
L'equivoco stravagante (1811)
Demetrio e Polibio (1812)
L'inganno felice (1812)
Ciro in Babilonia (1812)
La scala di seta (1812)
La pietra del paragone (1812)
L'occasione fa il ladro (1812)
Il signor Bruschino (1813)
Tancredi (1813)
L'italiana in Algeri (1813)
Aureliano in Palmira (1813)
Il turco in Italia (1814)
Sigismondo (1814)
Elisabetta, regina d'Inghilterra (1815)
Torvaldo e Dorliska (1815)
Il barbiere di Siviglia (1816)
La Gazzetta (1816)
Otello (1816)
La Cenerentola (1817)
La gazza ladra (1817)
Armida (1817)
Adelaide di Borgogna (1817)
Mosè in Egitto (1818)
Adina (1818)
Ricciardo e Zoraide (1818)
Ermione (1819)
Eduardo e Cristina (1819)
La donna del lago (1819)
Bianca e Falliero (1819)
Maometto secondo (1820)
Matilde di Shabran (1821)
Zelmira (1822)
Semiramide (1823)
Il viaggio a Reims (1825)
Le siège de Corinthe (1826)
Moïse et Pharaon (1827)
Le comte Ory (1828)
Guillaume Tell (1829)

La pietra del paragone ("A pedra do paragão", em italiano) é um melodrama jocoso em dois atos, com o libreto em italiano de Luigi Romanelli e música de Gioachino Rossini. A ópera estreou no Teatro alla Scala de Milão em 26 de setembro de 1812.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Três mulheres querem se casar com o conde Asdrúbral, mas só a marquesa Clarice amo realmente, as outras só querem o seu dinheiro. Farto do assédio das três donzelas e de um jornalista corrupto, de um escritor ridículo e de um jovem poeta, o conde decide montar uma farsa: finge que toda a sua fortuna acabou.

Todos o abandonam, menos a apaixonada marquesa Clarice e o jovem poeta Giocondo.

Mas a marquesa decide não precisa ser amada pelo conde, mas Giocondo consegue reconciliá-los.