Lago Karachai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lago Karachai
Localização
Localização Montes Urais
País  Rússia
Características
Área * 0,5 km²
* Os valores do perímetro, área e volume podem ser imprecisos devido às estimativas envolvidas, podendo não estar normalizadas.

Lago Karachai (em russo: Карача́й), por vezes escrito como Karachay, é um pequeno lago situado no sul dos Montes Urais, no oeste da Rússia.

História[editar | editar código-fonte]

A partir de 1951, a União Soviética passou a utilizar o lago como repositório de resíduos radioativos da Mayak, uma instalação vizinha de reprocessamento e armazenagem de lixo tóxico situada próxima à cidade de Oziorsk (então chamada de Cheliabinsk-40).[1]

A partir da década de 1960, o lago começou a secar; sua área diminuiu de 0.5 km² em 1951 para 0.15 km² no final de 1966.[2] Em 1968, após um período de estiagem na região, o vento dispersou a poeira radioativa da área seca do Karachai, contaminando meio milhão de pessoas com 185 petabequereis (5 MCi) de radiação.[3]

Entre 1978 e 1986, o lago foi preenchido com mais de 10,000 blocos de concreto oco para evitar o deslocamento de sedimentos.[4]

Estado atual[editar | editar código-fonte]

De acordo com as organizações Worldwatch Institute e Natural Resources Defense Council, o lago Karachai é o local mais poluído da Terra, não sendo no entanto tal afirmação aceito pela maioria da comunidade cientifica.[5] [6] [7] O lago acumulou em torno de 4.44 exabequereis (EBq) de radioatividade,[3] sendo 3.6 EBq de Césio-137 e 0.74 EBq de Estrôncio-90.[1] Em termos comparativos, o desastre de Chernobyl dispersou entre 5 e 12 EBq de radioatividade, que, ao contrário do lago, não ficou concentrada em um só local.

Em 1990, o nível de radiação na margem do Karachai era de 600 röntgens por hora, o suficiente para envenenar mortalmente um ser humano em apenas uma hora.[8] [9]

Referências

  1. a b "Lake Karachay". KOSE VALD
  2. "Russia's Plutonium" (versão arquivada do original em 2006 pela Internet Wayback Machine)
  3. a b "Chelyabinsk-65". GlobalSecurity.org
  4. "Cold War, Hot Nukes: Legacy of an Era". Enviromental Health Perspectives
  5. Lenssen, "Nuclear Waste: The Problem that Won't Go Away", Worldwatch Institute, Washington, D.C., 1991: 15
  6. "High Radiation Doses Seen for Soviet Arms Workers". The New York Times, 16 de agosto de 1990
  7. "From here to Chebialinski". Mother Jones Magazine, jan.-fev. 1992. Vol. 17, Nº 1. ISSN 0362-8841
  8. "NRDC (Nuclear Program Staff Publication) nuc_01009302a_112b.pdf"
  9. "Soviet Weapons Plant Pollution". WISE

Ligações externas[editar | editar código-fonte]