Parque Nacional da Lagoa do Peixe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Lagoa do Peixe)
Ir para: navegação, pesquisa
Parque Nacional da Lagoa do Peixe
Categoria II da IUCN (Parque Nacional)
Interior do parque, em Mostardas
Localização Rio Grande do Sul, Brasil.
Dados
Área 36 722 ha[1]
Criação 06 de novembro de 1986[1]
Gestão ICMBio[1]
Sítio oficial PARNA da Lagoa do Peixe
Coordenadas 31° 19' S 51° 1' O
Parque Nacional da Lagoa do Peixe está localizado em: Brasil
Parque Nacional da Lagoa do Peixe
Nome oficial: Parque Nacional da Lagoa do Peixe
Tipo: Zona húmida costeira
Critérios: 5
Designação: 24 de Maio de 1993
Referência: 603
País: Brasil Brasil
Subregião: América do Sul
Andorinha Polar fotografada no Parque Nacional da Lagoa do Peixe em Agosto de 2003.


O Parque Nacional da Lagoa do Peixe está localizado no litoral sul do estado do RS, abrangendo os municípios de Tavares (80%), Mostardas (17%) e São José do Norte (3%). A unidade foi criada através Decreto nº 93.546, emitido em 06 de novembro de 1986 (28 anos). Com uma área de 36 722 ha e perímetro de 138,84 km (cálculo cartográfico). Atualmente é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O acesso pelo norte é feito a partir de Porto Alegre, através da RS-040 até Capivari (90 km - estrada asfaltada); de Capivari do Sul, pela RST-101 até Mostardas (120 km - estrada asfaltada), onde se localiza a sede administrativa do Parque, na Praça Prefeito Luiz Martins, nº 30. Daí aos limites da unidade são mais 25 km. As cidades mais próximas do PARNA são Tavares e Mostardas, que distam da capital do estado, Porto Alegre, 230 e 200 km, respectivamente.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é subtropical úmido, apresentando temperatura média de 16,5°C e precipitações médias anuais de 1.186 mm.

Fauna e flora[editar | editar código-fonte]

A Lagoa do Peixe - tecnicamente uma laguna, pois tem um canal de comunicação com o mar durante a maior parte do ano - é abrigo para grandes concentrações de aves migratórias do Hemisfério Norte (no verão) e Sul (no inverno), dentre elas capororocas (Coscoroba coscoroba), flamingos (Phoenicopterus ruber), biguás, maçaricos-de-peito-vermelho, gaivotas, talhamares, pirus-pirus, trinta-réis, maçaricos e o cisne-de-pescoço-preto (Cygnus melanocoryphusos).

Dentre os mamíferos podem ser avistados graxains, tatus, pequenos roedores e, entre os meses de julho e outubro, a baleia franca migrando para Santa Catarina.

Trazidos pelas correntes marinhas não é raro se encontrar nas areias da praia tartarugas marinhas, pinguins e mesmo lobos-marinhos, confome a época do ano. A Mata de Restinga, os banhados e as dunas completam as atrações da unidade.

Atrações[editar | editar código-fonte]

O Parque não dispõe de infra-estrutura de visitação e é proibido acampar em sua área. Muito interessante é o passeio pela orla do mar ou da Lagoa dos Patos, nas proximidades do parque, onde podem ser encontrados vestígios de diversos naufrágios e faróis que registram o grande perigo para os navegantes nesta parte do Rio Grande do Sul. Dentre eles destacam-se o Farol de Mostardas e o Farol da Solidão na orla do Atlântico, e o Farol Cristóvão Pereira e o Farol Capão da Marca, às margens da Lagoa dos Patos.

Lagoa do Peixe[editar | editar código-fonte]

A Lagoa do Peixe está situada no litoral sul do estado do Rio Grande do Sul, no istmo formado pela Lagoa dos Patos e o Oceano Atlântico, no território do município de Tavares, com seus extremos em 31º26' S, 51º10' W e 31º14'S, 50º54'W. Tecnicamente uma laguna, – pois tem um canal de comunicação com o mar durante a maior parte do ano – o espelho d'água de 35 km de extensão é ponto de encontro e verdadeiro "restaurante" para grandes concentrações de aves migratórias do hemisfério Norte (no verão) e Sul (no inverno), dentre elas as capororocas (Coscoroba coscoroba), os flamingos (Phoenicopterus ruber), os biguás, os maçaricos-de-peito-vermelho, as gaivotas, os talha-mares, os pirus-pirus, os trinta-réis, os maçaricos e o cisne-de-pescoço-preto (Cygnus melanocoryphus). Dentre os mamíferos podem ser avistados graxains, tatus e pequenos roedores.

Não só as aves se alimentam dos frutos da lagoa, também os pescadores da região praticam a pesca do camarão-rosa (Farfantepenaeus paulensis), na época da safra, com licenças de pesca concedidas pelo IBAMA.

Referências

  1. a b c PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE Cadastro Nacional de Unidades de Conservação - Relatório Completo (13 de abril de 2012). Visitado em 13 de abril de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.