Laika

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Laika
Nome de nascimento Лайка
Raça Husky Siberiano, Laika
Sexo Feminino
Nascimento 1954
Moscou, União Soviética
Morte 3 de novembro de 1957 (3 anos)
Nacionalidade Soviética
Ocupação Cosmonauta
Período de atividade 3 de outubro de 1957 - 3 de novembro de 1957
Conhecido por Ser o primeiro ser vivo a orbitar a Terra
Treinador União Soviética
Proprietário Yuri Gagarin nascido em 1934 e morto em 1968 aos 34 anos

Laika (em russo Лайка, 19541957) foi uma cadela russa que se tornou conhecida por ser o primeiro ser vivo terrestre a orbitar o planeta Terra. Ela foi lançada ao espaço a bordo da nave soviética Sputnik 2, em 3 de novembro de 1957, um mês depois do lançamento do satélite Sputnik 1, o primeiro objeto artificial a entrar em órbita. Laika é o nome russo para várias raças de cães similares ao husky, oriundas da Sibéria. A sua raça verdadeira é desconhecida, mas considera-se que ela teria sido um cruzamento entre um husky ou outra raça nórdica com um terrier da raça Laika.[1]

Laika morreu entre cinco e sete horas depois do lançamento, bem antes do planejado. A causa de sua morte, que só foi revelada décadas depois do voo,[2] foi, provavelmente, uma combinação de estresse sofrido e o superaquecimento, talvez ocasionado por uma falha no sistema de controle térmico da nave. Apesar do acidente, essa experiência demonstrou ser possível para um animal suportar as condições de microgravidade, abrindo caminho assim para participação humana em voos espaciais.

O Sputnik 2[editar | editar código-fonte]

Após o êxito do Sputnik 1, o líder soviético Nikita Khrushchev solicitou o lançamento de um segundo satélite artificial ao espaço para o dia do quadragésimo aniversário da revolução russa, em 7 de novembro de 1957. Nessa época, os russos já construíam um satélite mais sofisticado que, porém, só estaria pronto após um mês da data requerida. Esse satélite, que foi descartado nessa missão, acabou sendo o Sputnik 3.[3]

Foi necessário, então, construir outro satélite mais simples para poder cumprir a data limite de novembro. A decisão de lançar o satélite foi tomada entre 10 e 12 de outubro, e a equipe de construção tinha apenas quatro semanas para construir o novo artefato.[4] A apressada construção do Sputnik 2 foi complicada em razão da pretensão de levar um animal vivo em seu interior.[5]

A nave estava equipada com instrumentos para medir a radiação solar e os raios cósmicos, um sistema de geração de oxigênio acompanhado de sistemas para absorver dióxido de carbono, e outro para evitar o envenenamento por oxigênio, também conhecido como o efeito Paul Bert. Se instalou um ventilador que operava quando a temperatura da nave superava os 15 °C, para manter a temperatura do animal. Além disso, o satélite foi provido com comida suficiente para um voo de sete dias. A comida estava em forma de gelatina.

Também foi feito um traje espacial para Laika. O animal foi equipado com uma bolsa para armazenar seus dejetos, e com uma cadeirinha que limitava seus movimentos ao sentar-se, pôr-se de pé ou encostar-se, já que na cabina não havia espaço para dar voltas. A freqüência cardíaca de Laika podia ser monitorada na base espacial, e outros instrumentos mediam seu ritmo respiratório, pressão arterial e seus movimentos básicos.[6] [7]

A passageira[editar | editar código-fonte]

Laika era uma cadela que vivia solta nas ruas de Moscou,[8] pesava aproximadamente seis quilos e tinha três anos de idade quando foi capturada para o programa espacial soviético. Originalmente a chamaram Kudryavka (crespinha), depois Zhuchka (bichinho), e logo Limonchik (limãozinho), para finalmente chamá-la de Laika. Os cães capturados eram mantidos num centro de investigação nesta cidade, e três deles foram avaliados e treinados para as demandas da missão: Laika, Albina e Mushka.[9]

Treinamento[editar | editar código-fonte]

Antes do lançamento do Sputnik 2, tanto a União Soviética como os Estados Unidos já haviam lançado animais vivos em voos suborbitais.[10] Esta missão exigia uma atenção especial ao treinamento dos cães, já que a duração do voo exigia dos animais uma adaptação em permanecer em espaços confinados por um período maior.

Albina foi lançada duas vezes em um foguete para provar sua resistência nas grandes alturas, e Mushka foi utilizada para o teste da instrumentação e dos equipamentos de suporte vital. Laika foi selecionada para participar da missão orbital, e Albina como a principal substituta.

Seu treinamento estava a cargo do cientista Oleg Gazenko.[11] O treinamento consistia em acostumar os cães ao ambiente que encontrariam na viagem, como o espaço reduzido da cápsula, os ruídos, vibrações e acelerações. Como parte do treinamento, a aceleração das decolagens era simulada através da força centrífuga imposta na cápsula onde os animais se introduziam. Durante estas atividades, seu pulso chegava a duplicar e sua pressão sanguínea aumentava em 30–65 torr. O mesmo processo geral seria utilizado mais tarde no treinamento dos cosmonautas soviéticos.

A adaptação dos animais ao confinado espaço do Sputnik 2 exigiu que permanecessem em compartimentos cada vez menores por até vinte dias. O confinamento forçado provocou distúrbios nas funções excretoras dos animais, incrementando sua agitação e deteriorando sua condição física geral.

Missão[editar | editar código-fonte]

Modelo do Sputnik 2, a nave espacial de Laika.

Em 31 de outubro de 1957, três dias antes do lançamento, Laika foi colocada no Sputnik 2, no cosmódromo de Baikonur, no atual Cazaquistão. Dado que as temperaturas no local de lançamento eram extremamente baixas, a cápsula requereu conservação térmica, através de um aquecedor externo e de uma mangueira. Dois assistentes estavam encarregados de vigiar Laika constantemente antes do começo da missão. Bem antes do lançamento, em 3 de novembro de 1957, a pelagem da Laika foi limpa com uma solução de etanol, e pintaram-na com iodo nas áreas onde ela levaria sensores para vigiar suas funções corporais.[12]

O Sputnik 2 foi lançado em 3 de novembro de 1957. Os sinais vitais da Laika eram seguidos telemetricamente por controle em terra. Ao alcançar a máxima aceleração depois da decolagem, o ritmo respiratório do animal aumentou de três a quatro vezes em relação ao normal, e sua freqüência cardíaca passou de 103 a 240 batimentos por minuto. Ao alcançar a órbita, a ponta cônica do Sputnik 2 desprendeu-se com sucesso. A outra seção da nave que deveria desprender-se (o "Blok A") não o fez, impedindo que o sistema do controle térmico funcionasse corretamente. Parte do isolamento térmico desprendeu-se, permitindo que a cápsula alcançasse uma temperatura interior de 40 °C.[13] Após três horas de micro-gravidade, o pulso de Laika havia descido a 102 batimentos por minuto;[14] esta descida na frequência cardíaca havia tomado três vezes mais tempo que o experimentado durante o treinamento, o que indicava o alto estresse em que estava a cadela. Os dados telemétricos iniciais mostravam que, ainda que Laika estivesse agitada, estava comendo. A recepção de dados vitais parou entre cinco e sete horas depois da decolagem.

No entanto, a informação que Moscou deu a conhecer dizia que o animal se comportava em calma em seu voo espacial, e que em poucos dias Laika desceria à Terra, primeiro em sua cápsula espacial, e logo em para-quedas. Todo mundo acreditava que o animal levava alimento suficiente e sua condição era estável, pelo que muitas pessoas estiveram esperando o regresso de Laika. Algumas pessoas aproveitaram para fazer brincadeiras: durante várias horas, a população de Santiago do Chile esteve convencida de que Laika havia caído na cidade. Os habitantes da zona suburbana viram descer um cão de para-quedas, e eles se convenceram naquele momento de que se tratava de Laika. Quando o animal chegou em terra, se comprovou que na realidade se tratava de um cão macho, e a montagem não era mais que uma brincadeira para aproveitar-se da neurose coletiva das "cadelas voadoras".[15]

O Sputnik 2 não estava preparado para regressar à Terra de forma segura, pelo que já se sabia que Laika não sobreviveria à viagem. Os cientistas soviéticos planejaram dar-lhe comida envenenada, que Laika consumiria depois de dez dias. No entanto, isso não ocorreu como planejado. Durante anos, a União Soviética deu explicações contraditórias sobre a morte de Laika, dizendo às vezes que a cadela havia morrido por asfixia quando as baterias falharam, ou que haviam feito eutanásia conforme os planos originais. Em 1999 fontes russas asseguraram que Laika sobreviveu pelo menos quatro dias, e depois pereceu por causa do superaquecimento da nave. Em outubro de 2002, o cientista Dimitri Malashenkov, que participou no lançamento do Sputnik 2, revelou que Laika havia morrido entre cinco e sete horas depois da decolagem, devido ao estresse e superaquecimento. Ele declarou, num artigo que apresentou no Congresso Mundial do Espaço em Houston: "Foi praticamente impossível criar um controle de temperatura confiável em tão pouco tempo".[16] O Sputnik 2 finalmente explodiu (junto com os restos de Laika) ao entrar em contato com a atmosfera, em 14 de abril de 1958, após 163 dias e 2570 órbitas em volta da Terra.[17]

Legado[editar | editar código-fonte]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Depois de Laika, nenhuma outra missão tripulada por cães foi lançada sem que existisse um sistema para o retorno seguro do animal. No que diz respeito a temas de exploração espacial, o tema da corrida espacial entre os Estados Unidos e a União Soviética dominou a opinião pública durante muitos anos; temas como a exploração de animais não foram debatidos intensamente em seu momento. A imprensa de 1957 estava mais preocupada em informar o impacto do ponto de vista político, e a saúde e recuperação (ou a perda) de Laika eram temas muito pouco mencionados. Não foi senão muito mais tarde quando se originaram discussões sobre o destino final do animal.

A deliberada morte de Laika desencadeou um debate mundial sobre o maltrato aos animais e os avanços científicos à custa de testes com animais. Embora vários animais já houvessem morrido em missões dos Estados Unidos nos nove anos anteriores ao Sputnik 2, Laika foi o primeiro animal enviado ao espaço sem esperanças de ser recuperado.[18] No Reino Unido, a Liga Nacional de Defesa Canina (NCDL, atualmente Fundação para os Cães) pediu para os donos de cães guardarem um minuto de silêncio em honra a Laika. Vários grupos protetores dos direitos animais protestaram em frente das embaixadas soviéticas.[19] No entanto, alguns cientistas estadunidenses ofereceram apoio a seus colegas soviéticos, pelo menos antes da morte de Laika.[20] Igor Ushakov, chefe da administração médico-militar do Ministério da Defesa russo, afirmou que "O voo de Laika permitiu mostrar a possibilidade de que um animal altamente organizado pode sobreviver em condições de falta de gravidade, e obter informação sobre o estado de seu organismo durante o voo orbital". Dentro da União Soviética houve menos controvérsia sobre o acidente, que não foi abertamente questionado nos meios de comunicação. Somente em 1988, após o colapso do regime soviético, que Oleg Gazenko, um dos cientistas responsáveis por mandar Laika ao espaço, expressou remorso por permitir a morte dela: "Quanto mais tempo passa, mais lamento o sucedido. Não deveríamos ter feito isso.... nem sequer aprendemos o suficiente desta missão, para justificar a perda do animal".[21]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Selo postal da Romênia mostrando Laika.

A viagem da Laika transformou-a em um dos cães mais famosos do mundo. Em 1997, na Cidade das Estrelas, foi inaugurada uma placa em homenagem aos cosmonautas mortos. Laika está representada em um canto da placa, espiando por entre as pernas de um dos cosmonautas.[17] Seu baixo-relevo está no Monumento aos Conquistadores do Espaço (1964), em Moscou, onde Laika e Lenin são os únicos personagens que se pode reconhecer por seu nome, entre todos os personagens que aparecem esculpidos no monumento, embora se pense que Yuri Gagarin e Sergei Korolev possam ser identificados, não por suas efígies, mas sim pelo contexto do relevo. Em vários países criaram-se selos de correio com a imagem da cadela Laika, comemorando seu voo. Marcas de chocolates e cigarros foram nomeadas em sua memória, e uma grande coleção de souvenirs de Laika ainda aparece em leilões atualmente.[22]

Objetivo em Marte chamado Laika pela NASA, durante a missão da Mars Exploration Rover.

Em 9 de março de 2005, um pedaço de terreno no planeta Marte foi chamado Laika, embora não oficialmente, pelos controladores da missão da Mars Exploration Rover. O lugar se localiza próximo da cratera Vostok em Meridiani Planum.[23]

Laika tem aparecido em numerosas obras literárias, mormente de ficção científica ou também de fantasia, que freqüentemente narram histórias sobre seu resgate ou sobrevivência. A novela Intervention (Intervenção), de Julian May, relata que Laika foi resgatada por extraterrestres. Na novela Weight: The Myth of Atlas and Hercules (Peso: O Mito de Atlas e Hércules), de Jeanette Winterson, o titã grego Atlas encontra a cápsula em órbita, e adota o animal. No romance "Alien Bodies" da série Doctor Who se narrou uma história sobre seu funeral e na antológica Flight sobre sua viagem a um outro planeta. Em um capítulo da revista Flash Gordon aparece Laika resgatada por uma raça de alienígenas lunares com aspecto de cão.

Os nomes de vários grupos musicais estão inspirados em Laika, entre eles Laika Dog, Laika & the Cosmonauts e Laika, cujos três primeiros álbuns possuem uma cosmonauta canina na capa. O grupo espanhol Mecano, a banda canadense Arcade Fire, Moxy Früvous e a banda sueca The Cardigans têm uma canção chamada "Laika". Em 1986, a banda alemã C.C.C.P. lançou um álbum chamado Cosmos que tinha a música "Laika Laika", com tema girando em torno do programa espacial soviético, e sendo completada com um coro militar russo. Laika apareceu em canções de (entre outros) Massacre Palestina ("Laika se Va"); Akino Arai ("Sputnik"); Åge Aleksandersen ("Laika"); The Divine Comedy ("Absent Friends" e "Laika's Theme"); Havalina ("Leica"); The Motorhomes ("Into the Night"); "Neighborhood #2 (Laïka)", pelo Arcade Fire; Mighty Sparrow ("Russian Satellite"); Pond ("My Dog is an Astronaut, Though"); Kyler England ("Laika") e The Circle Jerks ("Dog"). Em 2002, o grupo Spacemonkeyz fez um remix do álbum homônimo do Gorillaz, intitulado Laika Come Home. A fita de composição de György Kurtág, Memoire de Laika (1990) incorpora texto falado sobre a cadela. Mais recentemente, a banda de rock japonesa Asian Kung-Fu Generation incluiu uma canção intitulada "Laika" em seu álbum World World World (2008).

O vídeo de 2007 para a música do Trentemøller, "Moan", era sobre Laika. No filme sueco de 1985 My Life as a Dog (Mitt liv som hund), o protagonista—um garoto que se sente impotente contra seu destino—compara a si mesmo com Laika.

No episódio "Brincadeira no Pântano", do desenho animado Pica-Pau se faz uma referência à Laika, onde é mostrado um cachorro voando no "espaço". Essa mesma cena (de uma forma engraçada), poderia também demonstrar a rivalidade entre Russos e Americanos na chamada Corrida Espacial.

Homenagem[editar | editar código-fonte]

Em 11 de abril de 2008 foi inaugurado um monumento em honra à cadela Laika no centro de Moscou.[8] O monumento foi colocado em uma alameda perto do Instituto de Medicina Militar, onde ocorreram há mais de meio século os experimentos científicos com a participação da célebre cadela. A figura de bronze, de dois metros de altura, representa um dos segmentos de um foguete espacial, que se transforma em uma mão humana, sobre a qual está o corpo de Laika.

Cquote1.svg Ainda hoje não sei se eu sou o 'primeiro homem' ou o 'último cachorro' a voar ao espaço Cquote2.svg
Yuri Gagarin, o primeiro cosmonauta da história.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Dubbs, Chris. Space Dogs: Pioneers of Space Travel, Writer's Showcase Press, 2003, ISBN 0-595-26735-1
  • Gowortschin, G. G. Soviets in Space - An historical Survey, Spaceflight, Mayo 1965
  • Nicogossian, A., Mohler, S., Gazenko, Oleg. Space and Its Exploration. American Institute of Aeronautics & Ast, 1993. ISBN 1-56347-061-6.
  • Szabo, Julia. The underdog: a celebration of mutts. Workman Publishing Company, 2005. ISBN 0-7611-3348-8 Tributo aos cães vira-latas, Nos Estados Unidos Laika foi apelidada de Muttnik e têm um lugar destacado. Mutt, ou Muttonhead, é um nome comumente dado nos Estados Unidos aos cães originários de diversos cruzamentos entre várias raças.
  • Tschernow, V. N., Jakowlew, V. I. Scientific research during the flight of an animal in an artificial earth satellite, Artificial Earth Satellite, 1, 1958.

Notas

  1. Andrew J. LePage. Sputnik 2: The First Animal in Orbit (em inglês) svengrahn. Visitado em 03 de novembro de 2012.
  2. Message from the First Dog in Space Received 45 Years Too Late Dogs in the News. Visitado em 27 de novembro.
  3. Harford, J. J. Korolev's Triple Play: Sputniks 1, 2, and 3
  4. Zak, Anatoly. A verdadeira história da cadela Laika, em inglês
  5. Dogs in the news.
  6. Malashenkov, D.C. Abstract:Some Unknown Pages of the Living Organisms' First Orbital Flight. ADS, 2002.
  7. Grahn, S. Sputnik-2, more news from distant history
  8. a b Inauguração do monumento a Laika em Moscou.
  9. Whitehouse, D. First dog in space died within hours, publicado por la BBC, 28 de outubro de 2002.
  10. Dogs in space, publicado por Space Today Online, 2004..
  11. Animals as Cold Warriors:Missiles, Medicine and Man's Best Friend, publicado pela National Library of Medicine, 19 de junho de 2006.
  12. Monumento a Laika ((em inglês)).
  13. Catálogo da NASA, seção sobre o Sputnik 2, de outubro de 2005 ((em inglês)).
  14. West, J. B. Journal of Applied Psychology, Vol. 91, 4, pp 1501-1511.
  15. A verdadeira história de Laika, em Astroenlazador.com ((em espanhol)).
  16. Malashenkov, D. C. Abstract: Some Unknown Pages of the Living Organisms' First Orbital Flight ADS, 2002.
  17. a b The Story of Laika ((em inglês)).
  18. Nos Estados Unidos, entre 1948 e 1957, os primatas Albert, Albert II, Albert III, Albert IV (também chamado Yorick) e Albert V morreram durante suas missões poucas horas depois de regressar à Terra. As causas de suas mortes foram asfixia, explosão no espaço ou má aterrissagem.
  19. On this day, BBC, 3 de novembro de 1957..
  20. Human Guinea Pigs and Sputnik 2. National Society for Medical Research, novembro de 1957..
  21. Message from the First Dog in Space Received 45 Years Too Late, tomado de Dogs in the News.
  22. Animals as Cold Warriors:Missiles, Medicine and Man's Best Friend. National Library of Medicine (19/06/06).. Visitado em 25 de abril de 2008..
  23. NASA Mars Rover Status Report: 17 March 2005. Jet Propulsion Laboratory, março de 2005.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Laika