Laje dos Negros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Laje dos Negros é uma comunidade quilombola localizada no município de Campo Formoso, no norte da Bahia[1] [2] .

Histórico[editar | editar código-fonte]

A comunidade foi fundada em meados do século XIX por Luís José dos Santos, conhecido como Luisinho, um ex-escravo negro que teria pertencido a Nzife Barros. Luisinho, casado com Maria Lage, conseguiu comprar terras pertencentes ao senhor de engenho Misael Fagundes, morador da localidade de Gameleira. O estabelecimento do quilombo gerou uma rivalidade entre as comunidades branca e negra da região.

Ao longo dos anos, muitos moradores de Laje dos Negros venderam seus lotes para pessoas de fora da região. As transações deram origem a conflitos, tendo como motivo a demarcação das terras, muitas vezes agravados pela ausência de titulação[3] .

Geografia[editar | editar código-fonte]

Laje dos Negros faz divisa com os municípios baianos de Juazeiro, Umburanas e Sento-sé. Ocupa uma área de 29.500 hectares.

Na região encontram-se muitas cavernas, entre elas a Toca da Barriguda, a Toca do Calor de Cima, a Toca do Pitu, a Toca do Morrinho e a Toca da Boa Vista, considerada a maior caverna do Brasil e do hemisfério sul e 16ª mais extensa do mundo[4] .

A degradação de seus recirsos naturais, com desmatamento da vegetação nativa, levou ao desaparecimento de pequenos cursos de água. Hoje, o seu único rio perene é o Pacuí, cujas nascentes ficam a poucos quilômetros da Toca da Boa Vista[5] .

Economia[editar | editar código-fonte]

A principal atividade econômica dos erca de 8 mil habitantes de Laje dos Negros é a agricultura. As famílias cultivam a mandioca, para produzir farinha. Outras culturas presentes são feijão, milho, sisal e mamona. A fibra de sisal é comercializada sem o beneficiamento, o que resulta em baixa rentabilidade.

Muitos homens se deslocam para municípios vizinhos, onde trabalham nas plantações de café ou mesmo na construção civil. Entre as mulheres, uma atividade comum é o artesanato em palha de licuri, uma planta nativa da região[6] .

Referências

  1. COMUNIDADES QUILOMBOLAS – ESTADO DA BAHIA. Projeto de Mapeamento dos Quilombos do Brasil - FCP/UNB
  2. Terras Quilombolas - Comissão Pró-Índio de São Paulo
  3. Lage dos Negros. Sistema de Informações sobre Comunidades Remanescentes de Quilombos
  4. AULER, Augusto S., e SMART, Peter L. Toca da Boa Vista (Campo Formoso), BA) - A maior caverna do hemisfério sul. Sigep 19
  5. Remanescente de Quilombo Laje dos Negros - Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba/Ministério da Integração
  6. Caprinovinocultura: Uma Alternativa Socioeconômica à Comunidade Quilombola de Lages dos Negros, Campo Formoso – BA
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Bahia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.