Lamotrigina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lamotrigina
Alerta sobre risco à saúde
Lamotrigine.svg
Lamotrigine 3d structure.png
Nome IUPAC 6-(2,3-dichlorophenyl)-1,2,4-triazine-3,5-diamine
Identificadores
Número CAS 84057-84-1
PubChem 3878
DrugBank APRD00570
ChemSpider 3741
Código ATC N03AX09
SMILES
Propriedades
Fórmula química C9H7Cl2N5
Massa molar 256.09 g mol-1
Farmacologia
Biodisponibilidade 98%
Via(s) de administração Oral
Metabolismo Hepático (mediado por UGT1A4 principalmente)
Meia-vida biológica 24–34 houras (adultos saudáveis)
Ligação plasmática 55%
Excreção Renal
Classificação legal


POM (UK) -only (US)

Riscos na gravidez
e lactação
C (EUA)
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A Lamotrigina é uma droga anticonvulsivante utilizada no tratamento da epilepsia 1 e do transtorno bipolar 2 . Para epilepsia é utilizada para tratar convulsões parciais, convulsões tônico-clônicas primárias e secundárias e convulsões associadas com a Síndrome de Lennox-Gastaut. A lamotrigina também atua como estabilizador do humor. É aprovada para tratamento de manutenção do transtorno bipolar tipo II.

Sua estrutura química não é relacionada com a de outros anticonvulsivantes (já que se trata de uma feniltriazina), sendo que possui relativamente menos efeitos colaterais e não requer monitorização sanguinea quando usada em monoterapia. Seu mecanismo de ação exato é desconhecido, porém acredita-se que possa atuar como bloqueador de canal de sódio.

A lamotrigina é inativada através da glicuronidação hepática.

No Brasil é comercializada sob a forma de comprimidos nas seguintes doses: 25 mg, 50 mg e 100 mg.


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. French, J.A. et al. (2004). Efficacy and tolerability of the new antiepileptic drugs II: Treatment of refractory epilepsy [electronic version]. Neurology. 62:1261–1273.
  2. Fountoulakis, KN. (2010). An update of evidence-based treatment of bipolar depression: where do we stand?. Curr Opin Psychiatry. 23:19-24.