Lanassa (filha de Agátocles)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Lanassa foi uma filha do tirano Agátocles de Siracusa, esposa de Pirro do Épiro e mãe de Alexandre II de Épiro.

Casamento com Pirro[editar | editar código-fonte]

Pirro, rei do Épiro, teve várias esposas, uma delas foi Lanassa, filha do tirano siciliano Agátocles.[1]

Pirro recebeu de dote, pelo casamento com Lanassa, Córcira, que havia sido recentemente capturada por Agátocles.[1]

Agátocles aproveitou o casamento de Lanassa em uma jogada estragégica: querendo tomar Crotona, então governada pelo tirano Menedemus, seu amigo, Agátocles avisou que estava indo para a Itália escortar sua filha Lanassa para o casamento real no Épiro; com isso, Crotona foi pega de surpresa e ele cercou a cidade, que se rendeu, mas Agátocles matou todos os homens e pilhou as casas.[2]

Separação de Pirro[editar | editar código-fonte]

Quando Pirro estava disputando a Macedônia com Demétrio Poliorcetes,[3] Lanassa, culpando Pirro por ser mais devotado às suas mulheres bárbaras do que a ela, retirou-se para Córcira, e convidou Demétrio, que se casou com ela e colocou uma guarnição na cidade.[4]

Na guerra para tomar Córcira, Pirro teve ajuda dos tarentinos, e quando estes estiveram em guerra contra os romana, chamaram Pirro para ajudá-los.[5]

Por ser Pirro casado com Lanassa, e ter um filho, Alexandre, com ela, os siracusanos chamaram Pirro para ajudá-los,[6] quando eles estavam sendo sitiados pelos cartagineses e dois anos e quatro meses depois que Pirro havia desembarcado na Itália.[7]

Descendentes[editar | editar código-fonte]

Alexandre II de Épiro, filho de Pirro e Lanassa,[6] [1] casou-se sua irmã, Olímpia II de Épiro, teve dois filhos, Pirro e Ptolemeu e uma filha, Fítia.[8] Nereida, filha de seu neto Pirro, casou-se com Gelão II, e foi a mãe de Jerônimo de Siracusa.[9] [10] Outra filha de seu neto Pirro, Laodâmia,[Nota 1] foi assassinada no Épiro;[11] após sua morte, o Épiro tornou-se uma anarquia.[12]

Notas e referências

Notas

  1. Laodâmia é chamada de Deidâmia no texto do geógrafo Pausânias e do macedônio Polieno.

Referências

  1. a b c Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 9.1 [em linha]
  2. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XXI, 4.1 [ael/fr][en]
  3. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 10.1-4
  4. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 10.5
  5. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.12.1 [em linha]
  6. a b Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XXII, 8.2 [ael/fr][en]
  7. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XXII, 8.1 [ael/fr][en]
  8. Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 28.1 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  9. Políbio, Histórias, 7.4.4 [em linha]
  10. Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 28.3 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  11. Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 38.3 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  12. Pausânias, Descrição da Grécia, 4.35.3 [em linha]