Lanassa (filha de Agátocles)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Lanassa foi uma filha do tirano Agátocles de Siracusa, esposa de Pirro do Épiro e mãe de Alexandre II de Épiro.

Casamento com Pirro[editar | editar código-fonte]

Pirro, rei do Épiro, teve várias esposas, uma delas foi Lanassa, filha do tirano siciliano Agátocles.1

Pirro recebeu de dote, pelo casamento com Lanassa, Córcira, que havia sido recentemente capturada por Agátocles.1

Agátocles aproveitou o casamento de Lanassa em uma jogada estragégica: querendo tomar Crotona, então governada pelo tirano Menedemus, seu amigo, Agátocles avisou que estava indo para a Itália escortar sua filha Lanassa para o casamento real no Épiro; com isso, Crotona foi pega de surpresa e ele cercou a cidade, que se rendeu, mas Agátocles matou todos os homens e pilhou as casas.2

Separação de Pirro[editar | editar código-fonte]

Quando Pirro estava disputando a Macedônia com Demétrio Poliorcetes,3 Lanassa, culpando Pirro por ser mais devotado às suas mulheres bárbaras do que a ela, retirou-se para Córcira, e convidou Demétrio, que se casou com ela e colocou uma guarnição na cidade.4

Na guerra para tomar Córcira, Pirro teve ajuda dos tarentinos, e quando estes estiveram em guerra contra os romana, chamaram Pirro para ajudá-los.5

Por ser Pirro casado com Lanassa, e ter um filho, Alexandre, com ela, os siracusanos chamaram Pirro para ajudá-los,6 quando eles estavam sendo sitiados pelos cartagineses e dois anos e quatro meses depois que Pirro havia desembarcado na Itália.7

Descendentes[editar | editar código-fonte]

Alexandre II de Épiro, filho de Pirro e Lanassa,6 1 casou-se sua irmã, Olímpia II de Épiro, teve dois filhos, Pirro e Ptolemeu e uma filha, Fítia.8 Nereida, filha de seu neto Pirro, casou-se com Gelão II, e foi a mãe de Jerônimo de Siracusa.9 10 Outra filha de seu neto Pirro, Laodâmia,Nota 1 foi assassinada no Épiro;11 após sua morte, o Épiro tornou-se uma anarquia.12

Notas e referências

Notas

  1. Laodâmia é chamada de Deidâmia no texto do geógrafo Pausânias e do macedônio Polieno.

Referências

  1. a b c Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 9.1 [em linha]
  2. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XXI, 4.1 [ael/fr][en]
  3. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 10.1-4
  4. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 10.5
  5. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.12.1 [em linha]
  6. a b Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XXII, 8.2 [ael/fr][en]
  7. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XXII, 8.1 [ael/fr][en]
  8. Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 28.1 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  9. Políbio, Histórias, 7.4.4 [em linha]
  10. Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 28.3 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  11. Justino, Epítome das Histórias de Pompeius Trogus, 38.3 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  12. Pausânias, Descrição da Grécia, 4.35.3 [em linha]