Latim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Latim
Falado em: Vaticano
Total de falantes: Números desconhecidos
Família: Indo-europeia
 Itálica
  Latino-faliscas
   Latim
Escrita: Alfabeto latino
Estatuto oficial
Língua oficial de: Vaticano
Regulado por: Pontifícia Academia de Latinidade
Códigos de língua
ISO 639-1: la
ISO 639-2: lat
ISO 639-3: lat
Região de origem do Latim (Latin), no centro da Itália.
Região de origem do Latim (Latin), no centro da Itália.
Extensão territorial do Império Romano em 117.
Extensão territorial do Império Romano em 117.

O latim é uma antiga língua indo-europeia do ramo itálico originalmente falada no Lácio, a região do entorno de Roma. Foi amplamente difundida, especialmente na Europa, como a língua oficial da República Romana, do Império Romano e, após a conversão deste último ao cristianismo, da Igreja Católica. Através da Igreja, tornou-se a língua dos acadêmicos e filósofos europeus medievais. Por ser uma língua altamente flexiva e sintética, a sua sintaxe (ordem das palavras) é, em alguma medida, variável, se comparada com a de idiomas analíticos como o português, embora em prosa os romanos tendessem a preferir a ordem SOV. A sintaxe é indicada por uma estrutura de afixos ligados a temas. O alfabeto latino, derivado dos alfabetos etrusco e grego (por sua vez, derivados do alfabeto fenício), continua a ser o mais amplamente usado no mundo.

Embora o latim seja hoje uma língua morta, ou seja, uma língua que não mais possui falantes nativos, ele ainda é empregado pela Igreja Católica para fins rituais e burocráticos. Exerceu enorme influência sobre diversas línguas vivas, ao servir de fonte vocabular para a ciência, o mundo acadêmico e o direito. O latim vulgar, nome dado ao latim no seu uso popular inculto, é o ancestral das línguas neolatinas (italiano, francês, espanhol, português, romeno, catalão, romanche e outros idiomas e dialetos regionais da área); muitas palavras adaptadas do latim foram adotadas por outras línguas modernas, como o inglês. O fato de haver sido a lingua franca do mundo ocidental por mais de mil anos é prova de sua influência.

O latim ainda é a língua oficial da Cidade do Vaticano e do Rito Romano da Igreja Católica. Foi a principal língua litúrgica até o Concílio Vaticano Segundo nos anos 1960. O latim clássico, a língua literária do final da República e do início do Império Romano, ainda hoje é ensinado em muitas escolas primárias e secundárias, embora seu papel se tenha reduzido desde o início do século XX.

História[editar | editar código-fonte]

A inscrição Duenos, do século VI a.C., é um dos textos mais remotos em latim antigo, provavelmente da tribo dos latinos

O latim integra as línguas itálicas e seu alfabeto baseia-se no alfabeto itálico antigo, derivado do alfabeto grego. No século IX a.C. ou VIII a.C., o latim foi trazido para a península Itálica pelos migrantes latinos, que se fixaram numa região que recebeu o nome de Lácio, em torno do rio Tibre, onde a civilização romana viria a desenvolver-se. Naqueles primeiros anos, o latim sofreu a influência da língua etrusca, proveniente do norte da Itália e que não era indo-europeia.

A importância do latim na península Itálica firmou-se gradativamente. A princípio, o latim era apenas a língua de Roma, uma pequena cidade circundada por vários centros menores (Lanuvio, Preneste, Tivoli), nos quais se falavam dialetos latinos ou afins ao latim (o falisco, língua da antiga cidade de Falerii). Já a poucos quilômetros de Roma, eram faladas línguas muito diversas: o etrusco e sobretudo o grupo indo-europeu das línguas itálicas - o umbro no norte e o osco no sul, até a atual Calábria. Na Itália setentrional falavam-se outras línguas indo-europeias como o lígure, o gálico e o venético. O grego era difundido nas numerosas colônias da Sicilia e da Magna Grécia. Ao longo de toda a era republicana, a situação linguística da Italia permaneceu muito variada: o plurilinguismo era uma condição comum, e os primeiros autores da literatura, como Ênio e Plauto dominavam latim, grego e osco.

Diacronia[editar | editar código-fonte]

Além das variações regionais, mesmo o latim de Roma não foi uma língua sempre igual a si mesma, apresentando fortes diferenças diacrônicas e sociolinguísticas. Do ponto de vista diacrônico, deve-se distinguir:[1] [2]

Embora a literatura romana sobrevivente seja composta quase inteiramente de obras em latim clássico, a língua falada no Império Romano do Ocidente na Antiguidade tardia (200 a 600 d.C)[2] era o latim vulgar, que diferia do primeiro em sua gramática, vocabulário e pronúncia.

O latim manteve-se por muito tempo como a língua jurídica e governamental do Império Romano, mas, com o tempo, o grego passou a predominar entre os membros da elite culta romana, já que grande parte da literatura e da filosofia estudada pela classe alta havia sido produzida por autores gregos, em geral atenienses. Na metade oriental do Império, que viria a tornar-se o Império Bizantino, o grego terminou por suplantar o latim como idioma governamental e era a lingua franca da maioria dos cidadãos orientais, de todas as classes.

Após a sua transformação nas línguas românicas, o latim continuou a fornecer um repertório de termos para muitos campos semânticos, especialmente culturais e técnicos, para uma ampla variedade de línguas.

Ortografia[editar | editar código-fonte]

Réplica da escrita cursiva romana inspirada pelos tabletes de Vindolana
A língua dos antigos romanos teve um forte impacto em culturas posteriores, como demonstra esta Bíblia em latim eclesiástico, de 1407

Os romanos usavam o alfabeto latino, derivado do alfabeto itálico antigo, o qual por sua vez advinha do alfabeto grego. O alfabeto latino sobrevive atualmente como sistema de escrita das línguas românicas (como o português), célticas, germânicas (inclusive o inglês) e muitas outras.

Os antigos romanos não usavam pontuação, macros (mas empregavam ápices para distinguir entre vogais longas e breves), nem as letras j e u, letras minúsculas (embora usassem uma forma de escrita cursiva) ou espaço entre palavras (mas por vezes empregavam-se pontos entre palavras para evitar confusões). Assim, um romano escreveria a frase "Lamentai, ó Vênus[3] e cupidos" da seguinte maneira:

LVGETEOVENERESCVPIDINESQVE

Esta frase seria escrita numa edição moderna como:

Lugete, O Veneres Cupidinesque

Ou, com macros:

Lūgēte, Ō Venerēs Cupīdinēsque

A escrita cursiva romana é encontrada nos diversos tabletes de cera escavados em sítios como fortes, como por exemplo os descobertos em Vindolana, na Muralha de Adriano, na Grã-Bretanha.

Legado[editar | editar código-fonte]

Romania submersa (em preto): territórios pertencentes ao Império onde as línguas românicas não desenvolveram-se ou desapareceram.

A expansão do Império Romano espalhou o latim por toda a Europa e o latim vulgar terminou por dialetar-se, com base no lugar em que se encontrava o falante. O latim vulgar evoluiu gradualmente de modo a tornar-se cada uma das distintas línguas românicas, um processo que continuou pelo menos até o século IX. Tais idiomas mantiveram-se por muitos séculos como línguas orais, apenas, pois o latim ainda era usado para escrever. Por exemplo, o latim foi a língua oficial de Portugal até 1296, quando foi substituído pelo português. Estas línguas derivadas, como o italiano, o francês, o espanhol, o português, o catalão e o romeno, floresceram e afastaram-se umas das outras com o tempo.

Dentre as línguas românicas, o italiano é a que mais conserva o latim em seu vocabulário,[4] enquanto que o sardo é o que mais preserva a fonologia latina.[5]

Algumas das diferenças entre o latim clássico e as línguas românicas têm sido estudadas na tentativa de se reconstruir o latim vulgar. Por exemplo, as línguas românicas apresentam um acento tônico distinto em certas sílabas, ao qual o latim acrescentava uma quantidade vocálica distinta. O italiano e o sardo logudorês possuem, além do acento tônico, uma ênfase consonantal distinta; o espanhol e o português, apenas o acento tônico; e no francês, a quantidade vocálica e o acento tônico já não são distintos. Outra grande diferença entre as línguas românicas e o latim é que as primeiras, com exceção do romeno, perderam os seus casos gramaticais para a maioria das palavras, afora alguns pronomes. A língua romena possui um caso direto (nominativo/acusativo), um indireto (dativo/genitivo), um vocativo e é o único idioma que preservou do latim o gênero neutro e parte da declinação.[6]

Embora não seja uma língua românica, o inglês sofreu forte influência do latim. Sessenta por cento do seu vocabulário são de origem latina, em geral por intermédio do francês. O mesmo ocorreu com o maltês, uma língua semítica falada na República de Malta, na costa sul da Itália, que fora influenciado por 50% de palavras italianas e sicilianas e, em menor grau, pelo francês em seu léxico, e que mais recentemente fora influenciado pelo inglês em 20% de seu léxico. Também herdou o alfabeto latino, sendo a única língua semítica a ser escrita neste alfabeto.

Ademais do português, outras línguas românicas surgidas a partir do latim incluem o espanhol, o francês, o sardo, o italiano, o romeno, o galego, o occitano, o rético, o catalão e o dalmático - este, já extinto. As áreas onde as línguas românicas extintas eram faladas, são denominadas Romania submersa.

Como o contacto com o latim escrito se manteve ao longo dos tempos, mesmo muito depois de o latim deixar de ter falantes nativos, muitas palavras latinas foram sendo introduzidas em muitas línguas. Este fenómeno acentuou-se desde o Renascimento, altura em que a cultura clássica foi revalorizada. Sobretudo o inglês e as línguas românicas receberam (e continuam a receber) muitas palavras de origem latina, mas bastantes outras línguas também o fizeram. Em especial, muitos novos termos dos domínios técnicos e científicos têm na sua base palavras latinas.

Uso moderno[editar | editar código-fonte]

A sinalização da estação de metrô de Wallsend, na Inglaterra, está em inglês e latim como uma homenagem ao papel de Wallsend como um dos postos avançados do império romano

O latim vive sob a forma do latim eclesiástico usado para éditos e bulas emitidos pela Igreja Católica, e sob a forma de uma pequena quantidade esparsa de artigos científicos ou sociais escritos utilizando a língua, bem como em inúmeros clubes latinos. O vocabulário latino é usado na ciência, na universidade e no direito. O latim clássico é ensinado em muitas escolas, muitas vezes combinado com o grego, no estudo de clássicos, embora o seu papel tenha diminuído desde o início do século XX. O alfabeto latino, juntamente com suas variantes modernas, como os alfabetos inglês, espanhol, francês, português e alemão, é o alfabeto mais utilizado no mundo. Terminologia decorrente de palavras e conceitos em latim é amplamente utilizada, entre outros domínios, na filosofia, medicina, biologia e direito, em termos e abreviações como subpoena duces tecum, lato sensu, etc., i.e., q.i.d. (quater in die: "quatro vezes por dia") e inter alia (entre outras coisas). Estes termos em latim são utilizados isoladamente, como termos técnicos. Em nomes científicos para organismos, o latim é geralmente o idioma preferido, seguido pelo grego.

A maior organização que ainda usa o latim em contextos oficiais e semi-oficiais é a Igreja Católica (principalmente na Igreja Católica de Rito Latino). A Missa tridentina usa o latim, apesar do rito romano costumar utilizar o vernáculo local; no entanto, pode ser e muitas vezes é rezado em latim, particularmente no Vaticano. Na verdade, o latim ainda é a língua padrão oficial do rito romano da Igreja Católica e o Concílio Vaticano II apenas autorizou que os livros litúrgicos fossem traduzidos e, opcionalmente, usados nas línguas vernáculas. O latim é a língua oficial da Santa Sé e do Vaticano. A Cidade do Vaticano é também onde está instalado o único caixa eletrônico onde as instruções são dadas em latim.[7]

Nos casos em que é importante empregar uma língua neutra, como em nomes científicos de organismos, costuma-se usar o latim.

Alguns filmes, como A Paixão de Cristo, apresentam diálogos em latim. A música 'Nirvana' do Grupo El Bosco é cantada, parte em latim, e em seguida em inglês.

Muitas organizações ainda hoje ostentam lemas em latim, como o estado brasileiro de Minas Gerais (libertas quæ sera tamen).

Características[editar | editar código-fonte]

É caracterizado por ser uma língua flexiva. No caso dos substantivos e adjetivos a flexão é denominada declinação, no caso dos verbos, conjugação.

No latim clássico cada substantivo ou adjetivo pode tomar seis formas, ou "casos":

Também existem resquícios de um sétimo caso de origem indo-europeia, o locativo, que indica localização (por exemplo: domī , "em casa"), no entanto, este é limitado a palavras específicas.

Outra característica distintiva do latim é o uso de formas simples para expressar a voz passiva dos verbos, além de uma forma verbo-nominal muito frequente chamada de supino. Ambas formas se perderam nas línguas românicas.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

A difusão do latim por um território cada vez mais vasto teve duas conseqüências: a primeira, que o latim, ao entrar em contato com línguas diversas, exerceu um influxo mútuo mais ou menos considerável; a segunda, de certo modo conseqüência da primeira, que o latim foi se diferenciando nas diversas regiões. Enquanto os laços políticos com o centro eram fortes, as diferenças eram limitadas, mas quando esses laços enfraqueceram até se romperem completamente, as diferenças se acentuaram.

Geralmente, as populações submetidas desejavam elevar-se culturalmente adotando o latim, coisa que ocorre sempre que dois povos entram em contato: prevalece linguisticamente o que possui maior prestígio cultural. Dessa forma Roma conseguiu fazer prevalecer o latim sobre o etrusco, o osco, o umbro, o galo, e apenas sobre parte do grego, cujo prestígio cultural era maior.

As populações submetidas e as federadas antes de perder sua língua em favor do latim, atravessaram um período mais ou menos longo de bilinguismo; de fato, algumas das línguas pré-romanas tiveram no território romanizado considerável vitalidade durante muito tempo. E essas línguas originárias deram uma cor específica em cada língua neolatina surgente, e permanecem presentes em topônimos dessas regiões até hoje.

Gramática[editar | editar código-fonte]

O latim não possui artigos.

Os substantivos têm dois números (singular e plural) e seis casos (nominativo, vocativo, acusativo, genitivo, dativo e ablativo). Organizam-se em cinco declinações, que se distinguem pela terminação da forma de genitivo singular: 1ª: -ae, 2ª: -i, 3ª: -is, 4ª: -us e 5ª: -ei. Nem sempre a forma de nominativo correspondente é determinável a partir da forma de genitivo. Por exemplo, nominativo uerbum, genitivo uerbi ("palavra"); mas nominativo puer, genitivo pueri (menino). Assim, para se saber declinar um nome em todas as suas formas, é preciso saber a forma de nominativo e a de genitivo; tipicamente os dicionários fornecem ambas: uerbum, uerbi e puer, pueri.

Há três géneros gramaticais: masculino, feminino e neutro. O género de um nome depende em certa medida da declinação que o nome segue, mas a associação não é completamente rígida. Os nomes da primeira declinação são quase todos femininos (p. ex., rosa, rosae "rosa"), mas os que têm referentes humanos geralmente respeitam o género natural e por isso alguns são masculinos (p. ex., nauta, nautae "marinheiro"). Os nomes da segunda declinação cujo nominativo singular termina em -um são todos neutros. Os restantes nomes desta declinação (com nominativo em -us or -r, como dominus, domini "senhor", ager, agri "campo", uir, uiri homem) são quase todos masculinos, mas há muitos nomes de árvores em -us, -i e estes são todos femininos: ficus, fici "figueira". Nas restantes declinações o género é mais arbitrário.

O adjetivo concorda com o nome que modifica ou de que é predicado em número, género e caso.

A numeração de 1 a 10 é: unus/una/unum, duo/duae/duo, tres/tria, quattuor, quinque, sex, septem, octo, novem, decem; 11 undecim, 12 duodecim, 13 tredecim, 20 viginti, 30 triginta, 100 centum.

Os verbos flexionam em pessoa, número, tempo, modo, aspeto e voz. Cada verbo pertence a uma de quatro conjugações, que se distinguem por exemplo pela forma de infinitivo presente ativo: 1ª: -are, 2ª: -ēre, 3ª: -ěre, 4ª: -ire. O lema de um verbo latino (isto é a forma de dicionário) não é contudo uma forma de infinitivo mas sim a forma de primeira pessoa singular do presente do indicativo ativo: p.ex., o verbo sum ("sou"), não esse ("ser").

O latim possui muito poucos nomes e verbos com flexão verdadeiramente irregular, mas contém muitíssimos verbos cujas formas se baseiam em radicais diferentes e que não são previsíveis entre si. Por exemplo, o verbo cano ("cantar"), tem formas como cano ("canto", radical can-), cecini ("cantei", radical cecin-) e cantum ("para cantar", radical cant-).

O pronome interrogativo é quis (masculino e feminino) "quem?", quid "quê?". Quis possui formas plurais qui/quae/qua. Os demonstrativos são is/ea/id, hic/haec/hoc, "este/esta/isto", iste, ista, istud "esse, essa, isso", ille/illa/illud "aquele/aquela/aquilo". Os pronomes pessoais são: singular ego "eu", tu "tu"; plural nos "nós", uos "vós". Para a terceira pessoa podem usar-se demonstrativos ou sobretudo sujeitos nulos.

A ordem canónica do latim clássico é SOV, mas é uma língua não configuracional: a ordem das palavras não está diretamente ligada a funções gramaticais, pois a flexão em caso é muitas vezes suficiente para determinar estas funções. Por exemplo, as seguintes frases latinas significam todas "Marco ama Cornélia", uma vez que a forma Marcus é nominativa e a forma Corneliam é acusativa:

  • Marcus Corneliam amat
  • Marcus amat Corneliam
  • Amat Marcus Corneliam
  • Amat Corneliam Marcus
  • Corneliam Marcus amat
  • Corneliam amat Marcus

A frase "Cornélia ama Marco" seria Cornelia Marcum amat.

Casos no Latim[editar | editar código-fonte]

Nominativo[editar | editar código-fonte]

  • Sujeito
  • Predicativo do Sujeito

-a no singular Ex: "Bona discipula sum" ("Boa discípula sou", ou, "[Eu] sou [uma] boa discípula")

-ae no plural Ex: "Ideo servae sedulae sunt" ("Por isso, escravas aplicadas são", ou, "Por isso, [as] escravas são aplicadas")

Acusativo[editar | editar código-fonte]

  • Objeto Direto

-am no singular Ex.: Staphyla Phaedram amat. "Estáfila ama Fedra"

-as no plural Ex.: Staphyla Phaedras amat. "Estáfila ama as Fedras".

Genitivo[editar | editar código-fonte]

  • Adjunto Adnominal (indicando posse)
Ex.: Amica Staphylae etiam serva est. "A amiga de Estáfila ainda é escrava"

Dativo[editar | editar código-fonte]

  • Objeto Indireto
Ex.: Phaedra servae rosam dat. "Fedra dá a rosa à escrava"

Ablativo[editar | editar código-fonte]

  • Adjunto Adverbial
Ex.: Cum amica ambulat. "Anda com a amiga"
  • Agente da Passiva
Ex.: Filius amatur a matre. "O filho é amado pela mãe"

Vocativo[editar | editar código-fonte]

  • Vocativo, como no Português
Ex.: Domine, cur laudas discipulas? "Senhor, por que louvas as alunas?"

Casos e Complementos[editar | editar código-fonte]

Em português, diferenciamos os complementos verbais por posição e por preposições. Em orações afirmativas, por exemplo, o sujeito vem tipicamente antes do verbo e os outros complementos vêm tipicamente depois do verbo. Abaixo temos os sujeitos em negrito e os outros complementos com a primeira letra em negrito.

Pedro ama Fabíola.
Fabíola ama Pedro.
Pedro adora chocolate.
Pedro gosta muito de chocolate.

Em latim, contudo, além da posição relativa dos complementos e das preposições, também se diferenciavam os complementos verbais pela escolha das terminações dos nomes.

Sujeitos[editar | editar código-fonte]

Os sujeitos, no latim, ocorrem tipicamente no caso nominativo e "denotativo"

Oc.: hic homō ex amōre insānit (esse homem enloqueceu por amor)

Podem também ocorrer no caso acusativo quando uma oração complementar representa o que alguém imagina, deseja, percebe ou diz.

Ex.: ego hunc hominem ex amōre insānīre cupiō (quero que esse homem enlouqueça por amor)

Outros Complementos[editar | editar código-fonte]

Aquilo que se faz, se imagina, se deseja, se percebe e se diz ocorre tipicamente no caso acusativo.

Oc.: sed eccum lēnōnem videō

Aquilo que se atinge e se dá para alguém ocorre tipicamente no caso acusativo.

Oc.: […], ut ego hunc lēnōnem perdam

Alguém a quem se dá ou se diz algo ocorre tipicamente no caso dativo.

Oc.: tuos servos aurum ipsī lēnōnī dabit
Oc.: haec verba lēnōnī dīcī

Alguém a quem algo pertence também ocorre tipicamente no caso dativo.

Oc.: servos est huic lēnōnī Surus

Aquilo que se usa ocorre no caso ablativo.

Oc.: ego rectē meīs auribus ūtor

Conjugação[editar | editar código-fonte]

Tempo[editar | editar código-fonte]

  • Presente: Descreve ações no presente.
Ex.: Lucius amphoram domum portat
  • Imperfeito: Descreve ações contínuas no passado.
Ex.: Lucius ibi ambulabat
  • Futuro: Descreve ações futuras.
Ex.: Lucius uinum bibet
  • Perfeito simples: Descreve ações no pretérito.
Ex.: Lucius mane surrexit
  • Mais que perfeito: Descreve ações no pretérito mais-que-perfeito.
Ex.: Lucius totam noctem peruigilauerat
  • Futuro perfeito: Descreve ações planejadas antes de ocorrerem.

Modo[editar | editar código-fonte]

  • Indicativo
  • Infinitivo
  • Imperativo
  • Subjuntivo
Pessoa[editar | editar código-fonte]
  • 1ª do singular: Ego
  • 2ª do singular: Tu
  • 3ª do singular: Is / Ea / Id
  • 1ª do plural: Nos
  • 2ª do plural: Vos
  • 3ª do plural: Ei / Eae / Ea

(Em latim, não existem pronomes do caso reto para a 3ª pessoa do singular: faz-se o uso de pronomes demonstrativos para indicar essa ausência).

Numerais[editar | editar código-fonte]

Os numerais latinos podem ser Cardinais, Ordinais, Multiplicativos e Distributivos.

Cardinais

Os três primeiros cardinais declinam nos 3 gêneros (M, F, N), no singular / plural e nos 5 casos (Nom., Acu., Gen., Dat., Abl.). O cardinal 3 utiliza a mesma forma para os gêneros M e F. Os demais cardinais até 100 não declinam.

Os cardinais são:

  • primeira dezena: unus, duo, tres, (esses aqui Nom. Sing. Masc.), quattuor, quinque, sex, septem, octo, nouem, decem;
  • de 11 a 17 são formados por unidade + decim (dez): undecim, duodecim, tredecim, quattuordecim, quinquedecim, sedecim, septendecim;
  • 18 e 19 são formados pelo que falta para "viginte" (vinte): duodeviginte e undeviginte;
  • 20, 30, 40, etc. até 100 (dezenas): viginte, triginta, quadraginta, quinquaginta, sexaginta, septuaginta, octaginta, nonaginta, centum;
  • dezenas + unidades:
    • dezena + 1 a 7; ex.: 21 a 27 – viginte unus até viginte septum;
    • dezena + 8 e 9; ex.: 28 e 29 – similar a 18 e 19 – duodetriginta, unodetriginta;
      • Nota – isso vale até 99;
  • centenas – só existem no plural e declinam: ducenti, trecenti… até sexcenti, septigenti, octagenti, nongenti;
  • milhares: mille, duo milia, tria milia … viginte milia … centi milia, etc;
Ordinais

Os ordinais indicam em latim, além da sequência, as frações. São declináveis como adjetivos da primeira classe. Apresentam as formas como segue:

  • primus, secundus, tertius, quartus, quintus, sextus, septimus, octavus, nonus, decimus.
  • undecimus, duodecimus; de 13 a 19 temos: tertius decimus, quartus decimus, etc… até nonus decimus;
  • dezenas: vicesimus, trigesimus, quadragesimus, etc… até nonagesimus;
  • centenas: centesimus, ducentesimus, tricentesimus, etc.
Multiplicativos

Os adjetivos declinam conforme adjetivos de segunda classe e são: simplex, duplex, triplex, etc.

Os advérbios (uma vez, duas vezes, etc) não tem declinação e são: semer, bis, ter, quater, etc.

Distributivos

São também declináveis, indicam "de um em um", "de dois em dois" e assim por diante. Apresentam a forma: singuli, bini, terni, quaterni, etc.. até nuoeni, deni; dezenas: viceni, triceni, etc. [8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete latim.
Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Latim

Referências

  1. La storia della lingua latina. BETTINI, M. (cur.), Letteratura e antropologia di Roma antica, vol. I, Firenze: La Nuova Italia, 2005.
  2. a b FISCHER, S. R. 'Uma breve História da Linguagem. São Paulo: Novo Século, 2009.
  3. A palavra Vênus aqui é plural.
  4. Grimes, Barbara F.. In: Barbara F. Grimes. Ethnologue: Languages of the World. thirteenth edition. ed. Dallas, Texas: Summer Institute of Linguistics, Academic Pub, October-1996. ISBN 1-55671-026-7.
  5. Foreign Languages: Italian, especificamente: "Sardo conserva muitas características arcaicas do latim que desapareceram no italiano, como o som k duro em palavras como chelu, correspondente ao italiano cielo."
  6. Columbia University Language Resource Center
  7. Moore, Malcom. (28 January 2007). "Pope's Latinist pronounces death of a language". The Daily Telegraph.
  8. Iniciação ao latim - Zélia de Almeida Cardoso– Editora Ática SP – 6a Edição 2006

Ligações externas[editar | editar código-fonte]