Laura Roslin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Laura Roslin é uma personagem da série televisiva de ficção científica Battlestar Galactica de 2003, interpretada por Mary McDonnell.

Antes da sucessão[editar | editar código-fonte]

Roslin foi Secretária da Educação do Presidente Adar e trabalhou com ele desde sua eleição como Prefeito da Cidade de Caprica. Antes de ir à Battlestar Galactica para participar da cerimônia de aposentadoria da nave, ela foi diagnosticada como portadora de câncer de mama. Mesmo assim, ela foi à Galactica para a cerimônia de aposentadoria e estava fazendo o seu caminho de volta quando os ataques cylons começaram. Depois foi informada de que ela (a quadragésima terceira na fila) era agora a primeira (e possivelmente a única) na linha de sucessão da Presidência das Doze Colônias do Homem. Empossou o cargo por uma sacerdotisa ainda a bordo de sua nave, a Colonial One, em uma cena que lembra a posse de Lyndon Baines Johnson, a bordo do Força Aérea Um, após o assassinato do Presidente dos Estados Unidos da América John F. Kennedy.

Presidência[editar | editar código-fonte]

A primeira medida de Roslin foi organizar todas as naves civis com capacidade de navegar mais rápido que a luz (FTL: "faster than light", em inglês) e convencer o Comandante Adama a desistir da idéia de uma retaliação contra os cylons e juntar-se à frota que ela formara para escapar da ameaça.

A Presidente Roslin e Billy Keikeya, seu secretário pessoal, estabeleceram um escritório de trabalho a bordo da nave renomeada Colonial One (que os produtores da série projetaram para parecer com o avião Air Force One}. Enquanto Roslin cuidaria dos assuntos relacionados ao bem-estar da população civil da frota, o Comandante Adama cuidaria dos assuntos militares e das naves da frota.

Nas primeiras semanas, ela atuou como a única voz do Governo, atendendo a reuniões e dando ordens sozinha. Pouco depois do conflito em Bastille Day, Roslin cedeu à pressão popular e aceitou estabelecer um novo Quórum dos Doze, a Assembléia Legislativa do Governo Colonial, formado por um representante de cada uma das doze colônias. O Quórum é similar ao Conselho de Segurança da ONU.

Foi na primeira reunião do novo Quórum que o membro do conselho Tom Zarek, de Sagittaron, um prisioneiro político recém-libertado, propôs nomear um Vice-Presidente; para a surpresa de alguns, ele mesmo candidatou-se ao posto. Há alguns anos, Zarek explodiu um prédio do Governo em Sagittaron e matou muitos civis. A Presidente Roslin e o Comandante Adama farão de tudo para impedir que ele ganhe poder na frota. Como defesa, Zarek alegou que o governo de Sagittaron era uma severa ditadura imposta pelas outras colônias para explorar o planeta, por isso muitos Sagittarons o vêem como um homem determinado a levá-los para a liberdade. A prova disso é ele ter ganho o lugar de Sagittaron no novo Quórum em uma eleição justa.

Na primeira temporada, Roslin está convencida de que é a líder espiritual dos humanos restantes, como profetizado nas antigas escrituras de Kobol. Segundo a profecia, ela é a pessoa que guiará a frota até a Terra. Roslin tem constantes visões, um efeito colateral da Chamalla, uma erva usada para a cura do câncer. Seguindo as profecias, ela convence Starbuck a retornar a Caprica e recuperar a mítica Flecha de Apollo, que indicaria a localização exata da Terra. O Comandante Adama, descrente das convicções de Roslin, dá uma golpe de Estado, mandando o próprio filho Lee "Apolo" Adama para prendê-la, porém este se rebela e defende a Presidente, e os dois acabam presos.

Com a ajuda de Lee, Roslin escapa da prisão e lidera uma equipe até Kobol para encontrar a Tumba de Athena.

O estado de Roslin piora depois da morte de Helena Cain e da promoção do Comandante Adama a Almirante. Entretanto, em uma tentativa derradeira de salvar sua vida, Baltar injeta nela uma amostra do sangue do feto humano-cylon carregado por Sharon Valerii, convicto de que este possui propriedades antitumorais. O resultado é espetacular, Roslin se recupera completamente em poucos dias. Infelizmente o câncer volta no final da terceira temporada e Roslin não sabe se deverá receber novas transfusões do sangue híbrido. Enquanto jazia no seu leito de morte, Roslin lembrou que havia visto o Dr. Baltar, que ela não conhecia na época, ao lado da sabidamente agente ginóide cylon conhecida como Número Seis, em Caprica, antes de os ataques começarem.

Em Nova Caprica[editar | editar código-fonte]

Após deixar o cargo de Presidente em uma reeleição fracassada, Roslin passou a viver nos acampamentos como quase toda a população civil da frota em Nova Caprica e voltou à sua antiga profissão como professora em uma escola. Ela ajudou a criar o bebê cylon-humano e aparentemente era a única pessoa a saber a identidade do bebê.

Após o resgate[editar | editar código-fonte]

O Comandante Adama, auxiliado por seu filho Lee, então comandante da Battlestar Pegasus, conseguiu resgatar com vida quase toda a população de Nova Caprica, libertando-a da escravidão imposta pelos cylons. Após o resgate, Roslin foi novamente empossada como Presidente, pois Baltar, agora considerado um traidor, fugiu junto com os cylons. Para o cargo de Vice-Presidente, foi nomeado Tom Zarek, que havia colaborado com a resistência.

Precedido por
Richard Adar
Presidente das Doze Colônias de Kobol
(temporada 0 - 2.5)
Sucedido por
Gaius Baltar