Leôncia (filha de Leão I)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Leôncia (457479 (22 anos)) foi filha do imperador romano do Oriente Leão I, o Trácio com sua esposa Élia Verina; ela era a irmã mais nova de Ariadne, contudo, diferente da irmã, poderia reivindicar o trono real pois havia nascido no primeiro ano de reinado de seu pai (457).

História[editar | editar código-fonte]

Leão, que ascendeu ao trono por méritos militares, não possuía laços familiares com a aristocracia romana, e por isso usou do casamento de suas filhas para reforçar sua posição: como Ariadne havia se casado com o general isauriano Tarasicodissa (futuro Zenão I), o casamento de Leôncia foi designado a outro componente do exército, o filho do magister militum alano Aspar. Aconteceu porém, que com o anúncio do casamento entre Leôncia e Júlio Patrício (filho de Aspar) motins populares eclodiram (470): para o clero e o povo de Constantinopla, era inaceitável a possibilidade de Patrício por ser ariano tornar-se imperador. Os motins só cessaram quando Aspar e Leão prometeram aos bispos da cidade que Patrício se converteria à ortodoxia antes de se tornar imperador, e que só após a conversão, ele se casaria com Leôncia.

Em 471, Julio Patrício desapareceu das crônicas: seu pai Aspar e seu irmão Ardabúrio foram assassinados neste ano a mando de Leão I. Leôncia estava então casada com Marciano, filho do imperador do ocidente Antêmio: o casamento ligava as duas casas reais, do Oriente e do Ocidente. Aconteceu porém, que Antêmio morreu em 472, sendo sucedido por Olíbrio, e com a morte de Leão I, o Trácio em 474, Zenão I subiu ao trono do Oriente junto de seu filho e herdeiro legitimo Leão II. Expulsos ambos do trono, Marciano e Leôncia armaram uma revolta contra Zenão em 479; esta revolta foi fomentada a partir do direito de sucessão que Leôncia albergava sobre sua irmã Ariadne (ela seria uma porfirogênita, enquanto que a irmã teria nascido antes do pai ser imperador), contudo a revolta foi sufocada e Marciano e Leôncia foram exilados na Isáuria.[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alemany, Agustí, Sources on the Alans: A Critical Compilation, Brill Academic Publishers, 2000, ISBN 9004114424, p. 114.
  • Amory, Patrick, People and Identity in Ostrogothic Italy, 489-554, Cambridge University Press, 1997, ISBN 0521526353, p. 284, 288.
  • Bury, John Bagnall, "X.1 Leo I (A.D. 457‑474)", History of the Later Roman Empire, 1958, Dover Books, pp. 389–395
  • Thiele, Andreas, Erzählende genealogische Stammtafeln zur europäischen Geschichte Band III Europäische Kaiser-, Königs- und Fürstenhäuser Ergänzungsband, R.G. Fischer Verlag 1994 Tafel 490
  • Williams, Stephen, The Rome That Did Not Fall: the survival of the East in the fifth century, Routledge, 1999, ISBN 0415154030, p. 180.

Referências