Leandro & Leonardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Leandro & Leonardo
Leandro (esquerda) e Leonardo (direita)
Informação geral
Origem Goianápolis, GO
País  Brasil
Gênero(s) Sertanejo
Período em atividade (1983 - 1998)
Gravadora(s) Chantecler/Continental (divisão da Warner Music Brasil)
BMG Brasil Universal Music
Integrantes
Luis José Costa
Emival Eterno Costa

Os irmãos e ex-plantadores de tomate Luís José Costa, o Leandro, e Emival Eterno Costa, o Leonardo, nasceram na cidade de Goianápolis em Goiás.[1]

Formaram nos anos 1980 uma dupla com o nome de Leandro & Leonardo e tiveram vários hits na lista dos grandes sucessos da indústria fonográfica e venderam juntos mais de 25 milhões de discos. Tudo isso até o dia 23 de junho de 1998, quando um câncer raro e arrasador tirou a vida de Leandro e no ano seguinte Leonardo seguiu carreira solo.

História[editar | editar código-fonte]

Formação e primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Leonardo

Luís José (Leandro) (15 de agosto de 1961 - 23 de junho de 1998), e Emival Eterno (Leonardo) (25 de julho de 1963), trabalhavam na roça, na plantação de tomates da família. Até que Leandro percebeu sua vocação para a música, e chegou a ser vocalista de uma banda chamada "Os Dominantes", que fazia covers de músicas dos Beatles e de Roberto Carlos e teve notória iniciação na cidade de Vianópolis, interior do estado. Em 1983, Leandro abandonou a banda, e formou a dupla com seu irmão Leonardo. Pouco tempo depois, já venceram um programa de calouros da TV local, e com o dinheiro ganho no concurso foram para São Paulo gravar um álbum com tiragem de 500 cópias, que não fez sucesso. Apesar do disco não ter feito sucesso, abriu as portas para que fossem contratados por uma gravadora, na qual lançaram dois discos: "Leandro e Leonardo volume 1" em 1986, e "Leandro e Leonardo volume 2" em 1987. Até então os dois ja eram conhecidos no estado de Goiás, e no meio sertanejo.

Sucesso[editar | editar código-fonte]

Após o lançamento de seus dois primeiros álbuns que não tiveram uma grande relevância, eles lançaram em 1989 pela gravadora Continental, com a produção de Romildo Pereira e co-produção, arranjos e regencia do Maestro Otavio Basso, o álbum "Leandro e Leonardo Vol.3", e com ele veio o sucesso nacional. A canção "Entre Tapas e Beijos" (escrita por Nilton Lamas e Antônio Bueno) virou hit. O álbum contava com composições e regravações de cantores como Zezé di Camargo, um Country "Fui um Tolo" de Marcix e Mario Campanha e Roberta Miranda, . Já no ano seguinte, 1990, eles lançaram agora pela gravadora Chantecler o quarto álbum da carreira, com o mesmo nome de "Leandro & Leonardo". Este álbum emplacou mais dois sucessos no final do ano de 1990, o hit "Pense em Mim" (escrita por Douglas Maio, Mário Soares e Zé Ribeiro) e a canção "Desculpe, Mas Eu Vou Chorar" (escrita por César Augusto, Gabriel). No ano seguinte, 1991 eles lançaram um novo álbum "Leandro & Leonardo Vol. 5" pela mesma gravadora, Chantecler. E com ele vieram novos hits: "Paz na Cama" (escrita por Edson Mello e Rhael), "Não Aprendi a Dizer Adeus" (escrita por Joel Marques), "Não Olhe Assim". No ano de 1992, a dupla lançou outro álbum com o mesmo nome dos outros, pela mesma gravadora. Este álbum rendeu a dupla um sucesso maior que o esperado, com os hits "Esta Noite Foi Maravilhosa", e o sucesso internacional "Temporal de Amor", escrita por Cecílio Nena, regravada mais tarde em espanhol. Em 1993, já pela Warner Music, lançaram um novo álbum, e emplacaram o hit "Mexe Mexe".

1994-1995[editar | editar código-fonte]

No ano de 1994 lançaram o álbum "Leandro e Leonardo Vol. 8", que conseguiu uma colocação nas paradas de 1994 com a canção de Piska e César Augusto "Dor de Amor Não Tem Jeito". No nono álbum da carreira, lançado em 1995, conseguiram emplacar mais um hit, dessa vez com influências do country, a canção "Festa de Rodeio" escrita por Reinaldo Barriga, César Rossini e César Augusto, além da balada romântica "Eu Juro" (versão de "I Swear", escrita por F.J.Myers e G.Baker).

1996-1997[editar | editar código-fonte]

E do novo álbum de 1996, "Leandro e Leonardo Vol. 10", saiu o hit "Doce Mistério". No 11º álbum, de 1997 lançaram o sucesso nacional "Cerveja" s e a música que dá nome ao CD "Essas Mulheres", cujo videoclip foi gravado no Japão durante a turnê da dupla, em 1997. No mesmo ano, Leandro & Leonardo participou do Festival Internacional da Canção de Viña del Mar no Chile onde foram muito bem sucedidos.

1998 e o fim da dupla[editar | editar código-fonte]

A dupla acabou no dia 23 de junho de 1998, Leandro morreu por um tipo raro de câncer no pulmão. Pouco tempo após a morte do cantor, o álbum Um Sonhador foi lançado, e no mesmo ano recebeu um disco de platina. Ainda nesse ano, lançaram um álbum infantil com o nome de "Só Para Crianças", com músicas infantis clássicas como "Noite Feliz" e "Se essa rua fosse minha".

Leonardo seguiu carreira solo. Em 2007 a Rede Globo exibiu o especial Por Toda a Minha Vida sobre a vida de Leandro, que contava com depoimentos de famosos como Xuxa, Zezé Di Camargo & Luciano, Chitãozinho & Xororó, Toquinho dentre outros.

Filme[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2011, Leonardo contou a uma emissora de TV que estariam produzindo um longa da dupla "Leandro e Leonardo", intitulado "Não Aprendi Dizer Adeus". O cantor disse que a produção irá se iniciar em julho de 2011, escolhendo os atores para seus personagens, e consequentemente, iniciando as filmagens. O filme ainda não há data para estreia. Foi confirmado que é Bruno Gagliasso que fará o papel de Leonardo.[2]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de Estúdio[editar | editar código-fonte]

Projetos Especiais[editar | editar código-fonte]

  • 1995 - Amigos - (Som Livre)
  • 1996 - Amigos - (Som Livre)
  • 1997 - Amigos - (Som Livre)
  • 1995 - Leandro y Leonardo en español
  • 1996 - Leandro y Leonardo en español vol.2
  • 1997 - Leandro y Leonardo los grandes éxitos
  • 1998 - Leandro & Leonardo só para crianças
  • 2012/2013: Não Aprendi Dizer Adeus: Trilha Sonora do Filme (a Produzir)

*= O disco, embora gravado pela dupla, hoje é um álbum que não faz parte da discografia oficial, que faz questão de renegá-lo, alegando que era um disco de baixa qualidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências