Leblon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Leblon
—  Bairro do Brasil  —
Vista aérea do Leblon.
Vista aérea do Leblon.
Leblon.svg
Distrito Subprefeitura da Zona Sul
Criado em 26 de julho de 1919
Área
 - Total 215,31 ha (em 2003)[1]
População
 - Total 46 044 (em 2 010)[1]
 - IDH 0,967[1] (em 2000)
Domicílios 22 259 (em 2010)[1]
Limites Gávea, Lagoa, Ipanema e Vidigal[2]
Subprefeitura Subprefeitura da Zona Sul
Fonte: Não disponível

Leblon é um bairro nobre da zona sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Localiza-se entre a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Oceano Atlântico, o Morro Dois Irmãos e o Canal do Jardim de Alá[3] . O bairro faz divisa com a Gávea, a Lagoa, Ipanema e o Vidigal[4] . Seus habitantes pertencem, majoritariamente, à classe alta, incluindo alguns dos nomes da elite cultural, econômica e política carioca. No entanto, há também moradores de classe média, especialmente aqueles que vivem no bairro há muitos anos, além dos moradores da comunidade da Cruzada São Sebastião. Algumas das suas ruas mais tradicionais são a Avenida Delfim Moreira, Avenida Ataulfo de Paiva, Rua Rainha Guilhermina, Avenida Bartolomeu Mitre e Avenida Afrânio de Mello Franco. Esse bairro, de acordo com o projeto do governo estadual, possuirá uma estação de metrô a ser chamada de Estação Antero de Quental.

O dia do Leblon é comemorado a 26 de julho, pois, nessa data do ano de 1919, foi definida a configuração atual da maior parte de suas ruas.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Até as últimas décadas do século XIX, era um território arenoso ocupado por algumas chácaras. O francês conhecido por Carlos Leblon, possuidor de uma empresa de pesca de baleias, tinha ali uma dessas chácaras desde 1845, razão pela qual a região ficou sendo conhecida como Campo do Leblon, denominação informal que acabou fixada ao bairro[5] .

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro registro escrito sobre a atual região ocupada pelo bairro é um mapa feito por exploradores franceses em 1558. No mapa, a região coincide com a aldeia tamoia de Kariané. Nesse mesmo século, após a vitória dos portugueses sobre os franceses no conflito da França Antártica, o governador português Antônio Salema espalhou roupas infectadas com o vírus da varíola nas matas às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, com o propósito de exterminar os índios tamoios que habitavam a região e poder, assim, estabelecer engenhos de cana-de-açúcar na região. Em 1603, Antônio Pacheco Calheiros obteve a posse por enfiteuse (empréstimo) da região, chamada na época de "Costa Brava" ou "Praia Brava". Em 1606, a posse das terras foi passada a Afonso Fernandes.

Em 1609, foi passada a Martim de Sá, governador do Rio de Janeiro. Em 1610, foi passada para Sebastião Fagundes Varela, que passou a utilizar a região como local de pastagem para seu gado. Em 1808, Dona Aldonsa da Silva Rosa comprou as terras. O português Manoel dos Santos Passos comprou-as em 1810. Bernardino José Ribeiro comprou-as em 1844 e vendeu-as no ano seguinte ao empresário francês Carlos Leblon, que montou na região uma empresa de pesca de baleias. Na época, as baleias, em especial as cachalotes, eram muito importantes na economia, pois forneciam óleo usado na construção civil e na iluminação pública. Nesse período, as terras de Leblon passaram a ser conhecidas como Campo do Leblon. A partir de 1854, com a implantação da iluminação a gás pelo Barão de Mauá, o negócio de pesca de baleias entrou em decadência e Leblon vendeu seu terreno para o empresário Francisco Fialho.


Em 1878, Fialho vendeu as suas terras para vários compradores, entre os quais o português José de Guimarães Seixas, que era simpatizante do movimento pela abolição da escravidão e que utilizou as terras para abrigar escravos fugitivos. No início do século XX, a Companhia Construtora Ipanema adquiriu os terrenos, dividiu-os em pequenos lotes com ruas oficiais e, em 26 de julho de 1919, começou a vendê-los a particulares, já com o nome de "Leblon". Em 1920, o prefeito Carlos Sampaio construiu os canais do Jardim de Alá e da Avenida Visconde de Albuquerque[5] .

Economia[editar | editar código-fonte]

O rendimento nominal médio mensal das pessoas de 10 anos ou mais de idade (com rendimento) do Leblon é de R$ 6.844,63 Reais (segundo o censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)[6] . O Leblon é um dos bairros mais cobiçados da cidade e o que mais valoriza a cada ano. Tem o metro quadrado mais caro do país, custando R$ 18.332 [7] . Nas áreas próximas à praia, no entanto, esse valor pode chegar a 20 000 reais.[8]

Algumas das causas dessa valorização exorbitante dos imóveis na região foram o projeto urbanístico Rio Cidade na Avenida Ataulfo de Paiva e as Áreas de Proteção ao Ambiente Cultural.[9] Além destes fatores, o déficit habitacional e de transportes, problemas mais graves da cidade, contribuem fortemente nesse aspecto.

Transportes

As principais ruas e avenidas do bairro são:

  • Avenida Delfim Moreira - percorre a Praia do Leblon e leva à Avenida Niemeyer; ao chegar a Ipanema, cruzando o Canal do Jardim de Alá, passa a se chamar Avenida Vieira Souto.
  • Avenida Bartolomeu Mitre - perpendicular à praia, leva à Rua Mário Ribeiro e à Rua Jardim Botânico.
  • Avenida Afrânio de Mello Franco - perpendicular à praia, liga a Praia do Leblon à Lagoa Rodrigo de Freitas.
  • Avenida Visconde de Albuquerque - se inicia na interseção das avenidas Delfim Moreira e Niemeyer e vai até a Avenida Bartolomeu Mitre.
  • Avenida Ataulfo de Paiva e Avenida General San Martin - paralelas à praia, têm sentidos opostos e levam ao bairro de Ipanema.
  • Avenida Borges de Medeiros - se inicia na praia e percorre a orla do Canal do Jardim de Alá e a Lagoa Rodrigo de Freitas pelo lado oeste
  • Avenida Niemeyer - liga o Leblon a São Conrado.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Mapa do Leblon.
  • População: 46 044 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, censo ano 2010)

Localidades[editar | editar código-fonte]

Sociedade[editar | editar código-fonte]

Educação
Saúde
  • Expectativa de vida média (homens e mulheres): 78,9 anos (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, censo ano 2000)

Cultura[editar | editar código-fonte]

O Leblon é conhecido por ser cosmopolita e, ao mesmo tempo, extremamente bairrista, com sua vida noturna agitada com muitos bares, restaurantes, boates e livrarias 24 horas.

Nas novelas da Rede Globo, o bairro é, constantemente, retratado pelo autor paulista Manoel Carlos, morador do local. Algumas das últimas novelas foram: Em Família, Viver a Vida, Páginas da Vida, Mulheres Apaixonadas, Laços de Família, Por Amor e História de Amor.

Na abertura da sátira de "Viver a Vida", Vim Ver Artista, do Casseta e Planeta Urgente!, foram feitas várias referências ao "Leblão" e é dita a frase "Vim Ver Artista, a novela com o IPTU mais caro da televisão brasileira", com clara referência ao alto custo de vida do bairro.

É, também, fonte de inspiração para vários músicos, estando presente em canções de Caetano Veloso (Falso Leblon, Fora de ordem, Haiti, O namorado e O quereres), Paralamas do Sucesso (Óculos), Adriana Calcanhoto (Inverno), Luciana Mello (Sexo, amor, traição), Alceu Valença (Andar, andar e Tesoura do desejo), Elba Ramalho (Aquilo Bom (Garotas do Leblon)), Ed Motta (Daqui pro Meier), Wilson Simonal (Balanço zona sul), Cazuza (Completamente blue), Barão Vermelho (Guarde esta canção e Billy Negão), Djavan (Mil vezes), Marina Lima (Virgem), Fagner (Lua do Leblon), Lobão [Pra sempre essa noite, Scaramuça e Depois da Duas], Luiz Lua Gonzaga (Aquilo Bom (Garotas do Leblon)), dentre vários outros.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]