Legião de Maria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Legião de Maria
Vexillum Legionis (estandarte legionário), inspirado no estandarte da Legião Romana. É usado em procissões da Legião de Maria
(LM)
Lema "Um Exército em Ordem de Batalha"
Fundação 7 de setembro de 1921
Tipo Associação católica de leigos
Sede Montfort House, Dublim, Irlanda
Sítio oficial Site Oficial | Site Brasileiro

A Legião de Maria (em latim: Legio Mariae) é uma associação internacional de fiéis da Igreja Católica Apostólica Romana formada por leigos que servem de forma voluntária com a finalidade de contribuir para a ação evangelizadora da Igreja, sob a poderosa proteção e sublime exemplo de Maria. Foi fundada em Dublim, Irlanda, como um movimento mariano católico romano por Frank Duff em 7 de setembro de 1921.

Hoje entre membros ativos e auxiliares possui mais de 3 milhões de legionários em todo o mundo, sendo, portanto, a maior organização leiga de apostolado da Igreja Católica.

A associação tem sua maior presença na Coréia do Sul, nas Filipinas, no Brasil, na Argentina e no Congo. Estes países possuem entre 250.000 e 500.000 membros, cada. [1]

Sua atual presidente é Sile Ni Chochlain. [2]

O objetivo dos legionários de Maria é sob o poderoso comando de Maria Imaculada, Medianeira de todas as graças’ ‘servir na guerra, perpetuamente travada pela Igreja contra o mal que existe no mundo’.

O apostolado da Legião de Maria consiste em atividades dirigidas a todos os homens e mulheres, jovens e velhos, ricos e pobres, bem como aqueles que estão à margem da sociedade (sem abrigo, prostitutas, prisioneiros, etc), católicos ou não. Os membros da Legião de Maria estão envolvidos na execução de obras espirituais, ao invés de auxílio material, reservado a outras associações.

Os membros da Legião de Maria são divididos em duas categorias principais: Ativos e Auxiliares. Os últimos se comprometem a rezar diariamente determinadas orações em nome da Legião de Maria. Já os membros ativos devem participar das reuniões semanais do seu Presídio (denomina os grupos legionários), rezar diariamente a Catena Legionis (O Magnificat; principal oração da Associação) e executar um Trabalho Legionário.

História[editar | editar código-fonte]

A Legião de Maria foi fundada em Dublim na Irlanda, no dia 7 de setembro de 1921, véspera da Natividade de Nossa Senhora e, por iniciativa de Frank Duff.

"Este exército, hoje tão numeroso, teve a mais humilde das origens. Não proveio de longas meditações: surgiu espontaneamente, sem premeditações de regras e práticas. Surgiu a idéia. Marcou-se uma tarde para a reunião de um pequeno grupo cujos componentes dificilmente supunham que estavam a ser instrumentos da Divina e amorosa Providência. O aspecto daquela reunião foi idêntico ao das reuniões legionárias que depois viriam a se efetuar em toda a terra. No meio do grupo, sobre uma mesa, com uma toalha branca, erguia-se uma imagem da Imaculada Conceição (igual à da Medalha Milagrosa) ladeada por dois vasos de flores e duas velas acesas. Esta disposição, tão expressiva no seu conjunto, fruto da inspiração de um dos primeiros a chegar, refletia perfeitamente o ideal da Legião de Maria. A Legião é um exército. E, antes mesmo de os legionários se reunirem, ela, a Rainha, já aguardava, de pé, aqueles que certamente atenderiam ao seu chamado. Não foram eles que a adotaram: foi ela que os adotou. E desde então, com ela marcharam e combateram, certos de que haviam de vencer e perseverar, precisamente na medida em que estivessem unidos a ela. O primeiro ato coletivo destes legionários foi ajoelhar. Aquelas cabeças jovens e ardentes inclinaram-se. Rezou-se a Invocação e a Oração ao Espírito Santo; e depois, aqueles dedos que, durante o dia, haviam trabalhado arduamente, desfiaram as contas do terço, a mais simples das devoções. Terminadas as orações, sentaram-se e, sob a proteção de Maria (representada por sua imagem), aplicaram-se a procurar os meios de mais agradar a Deus e de O tornar mais amado neste mundo, que lhe pertence. Desta troca de impressões nasceu a Legião de Maria, com a fisionomia que hoje apresenta. Que maravilha! Quem, considerando a humildade de tais pessoas e a simplicidade do seu procedimento, poderia prever, mesmo num momento de entusiasmo, o destino que em breve as esperava? Quem, dentre elas, poderia imaginar que estava sendo inaugurado um sistema que, sendo dirigido com fidelidade e vigor, possuiria o poder de comunicar, através de Maria, a doçura e a esperança às nações? Entretanto, assim havia de ser. O primeiro alistamento dos legionários de Maria realizou-se em Myra House, Francis Street, Dublin, Irlanda, às vinte horas do dia 7 de setembro de 1921, véspera da festa da Natividade de Nossa Senhora. A organização nascente ficou conhecida no início como “Associação de Nossa Senhora da Misericórdia”, em virtude de o primeiro grupo ter tomado o título de “Senhora da Misericórdia”. Circunstâncias, aparentemente casuais, determinaram o dia 7 de setembro, que parecia menos indicado que o seguinte. Só alguns anos depois – quando provas sem número de um verdadeiro amor maternal, levaram à reflexão – é que se compreendeu que, no ato do nascimento da Legião, esta recebera das mãos de sua Rainha uma enternecedora carícia. “Da tarde e da manhã se fez o primeiro dia” (Gn 1, 5); e com certeza os primeiros e não os últimos perfumes da festa da sua Natividade eram os mais apropriados aos momentos iniciais de uma organização, cujo principal e constante objetivo consiste em reproduzir em si própria, a imagem de Maria, de maneira a glorificar melhor o Senhor e a comunicá-lO aos homens." (cf. Manual Legio Mariae, página 09, 1ª edição no Brasil conforme nova edição revista e aumentada publicada pelo Concilium em 1993.)

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A organização da Legião de Maria baseia-se na Legião Romana, começando com o Presídio como sua menor unidade, e subindo a partir daí. O Presídio (Præsidium) geralmente compreende um grupo de 4-20 membros, que se reúne semanalmente em sua paróquia.

A Cúria é o próximo nível, e uma Cúria supervisiona vários Presídios. O próximo nível é o Comício (Comitium), que é responsável por várias cúrias, geralmente sobre uma área como uma cidade de médio ou uma parte de uma província.

O nível seguinte é a Régia, encarregado de territórios maiores, como uma província ou estado. O Senado (Senatus) é o próximo nível mais alto, e geralmente tem controle sobre as Régias (Regiæ) em uma área muito grande, geralmente um país ou território muito grande, sendo que o Brasil possui oito senados (plural homônimo).

O Concílio da Legião de Maria (Concilium Legionis Mariae) é o mais alto nível. Tem a sua sede em Dublim, na Irlanda, e tem controle sobre tudo da Legião.

Cada nível da Legião de Maria tem os mesmos agentes: o Presidente, Vice-presidente, o Secretário, o Tesoureiro e Diretor Espiritual. Este último deve ser um sacerdote ou um religioso. Todos os outros cargos são ocupados por leigos, homens ou mulheres.

Finalidade e Espírito da Legião de Maria[editar | editar código-fonte]

A Legião de Maria é um Movimento internacional, católico de leigos que querem colaborar na Missão evangelizadora da Igreja. Os seus membros praticam o apostolado direto através do contato pessoal, especialmente junto das pessoas mais afastadas da Igreja. A espiritualidade da Legião de Maria é a própria espiritualidade de Maria, a qual o legionário esforçar-se-á ao máximo para alcançar, baseando-se principalmente na fé, na humildade, na obediência perfeita, na doçura angélica, na ação conjunta do Espírito Santo e de Maria, na obra da redenção e no estabelecimento do Reino de Deus no mundo. Na sua vida o legionário considera-se instrumentos da Mãe e Rainha, pela sua união íntima com ela entregando-se, a seu exemplo, à ação do Espírito Santo, que é o principal agente da evangelização.

Associação Internacional de Fiéis[editar | editar código-fonte]

No dia 27 de março de 2014, O Secretário do Pontifício Conselho para os Leigos, Dom Josef Clemens, entregou na sede do Dicastério do Vaticano, o decreto no qual a Legião de Maria é reconhecida como ‘associação internacional de fiéis’ e por meio do qual são aprovados os estatutos desta realidade eclesial. [3]

Referências

  1. The New Evangelisation: Priests and Laity. Visitado em 11 de agosto de 2012.
  2. Elections of Concilium Officers at the July 2014 Concilium Meeting [1]
  3. Legião de Maria reconhecida pela Santa Sé como 'associação internacional de fiéis'[2]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]