Lei de causa e efeito (filosofia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Causalidade.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão com|....|{{subst:DATA}}}}.

Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A lei de causa e efeito, afirmada como sendo uma "lei" em Filosofia, argumenta que todo efeito deve ter uma causa.

É uma argumentação usada pelos criacionistas para questionar a teoria da evolução dos seres vivos como solução da origem da vida. Descartes afirmou que: "Não há nenhuma coisa existente da qual não se possa perguntar qual é a causa".

Aristóteles afirmava que "uma pedra de granito poderia se transformar numa estátua desde que um escultor se dispusesse a esculpi-la". Aristóteles acreditava que na natureza havia uma relação de causa e efeito e também acreditava na causa da finalidade. Deste modo, não queria saber apenas o porquê das coisas, mas também a intenção, o propósito e a finalidade que estavam por trás delas.

Sobre a causa ser superior ao efeito[editar | editar código-fonte]

Os criacionistas afirmam sobre sua aplicabilidade e amplo reconhecimento em diversas ciências como na Física, na Química, na Biologia, na Filosofia e na Sociologia.

Contudo existem questionamentos quanto à causa ser sempre igual ou superior sobre o efeito. Pode-se alegar que se trata de uma falácia seria que uma simples faísca pode deflagar uma explosão diante de uma enorme quantidade de pólvora. Acontece que a faísca sozinha não seria capaz de causar uma explosão. Existe uma causa "escondida" que não vemos a olho nu. Na pólvora o enxofre e o carvão são os combustíveis e o nitrato de potássio fornece o oxigênio, de forma que a combustão ocorre muito rapidamente.

Observa-se que parte do conflito parte do pressuposto que a causa sempre se situa no agente. Contudo, o fato é que ela também pode estar intrínseca ao reagente. O funcionamento de um motor depende de um conjunto de circunstâncias favoráveis ao seu funcionamento, de forma que devemos cuidar para que a parte não seja confundida como o todo, em se tratando de um sistema complexo. Logo, o conceito de superioridade não reside na complexidade, pois o ponto "fraco" da estrutura complexa à coloca em nível de inferioridade.

Na matemática, um mínimo nêutron pode desencadear uma fissão num núcleo atômico como o de urânio (que contém muito mais de um nêutron) causando sua fissão nuclear. Porém, no espaço, dizemos que um corpo menor é atraído pelo um maior.

Em física, o exemplo seria direta e banalmente simples, pois um grupo pequeno e suficiente de bactérias patogênicas, de volume e massa minúsculo, pode levar a morte um organismo complexo como por exemplo o humano, ou mesmo, uma população inteira de indivíduos.

Na Sociologia, basta lembrarmos que um pequeno grupo de indivíduos, munidos de discurso convincente e popular, podem conduzir uma população inteira a revoltas ou revoluções.

Questões de causalidade na evolução dos seres vivos são estudadas seriamente em biologia[1] e nas discussões sobre teleologia no processo evolutivo.

Referências

  1. W. Joe Dickinson & Jon Seger; Cause and effect in evolution; Nature 399, 30 (6 May 1999) | doi:10.1038/19894

Referências[editar | editar código-fonte]