Leilão eletrônico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Evolution-tasks.png
Atenção: Este artigo sobre direito foi listado como um artigo com problemas.
Ajude-nos na evolução desse artigo solucionando os problemas apontados.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Leilão eletrônico (português brasileiro) ou leilão eletrónico (português europeu), leilão em linha, e-leilão, e-auction, sourcing event, e-sourcing ou eRA é uma ferramenta utilizada em Business-to-Business (B2B) principalmente para as áreas de aquisição ou compras (Procurement). É uma modalidade de leilão em que o papel do comprador e do vendedor são influenciados pelo fator do objetivo primário de propor-se preços menores a cada lance.

Num leilão simples (também conhecido como forward auction), compradores competem entre si para obter ou comprar um bem ou serviço.

Num leilão reverso, vendedores competem para ganhar ou obter o negócio.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Leilões eletrônicos ganharam popularidade no início dos anos 1990 como resultado da maior integração entre aplicações baseadas em Internet.

A pioneira neste campo de leilões reversos, FreeMarkets, foi fundada em 1995 pelo consultor da McKinsey e pelo executivo da General Electric Glen Meakem após ele ter falhado em encontrar suporte interno à ideia de uma divisão específica na General Electric voltada à leilões eletrônicos. Meakem contratou seu colega Sam Kinney que desenvolveu a maior parte do conteúdo proprietário da FreeMarkets. Baseada em Pittsburgh, PA, EUA; a FreeMarkets construiu times de desenvolvimento de mercados, conhecidos como "market makers" e "commodity managers" para gerenciar a tendência de processos e marcar base em processos de aquisição buscando gerenciamento destes em nível global.

O crescimento da companhia aproveitou-se do boom da "era ponto-com".

Os clientes da FreeMarkets incluiam grandes empresas e "players" globais como BP plc, United Technologies, Visteon, H.J. Heinz, Phelps Dodge, Alcoa, Exxon Mobil, e Royal-Dutch Shell, além de outros iniciantes no setor como EU-Supply, Procuri e CommerceOne.

Embora a FreeMarkets sobrevivesse no período de estagnação/ queda do período do boom ponto-com, no início da década de 2000 aparente seu modelo de negócio era realmente como uma empresa consultora da velha economia mas com software proprietário sofisticado. Os leilões reversos transformaram-se na base de seus negócios e os preços que FreeMarkets tinha para seus serviços deixaram de cair significativamente. Isto conduziu a uma consolidação do mercado do serviço de leilões eletrônicos.

A revista norte-americana Fortune publicou um artigo em Março de 2000 que descreve os primórdios dos leilões reversos [1].

O leilão reverso é uma ferramenta usada por muitas organizações de compras e gerenciamento de cadeias de suprimento para gerenciar gastos, como parte de compras estratégicas e análise total das atividades de gerenciamento da cadeia de suprimentos.

Ícone de esboço Este artigo sobre o Comércio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.