Lemóvios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa do Império Romano, indicativo das tribos que habitavam a Europa, no ano de 125, mostrando a localização dos Rúgios, que habitavam próximos aos Lemovianos.

Os Lemóvios (também chamados de Lemoviis e (em alemão) Lemovier) formavam uma tribo germânica, descrita por Tácito, no final do primeiro século. [1] [2] Segundo as observações de Tácito, eles viviam perto dos Rúgios e dos Godos e que usavam espadas curtas e escudos redondos. [1] [2]

Dados históricos[editar | editar código-fonte]

A cultura Oxhoft está associada com ambos os povos germânicos: Rúgios e Lemóvios.[2] Além disso, o grupo Plöwen (em alemão: Plöwener Gruppe) da região do Uecker-Randow está associado com os Lemóvios.[3]

O grupo de arqueólogos Dębczyn encontrou uma habitação desta tribo na costa do Mar Báltico, na região conhecida hoje como Pomerânia, e que tem a sua construção antes do período migratório.[4] [5] Tendo-se em conta, estes restos arqueológicos, acredita-se que os Lemóvios teriam sido vizinhos dos Rúgios e que, entre seus remanescentes [comuns], encontram-se os Widsith 's Glommas. Tanto o termo "Lemovii" quanto o "Glommas", tem uma mesma significação etimológica e querem dizer "os latidos."[5] As Sagas germânicas relatam uma batalha na ilha de Hiddensee entre o rei Hotel Carabela (Hethin, Heodin do Glommas) e rei Rugio Hagen, na sequência do rapto da princesa Hilde, filha de Hagen, por Carabela.[4] No entanto, existem também outras hipóteses sobre a localização dos Lemóvios, e que atestam sua, tanto quanto dos Glommas, como provável, mas não certa.[4]

O Lemóvios também foram relacionados com os Turcilíngios, por Jordanes e juntamente com os Rúgios, por Ptolomeu assim como muitas outras hipóteses.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:
  • Cultura germânica primitiva

Referências

  1. a b The Works of Tacitus: The Oxford Translation, Revised, With Notes, BiblioBazaar, LLC, 2008, p.836, ISBN 0-559-47335-4
  2. a b c J. B. Rives on Tacitus, Germania, Oxford University Press, 1999, p.311, ISBN 0-19-815050-4
  3. Horst Keiling, Archäologische Funde von der frührömischen Kaiserzeit bis zum Mittelalter aus den mecklenburgischen Bezirken, Museum für Ur- und Frühgeschichte Schwerin, 1984, p.8
  4. a b c Johannes Hoops, Herbert Jankuhn, Heinrich Beck, Rosemarie Muller, Dieter Geuenich, Heiko Steuer, Reallexikon der germanischen Altertumskunde, 2nd edition, Walter de Gruyter, 2001, pp.158,159, ISBN 3-11-016950-9 [1]
  5. a b Johannes Hoops et al, Reallexikon der germanischen Altertumskunde, Walter de Gruyter, pp.258-259, ISBN 3-11-016950-9

Bibliografia[editar | editar código-fonte]