Lenda do minhocão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A lenda do minhocão


Reza a lenda que o minhocão é uma cobra enorme que pode sugar o sangue de uma pessoa. É assim que acontece: Em noites de lua cheia a cobra que fica entre mastros e caibros debaixo d´água próxima de pontes ou casa de palafitas, através da sombra dos pescadores suga seu sangue sangue da pessoa e esta cai morta dentro do rio.

A lenda abaixo foi descrita no artigo "Ao Redor e Através do Brasil", publicada na revista "Kosmos", número 12 (1908), por Alípio de Miranda Ribeiro. “...Disseram-me que em Corumbá, até havia uma pessoa que vira o Minhocão. Procurei-a. Era um velho italiano, um dos mais velhos moradores da cidade, antigo capitão de navio, reduzido à vida sedentária de administrador de fazendas. Não, disse-me ele, eu não vi o Minhocão, vi o seu rastro. Meu filho, sim, o viu uma vez e correu dele às léguas. Disse-me que era preto e parecia um enorme bote de quilha para cima. O rapaz estava numa canoa no rio Paraguai; encostou-se à terra e correu com todas as forças para casa. Fui ver o lugar e encontrei o seu rastro, na lama e no aguapé. Era uma depressão enorme, um sulco muito largo que só uma embarcação grande poderia ter produzido; e por toda a redondeza só havia canoas e essas mesmo pequenas...” (Texto de Bambino-de-Mamãe)