Leonor Edmunda de Saxe-Eisenach

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Leonor Edmunda de Brandemburgo-Ansbach
Marquesa de Brandemburgo-Ansbach
Duquesa de Saxe-Eisenach
Marquesa de Brandemburgo-Ansbach
Período 4 de novembro de 1681 - 22 de março de 1686
Predecessor Sofia Margarida de Oettingen-Oettingen
Sucessor Cristiana Carlota de Württemberg-Winnental
Eleitora-Consorte da Saxónia
Período 17 de abril de 1692 - 27 de abril de 1694
Predecessor Ana Sofia da Dinamarca
Sucessor Cristiana Eberardina de Brandemburgo-Bayreuth
Cônjuge João Frederico de Brandemburgo-Ansbach
João Jorge IV da Saxónia
Descendência
Carolina de Ansbach
Frederico Augusto de Brandemburgo-Ansbach
Guilherme Frederico de Brandemburgo-Ansbach
Pai João Jorge I de Saxe-Eisenach
Mãe Joaneta de Sayn-Wittgenstein
Nascimento 13 de Abril de 1662
Friedewald, Alemanha
Morte 9 de setembro de 1696 (34 anos)
Pretzsch (Elbe), Alemanha

Leonor Edmunda de Saxe-Eisenach (Leonor Edmunda Luísa), (13 de abril de 1662 - 9 de setembro de 1696), foi a mãe da princesa Carolina de Ansbach, consorte do rei Jorge II da Grã-Bretanha. Foi marquesa de Brandemburgo-Ansbach entre 1681 e 1686, como segunda esposa do marquês João Frederico de Brandemburgo-Ansbach, e eleitora da Saxónia entre 1692 e 1694, devido a um segundo casamento desastroso com o príncipe-eleitor João Jorge IV da Saxónia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

A princesa Leonor Edmunda foi a primeira filha do duque João Jorge I de Saxe-Eisenach e da duquesa Joaneta de Sayn-Wittgenstein. Um dos seus irmãos mais novos era o futuro duque João Guilherme III de Saxe-Eisenach.

Em 1681, tornou-se a segunda esposa do marquês João Frederico de Brandemburgo-Ansbach. Teve um filho, Guilherme Frederico, e uma filha, Carolina. Em 1686, ficou viúva e, como tal, mudou-se com os seus filhos para viver na pobreza em Crailsheim.

A 17 de abril de 1692, em Leipzig, Leonor casou-se com o príncipe-eleitor João Jorge IV da Saxónia. O jovem príncipe foi forçado pela mãe, a eleitora-viúva Ana Sofia, a casar-se para ter herdeiros legítimos para o eleitorado, mas também para terminar o caso amoroso entre João Jorge e a sua amante, Magdalene Sibylle "Billa" de Neidschutz. Outro motivo era obter uma aliança entre Brandemburgo e a Saxónia.

Logo depois de começar a governar o eleitorado, João Jorge passou a viver abertamente com Billa, que se tornou a primeira "amante oficial" (Favoritin) de um príncipe-eleitor da Saxónia [carece de fontes?]. Leonor ficou no Hofe (a residência oficial do príncipe-eleitor), enquanto Jorge se mudou para outro palácio com Billa.

Desesperado para se casar com a sua amante, João Jorge tentou matar Leonor, mas foi impedido pelo seu irmão mais novo, o príncipe Frederico Augusto. Quando João tentou apunhalar Leonor com uma esposa, Frederico, que estava desarmado, parou o golpe com a mão, o que o deixou com marcas físicas para o resto da vida.

Leonor sofreu dois abortos durante este casamento, em agosto de 1692 e em fevereiro de 1692, bem como uma gravidez fantasiosa em 1693.1 Tinha como confidente o diplomata inglês George Stepney, que escreveu muito sobre ela e sobre a corte da Saxónia. João Jorge morreu a 27 de abril de 1694 de varíola. Como viúva, Leonor e os seus filhos foram exilados para Pretzsch. Leonor morreu dois anos depois, a 9 de setemebro de 1696.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Leonor Edmunda de Saxe-Eisenach em três gerações
Leonor Edmunda de Saxe-Eisenach Pai:
João Jorge I de Saxe-Eisenach
Avô paterno:
Guilherme de Saxe-Weimar
Bisavô paterno:
João II de Saxe-Weimar
Bisavó paterna:
Doroteia Maria de Anhalt
Avó paterna:
Leonor Doroteia de Anhalt-Dessau
Bisavô paterno:
João Jorge I de Anhalt-Dessau
Bisavó paterna:
Doroteia de Simmern
Mãe:
Joaneta de Sayn-Wittgenstein
Avô materno:
Ernesto de Sayn-Wittgenstein-Sayn
Bisavô materno:
Guilherme III de Sayn-Wittgenstein-Sayn
Bisavó materna:
Ana Isabel de Sayn Wittgenstein
Avó materna:
Luísa Juliana de Erbach
Bisavô materno:
Jorge III de Erbach-Breuberg
Bisavó materna:
Maria de Barby-Mühlingen

Referências

  1. Sharp, 48-49

Bibliografia[editar | editar código-fonte]