Leopardo-de-zanzibar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde abril de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
O leopardo-de-zanzibar.

Leopardo-de-zanzibar (Panthera pardus adersi), é uma subespécie, possivelmente extinta, de leopardo, endêmica da ilha de Unguja, no arquipélago de Zanzibar, atualmente parte da Tanzânia, no Continente Africano, costa oriental (Oceano Índico). O crescente conflito entre a população humana e os leopardos no século XX levou à sua demonização e extermínio deliberado. As tentativas de desenvolver um programa de conservação dos leopardos de Zanzibar em meados da década de 1990 foram abandonados quando vários investigadores chegaram à conclusão de que havia pouca esperança de sobrevivência a longo prazo da especie.

A história evolutiva do leopardo-de-zanzibar é similar a outras espécies animais endêmicas de Unguja como a gineta de Zanzibar (viverrídeo) ou o colobo-vermelho-de-zanzibar (primata). Acredita-se que o leopardo-de-zanzibar evoluiu em seu isolamento diferenciando-se do resto das subespécies de leopardo africano, ao menos desde o fim da última Era do Gelo, quando a ilha de Unguja se separou do continente africano e se elevou acima do nível do mar. As condições locais deram lugar à evolução de una subespécie de leopardo menor que seus parentes continentais e uma mudança no desenho da pelagem, com manchas menores e numerosas quase esfumaçadas sobre o fundo.

A biologia e conduta do leopardo de Zanzibar tem sido escassamente estudadas. Só se dispõem de seis peles e exemplares dissecados em museus, incluindo o exposto no Museu de História Natural de Londres e um espécimen muito mais antigo no Museu de Zanzibar.[1] [2] O leopardo-de-zanzibar nunca foi estudado na natureza e a última ocasião em que um investigador afirmou avistar um foi no principio da década de 1980.[3] A maioria dos zoólogos presume que o leopardo-de-zanzibar atualmente se encontra extinto ou quase extinto.[4] Entretanto, segundo informes do governo de Zanzibar, alguns leopardos foram caçados no meio da década de 1990, e os habitantes de Unguja continuam afirmando ter visto leopardos e os acusam de matar seu gado.[5]

Referências

  1. Walsh, M.T. & Goldman, H.V. (2003). «The Zanzibar Leopard Between Science and Cryptozoology». Nature East Africa 33 (1/2): pp. 14–16.
  2. ↑ Walsh, M.T. & Goldman, H.V. (2008). «Updating the Inventory of Zanzibar Leopard Specimens». CAT News 49: pp. 4–6.
  3. Swai, I.S. (1983). Wildlife Conservation Status in Zanzibar. Unpublished M.Sc. dissertation, University of Dar es Salaam.
  4. Stuart, C. & Stuart, T. (1997). A Preliminary Faunal Survey of South-eastern Unguja (Zanzibar) with Special Emphasis on the Leopard Panthera pardus adersi. African-Arabian Wildlife Research Centre, Loxton, South Africa.
  5. Goldman, H.V. & Walsh, M.T. (2002). «Is the Zanzibar Leopard (Panthera pardus adersi) Extinct?». Journal of East African Natural History 91 (1/2): pp. 15–25. doi:10.2982/0012-8317(2002)91[15:ITZLPP]2.0.CO;2.