Leopardus braccatus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaLeopardus braccatus[1]
Taxocaixa sem imagem
Estado de conservação
Não avaliada (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Género: Leopardus
Espécie: L. braccatus
Nome binomial
Leopardus braccatus
Cope, 1889
Distribuição geográfica
Mapa contraditório
Mapa contraditório
Sinónimos
Leopardus colocolo braccatus
Lynchailurus braccatus

Leopardus braccatus é uma espécie de felídeo da América do Sul, do gênero Leopardus. Ocorre principalmente no Pantanal, em áreas descampadas, matagais, savanas e florestas decíduas. É tradicionalmente classificado como subespécie do gato-palheiro (Leopardus colocolo), mas de acordo com medidas morfométricas do crânio e padrão de coloração da pelagem foi considerado como uma espécie separada.[2] Esta classificação não é corroborada por estudos genéticos,[3] [4] e alguns autores ainda continuam classificando a espécie dentro de L. colocolo,[5] mas alguns consideram mais provável tratá-lo como uma espécie propriamente dita,[6] e os dados genéticos são questionáveis.[7]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O Leopardus braccatus é um felino de pequeno porte, aproximadamente do tamanho de um gato doméstico. Possui uma pelagem amarelada ou marrom com manchas mais escuras sobre os flancos, uma garganta esbranquiçada, duas linhas escuras em cada bochecha, listras pretas nas pernas e no peito, e os pés e a ponta da cauda pretos. As orelhas são grandes e pontudas, com coloração variando de preta a cinza escuro, e, por vezes, com uma marcação mais pálida na superfície posterior. Existe um único relato de um indivíduo melânico selvagem no Brasil, embora este padrão de pelagem também foi observado em alguns espécimes em cativeiro.[7] Duas subespécies podem ser identificadas com base no padrão da pelagem. L. b. braccatus é quase totalmente marrom-enferrujada com pontos descorados, cauda com faixas contínuas e uma ponta preta proeminente, e os pés totalmente pretos. L. b. munoai é mais pálido e mais amarelado, com manchas no flanco que são mais marrons e mais distintas, os pés são pretos só na sola, e cauda possui com faixas descontínuas e uma estreita ponta preta.[2]

O pelo do Leopardus braccatus é geralmente mais longo do que em outras espécies relacionadas, embora os pelos mais longos da região que forma uma crista no dorso seja menos distinta. As garras são retráteis e fortemente curvadas.[7]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

São encontrados a partir do nível do mar a 2.000 metros no centro-leste do Brasil, Uruguai, e nas regiões vizinhas da região central da América do Sul (Bolívia, Paraguai e Argentina).[7] [8] Dentro desta região, que habitam uma variedade de habitats de pastagens abertas a floresta densa.[7] [2] Também foi relatada a partir de terras agrícolas e, portanto, deve ter alguma tolerância limitada para a perturbação humana.[9]

Quando reconhecido como uma espécie distinta do Leopardus colocolo, existem duas subespécies dr Leopardus braccatus:[1]

  • Leopardus braccatus braccatus (Cope, 1889) – Região central do Brasil, leste do Paraguai, extremo leste da Bolívia, e em partes do nordeste da Argentina.[6] [7]
  • Leopardus braccatus munoai (Ximenez, 1961)Rio Grande do Sul, no Brasil e no Uruguai.[6] [7]

Comportamento e dieta[editar | editar código-fonte]

São diurnos e solitários, habitando áreas de 3 a 37 km2. São carnívoros, se alimentando de pequenos mamíferos, como preás, pássaros, pequenos lagartos e cobras. Na maioria dos aspectos, que se acredita ser semelhante em comportamento e biologicamente ao Leopardus colocolo.[7] Híbridos entre Leopardus braccatus e o gato-do-mato são conhecidos no Brasil.[3]

Referências

  1. a b Wozencraft, W.C.. Order Carnivora. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 537-538 p. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. a b c Garcia-Perea, R. (1994). The pampas cat group (Genus Lynchailurus Severertzov 1858) (Carnivora: Felidae), A systematic and biogeographic review. American Museum Novitates 3096: 1-35.
  3. a b Johnson, W.E., et al.. (1999). "Disparate phylogeographic patterns of molecular genetic variation in four closely related South American small cat species". Molecular Ecology 8 (s1): S79-S94. DOI:10.1046/j.1365-294X.1999.00796.x.
  4. Macdonald, D., & Loveridge, A., eds. (2010). The Biology and Conservation of Wild Felids. Oxford University Press. ISBN 978-0-19-923445-5
  5. Pereira, J., Lucherini, M., de Oliveira, T., Eizirik, E., Acosta, G., Leite-Pitman, R. (2008). Leopardus colocolo (em Inglês). IUCN 2013. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2013 Versão 2. Página visitada em 28 de janeiro de 2014.
  6. a b c Sunquist, M. E., & Sunquist, F. C. (2009). Colocolo (Leopardus colocolo). Pp. 146 in: Wilson, D. E., & Mittermeier, R. A. eds. (2009). Handbook of the Mammals of the World. Vol. 1. Lynx Edicions, Barcelona. ISBN 978-84-96553-49-1
  7. a b c d e f g h Barstow, A.L. & Leslie, D.M.. (2012). "Leopardus braccatus (Carnivora: Felidae)". Mammalian Species 44 (1): 16–25. DOI:10.1644/891.1.
  8. Díaz Luque, Beraud, Torres, Kacoliris, Daniele, Wallace, and Berkunsky (2012). First record of pantanal cat, Leopardus colocolo braccatus, in Bolivia. Mastozool. Neotrop. 19(2)
  9. Araujo Bagno, M.. (2004). "Notes on the natural history and conservation status of pampas cat, Oncifelis colocolo, in the Brazilian Cerrado". Mammalia 68 (1): 75–79. DOI:10.1515/mamm.2004.011.