Leopoldo, príncipe regente da Baviera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde junho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Príncipe Leopoldo
Príncipe Regente da Baviera
Período 10 de junho de 188612 de dezembro de 1912
Cônjuge Augusta de Áustria-Toscana
Descendência
Luís III da Baviera
Leopoldo
Teresa
Arnulfo
Nome completo
Leopoldo Carlos José Guilherme Luís
Casa Wittelsbach
Pai Luís I da Baviera
Mãe Teresa de Saxe-Hildburghausen
Nascimento 12 de março de 1821
Wurtzburgo, Alemanha
Morte 12 de dezembro de 1912 (91 anos)
Munique, Baviera, Alemanha
Enterro Theatinerkirche, Munique, Alemanha

Leopoldo, príncipe regente da Baviera (Leopoldo Carlos José Guilherme Luís; Wurtzburgo, 12 de março de 182112 de Dezembro de 1912) foi o regente e de facto rei da Baviera de 1886 até a sua morte, devido à incapacidade de seus sobrinhos, Luís II e Oto.

Questão do trono grego[editar | editar código-fonte]

Leopoldo nasceu em Wurtzburgo, como o terceiro filho do rei Luís I da Baviera e de sua esposa, a princesa Teresa de Saxe-Hildburghausen. Ele era o irmão mais jovem de Maximiliano II da Baviera e do rei Oto I da Grécia. Além de estar na linha de sucessão ao trono da Baviera, Leopoldo também era o herdeiro presuntivo do trono da Grécia, uma vez que seu irmão Oto não tinha filhos. Entretanto, a lei grega exigia que o herdeiro de Oto se convertesse à Igreja Ortodoxa, para se tornar o futuro rei, e Leopoldo não desejava isso. Oto foi deposto em 1862, sendo substituído por um príncipe dinamarquês que se tornaria o rei Jorge I da Grécia, e morreu cinco anos depois, abandonando Leopoldo e seus descendentes como representantes da reivindicação dele. Contudo, Leopoldo nunca reivindicou nada.

Regência e morte[editar | editar código-fonte]

O príncipe regente Leopoldo em 1911.

Em 10 de junho de 1886, o sobrinho de Leopoldo, o rei Luís II, foi declarado mentalmente incompetente, o que fez Leopoldo ser nomeado regente. Após a misteriosa morte de Luís II, ocorrida poucos dias depois, ele continuou a servir como regente para o novo rei, Oto, o irmão louco de Luís II.

Leopoldo foi acusado de ter sido o assassino de seu sobrinho, mas o afável e decoroso príncipe acabou se tornando um dos governantes mais populares da Baviera. Uma de suas primeiras ações (em 1º de agosto de 1886) foi abrir muitos dos palácios de Luís II ao público.

A regência de Leopoldo foi marcada por atividades culturais e artísticas na Baviera, que prosperou sob um governo liberal, e Munique se tornou um centro cultural da Europa. O escritor Thomas Mann escreveu sobre esse período. Há muitas ruas nas cidades bávaras nomeadas em sua honra, bem como várias instituições e inclusive um bolo.

Leopoldo serviu como regente até a sua morte, em 1912, causada por bronquite. Ele foi sucedido por seu filho mais velho, Luís. Seu corpo está enterrado em Theatinerkirche, Munique.

Família[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de abril de 1844, em Florença, Leopoldo desposou a arquiduquesa Augusta Fernanda de Áustria-Toscana, a segunda filha de Leopoldo II, grão-duque de Toscana. Eles tiveram quatro filhos:

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Leopoldo, príncipe regente da Baviera