Lesbos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Lesbos
GR Lesvos.PNG
A ilha de Lesbos mostrada na costa da península anatoliana (Turquia asiática), ao noroeste de Esmirna
39° 10′ N 26° 20′ E
Geografia física
País  Grécia
Localização Mar Egeu
Ponto culminante 968 m
Área 1632,819  km²
Lesvos.jpg
Imagem de satélite de Lesbos (1995).

Lesbos (em grego: Λέσβος; transl.: Lésvos; em turco: Midilli Adası) é uma ilha grega localizada no nordeste do mar Egeu. Lesbos é parte da prefeitura de mesmo nome, e seus habitantes são chamados Lesvioi. É a terceira maior ilha grega e a sétima maior do mar Mediterrâneo.[1] Possui uma área de 1630 km² com 320 quilômetros de litoral. Sua população é de aproximadamente 90 000 habitantes, um terço dos quais vive em sua capital, Mitilene, no sudeste da ilha. A população restante é distribuída em pequenas cidades e aldeias. As maiores cidades são Caloni, Gera, Plomari, Ayassos, Eresos e Mólivos, a antiga Metímna. Mitilene foi fundada no século XI a.C. pela família Pentilida, que chegou da Tessália e governou até a revolta popular (590-580 a.C.) comandada por Pítaco.

O termo "lésbica" é derivado da interpretação dos poemas de Safo[2] , poetisa que nasceu na ilha e cuja poesia tinha grande conteúdo emocional dirigido a outras mulheres. Graças a tal associação, Lesbos e especialmente a cidade de Eresos, lugar de nascimento de Safo, são visitadas freqüentemente por turistas lésbicas hoje.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Segundo a mitologia grega clássica, a ilha foi primeiro habitada por Xanto, filho de Triopas, rei dos pelasgos de Argos; Xanto havia conquistado uma parta da Lícia, e dividiu Lesbos entre seu povo.[3]

Sete gerações depois, após o dilúvio de Deucalião haver feito boa parte da humanidade perecer, a ilha encontrava-se de novo desabitada.[4] Macareu, um nativo de Olenus e filho de Crinacus, filho de Zeus, tomou posse da ilha com seu povo, em maior parte formada de jônios.[5]

Em seguida chegou Lesbos, filho de Lápites, filho de Éolo, filho de Hipotes, que se casou com Metímna, filha de Macareu, e mudou o nome da ilha para Lesbos.[6]

Outra filha de Macareu se chamava Mitilene, que deu nome à cidade de Mitilene.[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A ilha é montanhosa. Dois picos — "Lepetímnos" (967 M) e "Olimpo", de altura parecida — dominam suas seções norte e central. A origem vulcânica da ilha é manifestada em várias nascentes quentes. A ilha é verde, competentemente chamada "Ilha Esmeralda", com uma variedade de flora que camufla sua proporção. Oliveiras — onze milhões delas — cobrem 40% da ilha juntamente com árvores de outros frutos. Florestas de pinheiros e alguns carvalhos ocupam 20% e o resto é arbustos, pastos e urbano. Na parte oeste da ilha está a segunda maior floresta petrificada do mundo de sequoias.

Sua economia é essencialmente agricultural. O óleo de oliva é a principal origem de renda. O turismo em Mitilene, encorajado por seu aeroporto internacional, e as cidades costeiras de Petra, Plomari, Mólivos e Eresos contribuem substancialmente para a economia da ilha. A pesca e a manufatura de sabonete e ouzo — o licor nacional grego — são as origens restantes de renda.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Holydays in Lesbos
  2. canais.sol.pt
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 81.2
  4. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 81.3
  5. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 81.4
  6. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 81.6
  7. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 81.7