Let it Be... Naked

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Let it Be... Naked
Álbum de remisturas de The Beatles
Lançamento 17 de novembro de 2003 (2003-11-17)
Gravação 04 de fevereiro de 1968, 02-31 de janeiro de 1969 e 3-04 de janeiro de 1970,
EMI e estúdios da Apple, e Twickenham Film Studios, em Londres
Gênero(s) Rock, blues, hard rock
Duração 35:04
Idioma(s) Inglês
Gravadora(s) Apple
Produção Paul Hicks, Guy Massey and Allan Rouse
Cronologia de The Beatles
Último
Último
1
(2000)
The Capitol Albums, Volume 1
(2004)
Próximo
Próximo

Let it Be... Naked é um álbum da banda britânica de rock The Beatles. É uma versão remixada e remasterizada do álbum Let It Be, de 1970. O projeto foi supervisionado por Paul McCartney, que sentiu que a produção de Phil Spector não representou fielmente as intenções do grupo "despojado" para o álbum original. Let It Be... Naked apresenta as canções "nuas"—sem overdubs de Spector e sem a vibração incidental de destaque do estúdio entre a maioria dos cortes do álbum original. Let It Be... Naked também substitui "Dig It" e "Maggie Mae", com "Don't Let Me Down", originalmente apresentado como o lado B do single "Get Back".[1]

História[editar | editar código-fonte]

O álbum é apresentado de uma forma que Paul McCartney considera mais próxima de sua visão artística original: "voltar" para o som do rock and roll de seus primeiros anos,[2] em vez dos overdubs orquestrais e enfeites que foram adicionados por Phil Spector na produção final do álbum Let It Be. McCartney em particular esteve sempre insatisfeito com o estilo de produção "Wall of Sound" dos remixes de Phil Spector, especialmente por sua canção "The Long and Winding Road", que ele acreditava ter sido arruinada pelo processo.[2] George Harrison deu sua aprovação para o projeto Naked antes de morrer.[3] A atitude de McCartney contrasta com a de Lennon mais de duas décadas antes. Em sua entrevista para a revista Rolling Stone em 1971, Lennon tinha defendido o trabalho de Spector, dizendo: "Foi-lhe dada a carga ferrada de merda mal gravada com um sentimento sempre ruim para ele, e ele fez algo de que... Quando ouvi isso, eu não vomitei."[4]

Porém, Paul McCartney não gostou do resultado final, se queixando do trabalho de Phil Spector. Em 2003, é lançado então Let it Be Naked, a versão do álbum como McCartney queria que fosse sido lançado, sem o recurso do Wall of Sound de Spector. Nesta nova versão contendo dois CD´s, certas faixas como Maggie Mae foram retiradas. Foi adicionado a música Don´t Let me Down. A orquestra em The Long and Winding Road foi retirada deixando a música numa versão mais "crua" e Let it Be foi apresentada em outra versão de estúdio.

O segundo CD contém conversas entre os integrantes da banda e algumas partes de ensaios de algumas músicas. A curiosidade desse CD está em um trecho onde John Lennon ensaia a música que seria conhecida como Imagine.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Metacritic 68/100[5]
Allmusic 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[6]
Pitchfork Media 7.0/10[7]
Rolling Stone 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg[8]

O álbum recebeu críticas mistas, com o site agregador de criticas Metacritic deu ao álbum uma pontuação de 68 em 100%.[5] Rovi Staff da Allmusic elogiou o álbum citando: "No geral um pouco mais forte [do que Let It Be] ... um álbum mais elegante, mais liso".[6] Enquanto a revista Pitchfork, em um artigo de Dominique Leone declarou "não essencial [...] embora impecavelmente apresentado".[7] Anthony DeCurtis da Rolling Stone observou que "[enquanto] as melhorias sonoras para o álbum como um todo são inegáveis [...] novatos devem ainda obter o original".[8]

Músicas[editar | editar código-fonte]

Disco 1[editar | editar código-fonte]

  1. "Get Back"
  2. "Dig a Pony"
  3. "For You Blue"
  4. "The Long and Winding Road"
  5. "Two of Us"
  6. "I've Got a Feeling"
  7. "One After 909"
  8. "Don't Let Me Down"
  9. "I Me Mine"
  10. "Across the Universe"
  11. "Let It Be"

Disco 2[editar | editar código-fonte]

Chamado de Fly on the wall, trata-se de diálogos e trechos de músicas.

  • Conversation
  • "Sun King" – 0:17
  • "Don't Let Me Down" – 0:35
  • Conversation
  • "One After 909" – 0:09
  • Conversation
  • "Because I Know You Love Me So" – 1:32
  • Conversation
  • "Don't Pass Me By" – 0:03
  • "Taking a Trip to Carolina" – 0:19
  • "John's Piano Piece" – 0:18
  • Conversation
  • "Child of Nature" – 0:24
  • "Back in the U.S.S.R." – 0:09
  • Conversation
  • "Every Little Thing" – 0:09
  • "Don't Let Me Down" – 1:01
  • Conversation
  • "All Things Must Pass" – 0:21
  • Conversation
  • "She Came in Through the Bathroom Window" – 0:05
  • Conversation
  • "Paul's Piano Piece" – 1:01
  • Conversation
  • "Get Back" – 0:15
  • Conversation
  • "Two of Us" – 0:22
  • "Maggie Mae" – 0:22
  • "Fancy My Chances With You" – 0:27
  • Conversation
  • "Can You Dig It?" – 0:31
  • Conversation
  • "Get Back" – 0:32
  • Conversation

Músicos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Unterberger, Richie. Let It Be (em inglês). All Media Guide. Allmusic. Página visitada em 06 d janeiro de 2014.
  2. a b Hurwitz, Matt (1º de janeiro de 2004). The Naked Truth About The Beatles' Let It BeNaked [sic] (em inglês). Penton Media. Mix. Página visitada em 06 de janeiro de 2014.
  3. It's a Bad Day on CNN (em inglês). Rediff.com (13 de setembro de 2003). Página visitada em 06 de janeiro de 2014.
  4. Everett, Walter. The Beatles as Musicians: Revolver Through the Anthology (em inglês). ilustrada ed. [S.l.]: Oxford University Press, 1999. p. 277. ISBN 0195129415
  5. a b Let It Be... Naked Reviews (em inglês). Metacritic. Página visitada em 07 de janeiro de 2014.
  6. a b Staff, Rovi. Let It Be... Naked (em inglês). All Media Guide. Allmusic. Página visitada em 06 de janeiro de 2014.
  7. a b Leone, Dominique (19 de novembro de 2003). Let It Be... Naked (em inglês). Pitchfork. Página visitada em 06 de janeiro de 2013.
  8. a b DeCurtis, Anthony (20 de novembro de 2003). Let It Be... Naked (em inglês). Rolling Stone. Página visitada em 06 de janeiro de 2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de The Beatles é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.