Letras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Letras (curso). (desde dezembro de 2012)
(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).

.

Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Placa de colação de grau, em Letras Português, na UESPI.

Letras é uma designação genérica que abrange as áreas científicas da Linguística (incluindo o ensino de línguas), dos Estudos literários, dos Estudos culturais, da História e da Filosofia. Estas áreas são normalmente investigadas e ensinadas nas faculdades de Letras e nos cursos superiores de Letras.

Em Portugal, as faculdades de Letras incluem ainda a Geografia e incluíram, até finais dos anos 80, a Psicologia e as Ciências da Educação.

O primeiro curso de Letras no Brasil foi oferecido em 1933, na então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Sedes Sapientiae, que em 1946 se tornaria a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

O curso de Letras forma profissionais com domínio do uso das línguas que são objeto de seus estudos, por exemplo: língua portuguesa, língua inglesa, língua espanhola, língua francesa, língua alemã em relação a sua estrutura, funcionamento, literatura e manifestações culturais. O licenciado em Letras, além de ter consciência das variedades linguísticas e culturais, deve ser capaz de refletir teoricamente sobre a linguagem, de fazer uso de novas tecnologias e de compreender sua formação profissional como processo contínuo, autônomo e permanente, no qual a pesquisa e a extensão, além do ensino, devem estar articulados.

O curso de Letras é oferecido em duas modalidades: licenciatura e bacharelado. O licenciado em Letras estuda disciplinas de áreas pedagógicas e realiza estágio de docência. A finalidade do curso de licenciatura em Letras é formar pessoal habilitado a lecionar língua e literatura em todos os níveis de ensino. O bacharel em Letras, por sua vez, não recebe essa formação pedagógica e tem em sua grade curricular disciplinas do núcleo duro (linguística e literatura) com mais profundidade. A intenção do bacharelado em Letras é formar pessoal habilitado para trabalhar com tradução, redação de textos, revisão de textos, edição de textos, crítica literária e secretariado executivo.

O curso de licenciatura em Letras oferece possibilidade de graduação em diversas línguas como português, inglês ou espanhol. Em universidades maiores, há inclusive habilitações em línguas orientais como japonês e mandarim, e línguas clássicas como grego, aramaico e latim. O curso dispõe de disciplinas que giram ao redor das áreas de linguística e literatura.

Características dos principais cursos de Letras do Brasil[editar | editar código-fonte]

  • Unesp Araraquara

Seu objetivo é formar docentes e pesquisadores nas diversas áreas: Lingüística, Língua Portuguesa, Teoria Literária, Literatura Portuguesa e Brasileira, Filologia Românica, Línguas e Literaturas Estrangeiras: Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Italiano, Grego e Latim. O curso de Letras proporciona, além do encaminhamento para pesquisa, habilitação para o magistério do ensino fundamental e médio. Possibilita também outras opções, oferecendo embasamento necessário para tradutores, secretários bilingües e até para atividades artísticas como teatro, além de desenvolver aptidões literárias.[1]

  • Unicamp

O curso de Letras oferecido pelo Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Unicamp mantém peculiaridades que o distinguem dos demais cursos de Letras do país. Ele é composto por disciplinas ministradas por docentes que atuam na área de Lingüística, Lingüística Aplicada e Teoria Literária. A divisão das disciplinas obrigatórias entre os três departamentos que compõem o IEL permite que, durante o curso, o aluno entre em contato com diferentes perspectivas de seu objeto de ensino e pesquisa: a linguagem. A teorização sobre a linguagem, indissociada da prática, visa formar profissionais comprometidos com a constante reavaliação de seu trabalho profissional. Um componente forte do curso é a investigação científica. O objetivo de incentivar a pesquisa na Graduação é o de proporcionar que o aluno esteja preparado para, mesmo depois de formado, exercer sua profissão analiticamente. As línguas estrangeiras fazem parte do currículo, pois considera-se que seu aprendizado permite que o licenciando faça reflexões sobre a sua própria língua materna e sobre processos de ensinar/aprender. No ato da matrícula, o aluno deve escolher uma língua estrangeira entre inglês, francês, alemão, espanhol ou italiano, que deverá cursar como disciplina obrigatória por, no mínimo, quatro semestres. Além da obrigatória, o aluno ainda poderá cursar outras línguas estrangeiras como disciplinas eletivas. [2]

  • PUC Rio de Janeiro

O Departamento de Letras da PUC-Rio caracteriza-se pela diversidade de opções apresentadas aos alunos de graduação. Esta diversidade, tanto em termos de disciplinas oferecidas, quanto em termos de alternativas profissionais, garante a aquisição de conhecimentos variados e diferentes possibilidades de inserção no mercado de trabalho. A maioria das disciplinas é comum às várias habilitações, o que permite uma maior integração entre os alunos e a possibilidade de concluir mais de uma habilitação sem aumento significativo de tempo despendido na Universidade. O currículo procura dosar o conhecimento teórico necessário para a boa formação dos alunos com o conhecimento prático da profissão. Estágios feitos pelos estudantes em quase todas as habilitações facilitam sua inserção no mercado de trabalho. Diversos tipos de pesquisa, muitas vezes remuneradas com apoio de órgãos financiadores e integradas a projetos ligados à pós-graduação, são desenvolvidos por alunos da graduação. O departamento conta com laboratórios próprios para o ensino de línguas estrangeiras, para atividades multimídia e para pesquisa em Psicolingüística. A fim de obter maior divulgação de suas pesquisas, inclusive daquelas realizadas por seus alunos e professores, mantém várias publicações e incentiva a organização de seminários e eventos variados. Também promove palestras de professores visitantes e profissionais ligados à área de Letras, como escritores, tradutores e diretores de centros culturais.[3]

  • USP

O curso de Letras caracteriza-se por estabelecer uma reflexão crítica voltada para os fenômenos da linguagem em todas as suas manifestações. O graduado em Letras poderá, além de dedicar-se à docência no ensino de nível fundamental, médio ou superior e às atividades de pesquisa, vir a desempenhar outras funções na sociedade, como editoração, produção de textos, crítica literária, tradução e demais profissões que exigem conhecimento de línguas, prática em trabalhar com textos e conhecimento de culturas estrangeiras. O curso inicia-se com um ano básico, introdutório, destinado a fornecer elementos para a compreensão do funcionamento da linguagem humana e subsídios para as disciplinas que serão cursadas posteriormente. No fim do ano básico, o aluno, de acordo com critérios pré-estabelecidos, fará a opção pela área em que deseja habilitar-se. Poderá optar por uma habilitação simples, numa das seguintes especialidades: Português, Alemão, Árabe, Armênio, Chinês, Coreano, Espanhol, Francês, Grego, Hebraico, Inglês, Italiano, Japonês, Latim, Russo ou Linguística. Em todos os casos, o estudo de uma língua visa não apenas seu aprendizado, mas também a reflexão da sua literatura. O aluno poderá optar também por uma habilitação dupla, em Português e em uma Língua e Literatura Estrangeira, ou em Português e Linguística. A habilitação em Português é possibilitada e garantida a todos que desejarem fazê-la. O estudante pode se formar como bacharel e obter, ao mesmo tempo, o diploma de Licenciatura, desde que curse disciplinas na Faculdade de Educação e no próprio curso relacionadas à formação de Professores.[4]

  • UFBA

O Instituto de Letras da UFBA oferece habilitações em três percursos formativos principais: o curso de Letras Vernáculas, o curso de Língua Estrangeira Moderna ou Clássica e a o curso de Letras Vernáculas e Língua Estrangeira Moderna ou Português como Língua Estrangeira. Os dois primeiros percursos oferecem duas habilitações: Licenciatura e Bacharelado. O curso de Letras, na modalidade licenciatura, tem como objetivo a formação do professor de português e/ou língua estrangeira para atuar no ensino fundamental e médio. Na modalidade bacharelado, o objetivo é a formação do pesquisador / tradutor / revisor, no campo da língua portuguesa e/ou literaturas de língua portuguesa, língua estrangeira e/ou literatura de língua estrangeira moderna (alemão, espanhol, francês, inglês e italiano) ou letras clássicas (grego e latim). [5]

  • UFMG

O graduado da Faculdade de Letras da UFMG, ao final de seu curso, deve ter desenvolvido as seguintes habilidades específicas da área de Letras: o domínio do uso da língua portuguesa em sua variedade padrão, bem como compreensão crítica das variedades lingüísticas, nas suas manifestações oral e escrita, nas perspectivas sincrônica e diacrônica; a compreensão crítica das condições de uso da linguagem, das restrições internas e externas das atividades discursivas, de seu uso e adequação em diferentes situações de comunicação, da capacidade de reflexão sobre a linguagem como um fenômeno semiológico, psicológico, social, político e histórico; o domínio de línguas e strangeiras em suas diferentes modalidades, oral e escrita, nos registros formal e informal; o domínio teórico e crítico dos componentes fonológico, morfossintático, léxical e semântico de uma língua; o domínio de diferentes abordagens gramaticais; a compreensão do processo de aquisição da linguagem de modo a promover uma melhor compreensão dos problemas de ensino e aprendizagem da língua materna e de línguas estrangeiras; o domínio crítico de um repertório representativo de literaturas, brasileira e estrangeira; uma visão crítica e atualizada das perspectivas teóricas adotadas nas investigações lingüísticas e literárias; uma preparação profissional atualizada, de acordo com a dinâmica do mercado de trabalho, incluindo a utilização dos recursos da informática; a consciência dos diferentes contextos culturais e interculturais e sua influência no funcionamento da linguagem, bem como para o ensino de competências lingüísticas; o domínio dos conteúdos básicos que são objeto dos processos de ensino e aprendizagem no ensino fundamental e médio; o domínio das abordagens, métodos e técnicas pedagógicas que favoreçam a construção de conhecimentos para os diferentes níveis de ensino.[6]


Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.